Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Três dias imperdíveis para aprender tudo sobre o mercado digital!

Três dias imperdíveis para aprender tudo sobre o mercado digital!

Garanta seu ingresso
Fechar Guia do Afiliado: como fazer sua primeira venda

Guia do Afiliado: como fazer sua primeira venda

Tudo que você precisa saber para participar de um programa de Afiliados.

Download gratuito

O guia completo da Afiliação

O guia completo da Afiliação

Tudo que você precisa saber para ganhar dinheiro promovendo produtos de outras pessoas e sem sair de casa!

Quantas vezes você já procurou algum curso online para enriquecer seu currículo? Já tirou alguma dúvida em um vídeo tutorial ou, ainda, aprendeu algo valioso com um ebook?

Sim, os produtos digitais estão com tudo hoje em dia. E o melhor: trazem muitas oportunidades de negócio, como a afiliação.

Os infoprodutos são produzidos por alguém que detém conhecimento especializado para dividir, e eles também precisam de divulgação para serem consumidos pelo público.

É aí que entra o papel do Afiliado digital, alguém que promove o produto de terceiros em troca de comissões.

O mais legal é que esse trabalho pode trazer altos rendimentos sem um grande investimento inicial e sem que você precise sair de casa.

Parece muito bom para ser verdade? Para conhecer essa excelente oportunidade de ganhar dinheiro como Afiliado, continue a leitura.

Navegue por este post:

Índice
O terreno para o surgimento dos Afiliados digitais Afiliados: o que são, do que se alimentam, onde vivem? Quais são os perfis de Afiliados? Qualquer um pode ser Afiliado digital? Os 4 tipos de comissionamento para Afiliados O passo a passo para ser um bom Afiliado Os benefícios da afiliação As 7 melhores formas de fazer vendas como Afiliado

O terreno para o surgimento dos Afiliados digitais

A história do marketing de Afiliados nasceu praticamente junto com as vendas de produtos online.

Desde que os primeiros ecommerces surgiram, donos de produtos comercializados virtualmente perceberam que havia uma boa oportunidade em pedir para alguém influente em alguma área fazer o famoso “jabá”.

Isso ainda existe, é claro. Mas quando pensamos no contexto de produtos digitais, a necessidade de ter um intermediário ajudando a divulgá-lo se tornou ainda mais presente.

Afinal, o único meio pelo qual um produto exclusivamente digital pode ser encontrado é pela internet, mas nem sempre os Produtores têm disponibilidade ou “vocação” para as vendas.

É aí que entram os Afiliados: pessoas que estudam técnicas de marketing para promover os produtos de terceiros em troca de uma comissão.

A atividade não é tão recente. A Amazon, por exemplo, tem um programa de associados que fazem o intercâmbio entre o produto e o consumidor desde meados de 1990.

Em 2009, a Federal Trade Comission (FTC — Comissão Federal do Comércio dos EUA) regulamentou o trabalho dos Afiliados com a publicação de uma série de diretrizes para a atividade.

Afiliados: o que são, do que se alimentam, onde vivem?

Você já entendeu que o Afiliado é um intermediário entre o Produtor e o consumidor, não é? Mas como isso acontece?

Basicamente, um produto digital é feito por alguém que detém algum conhecimento específico e quer lucrar com ele por meio de materiais que são vendidos aos consumidores, como ebooks, cursos online, apostilas, podcasts, aplicativos etc.

Então, eles disponibilizam esses produtos em plataformas de hospedagem, onde os Afiliados podem começar a divulgá-los.

Nesse tipo de relação, todos saem ganhando: os Produtores conseguem um alcance maior de público e aumentam seu faturamento, e os Afiliados ganham uma comissão por essa promoção.

Todo esse intermédio é feito com muita segurança para as duas partes.

Para que não haja confusões sobre a origem da venda do produto, o Afiliado recebe um link personalizado para usar na sua estratégia de divulgação.

No programa de Afiliados da Hotmart, por exemplo, ele se chama HotLink.

Com uma tecnologia própria que usa o rastreamento desses links, a plataforma consegue identificar exatamente de onde veio o visitante que consumiu o produto.

Desse modo, não há erros no pagamento das comissões e todos trabalham com muita tranquilidade.

Quais são os perfis de Afiliados?

Os tipos mais comuns de Afiliados são o árbitro e o autoridade, mas também é comum ouvir falar do Afiliado apresentador.

Essas classificações ajudam a direcionar melhor uma estratégia, por isso, é legal ver em qual perfil você se encaixa e como pode explorar melhor o contexto em que se encontra.

Veja!

Afiliado apresentador

É uma pessoa influente, que não necessariamente é especialista no produto, mas que consegue usar a sua imagem a favor da divulgação — por exemplo, os digital influencers.

O mais interessante para esse tipo de Afiliado é investir nos seus seguidores, afinal, é um público com o qual ele já tem muita credibilidade.

