11 formatos de conteúdo que seu blog pode ter

11 formatos de conteúdo que seu blog pode ter

Você possui um blog em sua estratégia de vendas? Se ainda não tem, é hora de criar o seu, e o post de hoje vai falar sobre os formatos de conteúdo que você poderá produzir para vender mais!

Este post foi escrito pela Luiza Drubscky, da Comunidade Rock Content.

Muitas empresas já entenderam a importância dos blogs para o marketing digital e, por isso mesmo, eles não são mais nenhuma novidade. E uma das formas de se destacar entre tanta gente escrevendo é variar na escolha dos formatos de conteúdo.

Afinal, depois de algum tempo publicando os mesmos tipos de artigo, o seu blog vai parecer previsível para os seus leitores. E isso pode diminuir a sua audiência recorrente.

Evitar a mesmice, aliás, é bom até para te manter motivado na hora de criar conteúdo. Ninguém aguenta muitos meses repetindo a mesma fórmula, não é mesmo?

Hoje, vamos te dar algumas dicas para acabar com o tédio no seu blog. São nada menos que 11 opções de formatos simples de colocar em prática para você começar a variar agora mesmo. Acompanhe:

1. Listas

Você está lendo uma lista, percebeu? Provavelmente você gosta delas porque sabe logo de início quantas opções vão te dar.

E também porque cada intertítulo corresponde a uma dessas opções, o que agiliza a leitura. Se quiser, dá até para passar o olho rapidamente por cada um deles e pronto, você tem os seus 11 novos formatos em segundos!

Se o seu blog for como a maioria — e se você mede os resultados dele, uma parte indispensável para quem faz marketing digital — vai acabar chegando à conclusão de que os posts numerados são os mais lidos.

2. Tutoriais

Uma boa parte das pessoas que encontra os seus artigos no Google está em busca de soluções para problemas bem específicos.

É por isso que os tutoriais são tão clicados, lidos e compartilhados na internet e fora dela. Eles são um tipo de conteúdo muito detalhado e com garantia de aumentar o  tempo médio de permanência do seu blog.

E, se você não sabe, tempo de permanência é um dos critérios do Google para avaliar o seu site e te colocar lá em cima, na primeira página das buscas!

Pense bem, dependendo do problema que os seus leitores querem resolver, eles podem passar um bom tempo com a página aberta para consulta enquanto o resolvem.

Os tutoriais também são boas oportunidades de se criar conteúdo mais profundo, mesmo se a sua buyer persona não é de ler textos muito longos, por exemplo.

3. Reviews

Os reviews são vídeos ou textos com uma análise técnica de um produto ou serviço. É interessante que eles misturem informações especializadas com opiniões pessoais.

Se o seu negócio é um e-commerce, é quase obrigatório publicar reviews dos produtos que comercializa. Mas não é só para quem faz vendas virtuais que eles servem.

As pessoas adoram ouvir a opinião de blogueiros sobre todo tipo de coisa. Então, se o seu blog tem um caráter mais opinativo, encontre algum produto que tenha a ver com o conteúdo do seu blog — mesmo que você não venda esse produto — e faça uma análise.

Muita gente vai se interessar pela sua opinião e isso vai gerar cliques.

4. Pesquisas

O grande motivo para usar pesquisas é que os números são os melhores argumentos que existem. Você publica dados favoráveis à utilização de um produto ou serviço, por exemplo, e tem chances maiores de que esse texto converta em vendas.

Mas, para isso, é necessário que essas pesquisas existam. Se não existem, é você mesmo quem deve encomendá-las e isso não sai barato. Pode até ser que seja incompatível com o orçamento dos empreendedores digitais que estão começando.

Uma solução prática e sem custos é redigir textos que publicam e comentam pesquisas realizadas a pedido de outras empresas. Você direciona os dados mais interessantes para o seu público mesmo que não tenha sido você quem os levantou.

5. Infográficos

E por falar em pesquisas, a melhor forma de apresentá-las são os infográficos. Já reparou como imagens e cores ajudam a memorizar informações muito mais facilmente?

Além disso, a maior parte das pessoas aprende de uma forma muito visual. Se conseguir criar conteúdo com um bom design, combinação de cores e forte apelo aos olhos, grandes chances de que ele seja perfeitamente assimilado.

E que gere mais resultados, no final.

6. Notícias

Alguns acontecimentos relacionados ao assunto principal do seu blog podem gerar muito tráfego para você, se forem bem explorados. Por isso, pode valer a pena noticiá-los.

Ao fazer isso, comece apresentando o assunto de forma mais genérica, isto é, as mudanças que esse novo acontecimento acarreta. Em seguida, emita a sua opinião ou faça uma análise.