Estratégias fortes nas redes sociais e reviews de produtos são boas pedidas.

Afiliado árbitro

Não é famoso nem especialista, mas sabe converter de forma certeira.

Ele estuda muito, planeja investimentos e sabe direcionar suas estratégias de divulgação conforme os resultados de métricas.

Então, seu foco está nas conversões imediatas e em altos números, com conteúdos persuasivos, anúncios e técnicas avançadas de marketing.

Além de conhecer bastante sobre o gerenciamento de campanhas pagas, esse Afiliado precisa investir para ter retorno.

Afiliado autoridade

Como o próprio nome diz, o Afiliado autoridade sabe muito sobre o assunto do seu produto e já tem um trabalho mais ou menos reconhecido em seu nicho. Por isso, investe em converter as pessoas que já acompanham seu trabalho.

Não é regra, mas o ideal é que mesmo o Afiliado apresentador ou o árbitro tentem caminhar para se tornar autoridades. Ou seja, trabalhar para construir um relacionamento de valor com a audiência e, com isso, ter uma base sólida de leads com maiores chances de conversão.

Portanto, nas estratégias de divulgação não pode faltar uma boa segmentação de mercado, conteúdos relevantes para a buyer persona e iniciativas para nutrição da audiência.

Qualquer um pode ser Afiliado digital?

Agora que você sabe o que é um Afiliado, pode estar se perguntando: será que você se daria bem nessa?

Temos uma boa notícia!

Qualquer um pode se tornar um bom Afiliado. Na verdade, o único pré-requisito para a atividade é que você tenha mais de 18 anos.

No mais, é interessante ter alguma afinidade com os produtos e com estratégias de marketing digital — mas temos boas dicas para isso neste guia!

Além disso, vale a pena ressaltar que um Afiliado pode se sair melhor se tiver algumas características, como:

  • Gostar de aprender: afinal, precisará estudar bastante sobre as estratégias para conversão de leads, o nicho em que se encaixa o produto, técnicas de produção de conteúdo etc.;
  • Ter uma boa comunicação: textos bem escritos, vídeos bem explicativos e posts convidativos fazem muita diferença. Por isso, pessoas que estudam sobre boas práticas de comunicação e oratória já têm um ponto positivo;
  • Ser persistente: embora muitos Afiliados tenham retornos rápidos, essa não é uma regra — tudo depende do nicho escolhido, da disponibilidade de tempo para se dedicar à divulgação do produto, entre outras coisas. Por isso, é importante ser persistente e não desistir caso os resultados não sejam imediatos.

Os 4 tipos de comissionamento para Afiliados

Agora, vamos à parte que mais interessa: a remuneração. Em outras palavras, o comissionamento do Afiliado de produtos digitais.

Para começar, o percentual de comissão depende do que é estipulado pelo Produtor.

Isso tem muito a ver com o tipo de conteúdo e a dificuldade em trazer consumidores: quanto mais fácil for vender o produto, provavelmente, menor será a comissão, e vice-versa.

Além disso, o Produtor pode definir o tipo de comissionamento. Em alguns casos, o Afiliado recebe por venda, por conversão, por clique no link (mesmo sem conclusão da compra) ou por visualização de conteúdo de divulgação.

Veja, abaixo, os 4 tipos de comissionamento mais comuns nas maiores plataformas de Afiliados.

CPA (Custo por Aquisição)

O CPA é o sistema de comissionamento mais utilizado.

Nele, o Afiliado recebe sua porcentagem sempre que alguém consome o produto, comprando um ebook, matriculando-se em um curso livre EAD e assim por diante.

CPC (Custo por Clique)

Nesse modelo, o visitante não precisa necessariamente concluir a aquisição. Basta que ele acesse o link exclusivo do produto para que a plataforma entenda que sua divulgação deu certo.

Aqui, porém, a porcentagem de comissionamento costuma ser mais baixa, já que o lucro não é garantido para o Produtor.

CPL (Custo por Lead)

Esse termo é famoso no mundo do marketing digital.

Anote aí: lead é um potencial cliente, ou seja, alguém que não é mais um visitante aleatório no site, mas sim uma verdadeira oportunidade de negócio.

Para que um usuário deixe de ser visitante e se torne lead, ele precisa passar por um processo de conversão, como assinar a newsletter, fornecer dados de contato, baixar algum material de valor etc. Ou seja, ele deve mostrar que tem realmente um interesse no produto.

No CPL, sempre que isso acontece, o Afiliado recebe sua comissão.

CPM (Custo por Mil)

Por fim, existe o CPM, embora não seja tão comum.

Nesse modelo, o Afiliado recebe o comissionamento sempre que são registradas 1.000 impressões do público — visitas no site, cliques no link de venda, entre outros critérios definidos pelo Produtor.

O passo a passo para ser um bom Afiliado

A afiliação fornece excelentes oportunidades para ganhar dinheiro. No entanto, assim como em qualquer atividade profissional, você precisa desempenhar bem o seu papel para ter retornos.