Lembre-se de incluir um link para um veículo de comunicação respeitado que noticiou o tema antes de você. Sites de jornais e revistas têm muita autoridade na internet, e linkar para eles vai ser muito bom para o seu SEO.

E não se esqueça de fazer a parte da análise. É ela que vai tornar a sua postagem especial, se comparada a tantos outros sites que estão escrevendo sobre o mesmo tema.

Só mais um detalhe: quando for analisar posts como esse depois de uns meses, não se assuste se notar uma queda brusca no número de visualizações.

As notícias são conteúdos de “tiro curto”. Fazem muito sucesso quando são publicadas mas perdem a força depois de algum tempo.

7. Podcasts

Os conteúdos em áudio ainda são relativamente incomuns no Brasil, mas já fazem enorme sucesso em sites muito respeitados fora daqui.

Junto com os textos, talvez os podcasts sejam as opções mais baratas de conteúdo. Tudo que você precisa é do microfone do seu smartphone, um local silencioso, um bom assunto e um briefing para não perder o fio da meada.

Além, é claro de uma conta no SoundCloud, que é a plataforma onde vai armazenar suas gravações e usar para embedá-las, isto é, incorporar os áudios nas páginas do seu blog.

8. Vídeos, o mais promissor entre os formatos de conteúdo

Os vídeos são a grande tendência de conteúdo há uns dois anos. Segundo pesquisas, cada vez mais gente vai acessar esse tipo de conteúdo, de agora em diante.

Eles são um pouco mais trabalhosos que os outros formatos que citamos, mas vale lembrar que o mais importante nem sempre é a qualidade técnica deles. Ao criar vídeos para o seu blog, priorize uma certa frequência e o conteúdo em si.

É claro que, se você vende cursos online nesse formato, por exemplo, eles devem ser de ótima qualidade. Mas não é necessário postar vídeos em full HD toda vez que for atualizar o seu blog.

Se eles forem úteis para a sua audiência, as pessoas não vão se importar se eles foram gravados com a câmera do seu celular ou lentes de última geração. O importante é ter uma estratégia e usar os vídeos para solucionar os problemas da sua persona.

9. Guest posts

Isto que você está lendo neste momento é um guest post. O blog da Comunidade Rock Content foi convidado para te contar tudo sobre os principais formatos de conteúdo aqui, no blog da Hotmart.

Convidar especialistas para escrever no seu blog é muito bom por vários motivos. Por exemplo, vocês trocam links, o que leva tráfego de um blog para o outro.

Além disso, dá pra dar uma “refrescada” no conteúdo do seu blog, saindo da mesmice e ainda oferecendo um ponto de vista diferente, vindo de fora.

10. Entrevistas

Seguindo o mesmo raciocínio, é possível atrair tráfego para o seu blog quando você entrevista alguém que tenha algo de interessante a dizer para a sua audiência.

Para falar a verdade, chamar de “entrevista” pode passar uma ideia excessivamente formal desse tipo de conteúdo. As entrevistas em blogs estão mais para descontraídos bate-papos onde pontos de vista são trocados.

A organização desse tipo de conteúdo também deve dar margem para certas informalidades. É interessante que você tenha uma linha geral a seguir, com algumas ideias de perguntas.

Mas se a coisa toma outros rumos, não se preocupe. Para quem assiste ou lê uma entrevista — ela pode ser publicada em vídeo ou por escrito, aliás — uma dose de surpresa no desenvolvimento da conversa é fundamental.

11. Posts em série

Todos os tipos de conteúdos que mencionamos podem ser condensados ou estendidos. Isto é, você pode determinar o tamanho de uma postagem apenas pela ideia que tem da importância daquele conteúdo.

Por exemplo, um post sobre marketing digital pode ser dividido em 4 partes. Uma mais geral, apresentando o tema, seguida de uma outra que fala sobre criação de conteúdo para blogs, depois uma terceira sobre redes sociais e a última sobre e-mail marketing.

Dividir o seu conteúdo assim tem muitas vantagens: você gera links entre um conteúdo e o próximo naturalmente, o que ajuda no SEO. Além disso, aprofunda a abordagem, gera autoridade e ainda passa aquela ideia de “cenas do próximo capítulo”.

O importante é sempre criar novas experiências para a sua audiência. Fazendo isso, você estimula nos seus leitores aquela sensação gostosa de algo inesperado, como se cada peça de conteúdo fosse única.

Se conseguir unir esse sabor de novidade a soluções eficazes de problemas reais deles, o seu blog vai se destacar naturalmente! Varie suas peças de conteúdo com vídeos esclarecedores, podcasts divertidos e objetivos, listas, guest posts, infográficos, reviews, listas…

E se quiser mais dicas sobre cada um desses formatos, basta curtir a página da Comunidade Rock Content no Facebook. A gente te deixa sabendo sobre cada novo artigo que aparecer!