Pensando nisso, preparamos um passo a passo para ser um bom Afiliado. Veja!

1. Escolha um bom programa de Afiliados

Em primeiro lugar, escolha uma plataforma de Afiliados que seja confiável e que tenha uma ampla oferta de produtos.

Assim, você consegue seguir um caminho com o qual tem mais afinidade, o que garante uma estratégia de divulgação mais sólida e de valor.

2. Afilie-se a um nicho específico e com produtos de valor

Achou o programa ideal? Ótimo! Agora é hora de escolher seus produtos digitais.

Normalmente, não há limites para afiliação, mas uma boa dica é ter coerência em relação aos nichos trabalhados.

Ou seja, não saia se afiliando a tudo o que encontrar pela frente.

De preferência, opte por uma única área — no qual você verdadeiramente enxergue um propósito de atuação — e escolha produtos de valor, que façam sentido para você.

Ah, uma dica: na plataforma da Hotmart, você pode avaliar os produtos digitais por alguns indicadores, como:

  • satisfação dos usuários que já compraram aquele material;
  • temperatura do produto, isto é, como está sendo o recebimento dele no mercado;
  • porcentagem de comissão para o Afiliado;
  • qualidade das informações que o Produtor disponibilizou no momento do cadastro (o que normalmente dá pistas sobre a qualidade dos materiais de divulgação).

3. Crie um plano de divulgação

Nem só de motivação e boas intenções o Afiliado viverá. Essa atividade precisa também de muito planejamento.

Por isso, que tal elaborar um plano de divulgação antes de colocar a mão na massa?

Primeiro, pesquise um pouco sobre técnicas digitais de divulgação para definir suas estratégias de marketing. Entram em jogo questões como:

4. Produza conteúdo de qualidade

Com tudo pronto, é hora de realmente colocar a afiliação em prática.

Para tanto, há uma lei soberana: marketing digital se faz com conteúdos de valor, isto é, que realmente agregam algo à persona e contribuam para que ela avance na jornada de compra.

Para conseguir esse resultado, os conteúdos escritos e audiovisuais precisam ser personalizados, apoiados na pesquisa de mercado e embasados no conhecimento sobre o assunto.

Além disso, vale a pena estudar sobre pequenos detalhes que fazem toda a diferença, como a escaneabilidade em blog posts, a iluminação para vídeos e até a pós-produção dos conteúdos.

5. Cuide das finanças

Por último, um bom Afiliado é aquele que faz um bom planejamento financeiro — um traço comum para o sucesso de pequenos empreendedores, inclusive no mercado digital.

Para tanto, nossas dicas são:

  • fazer uma boa gestão dos comissionamentos;
  • planejar e monitorar os investimentos estratégicos;
  • multiplicar os lucros por meio de aplicações financeiras.

Os benefícios da afiliação

E aí, empolgação a mil? Vai melhorar!

Confira, abaixo, os principais benefícios que a afiliação digital é capaz de proporcionar.

Apostar no terreno digital com menos riscos

Como dissemos no começo deste texto, os produtos digitais são fonte de inúmeras oportunidades de negócio.

No entanto, para os Produtores, os riscos são um pouquinho maiores, já que eles têm que investir mais durante a criação do material.

Desse modo, a afiliação acaba sendo um meio mais seguro de se aventurar pelo terreno digital. Isso vale especialmente para quem ainda não tem afinidade com a criação propriamente dita.

Ganhar rendimentos extras ou mudar de carreira

Os rendimentos são outra vantagem e tanto, é claro.

Ainda mais tendo em vista que eles podem ser somados a uma outra fonte de renda para aquela viagem no fim do ano ou, ainda, representar a tão sonhada mudança de carreira.

Trabalhar nas horas vagas e onde quiser

Sabe aquela história de que empreendedor é o próprio chefe?

Pois então: nada de lidar com advertências por atraso ou com supervisores cobrando resultados (além de você mesmo, é claro).

Você pode trabalhar a hora que puder, onde quiser, vestindo pijama e até embaixo das cobertas.

Mas lembre-se de que seus rendimentos dependem única e exclusivamente da sua produtividade.

Ter um baixo investimento inicial

Outro atrativo e tanto na afiliação é que o investimento inicial é muito baixo.

Na verdade, em teoria ele é nulo, já que normalmente não há cobrança de taxas para se cadastrar em um programa de Afiliados.

No entanto, é preciso observar que alguns investimentos na estratégia certamente contribuirão para melhores resultados, principalmente quando pensamos em tráfego pago.

Ter ótimas oportunidades de atuação

Se você entrar em alguma grande plataforma de Afiliados para dar uma olhada, se surpreenderá com a quantidade de produtos digitais sendo ofertados.

As possibilidades são realmente promissoras!

Por isso, outra vantagem é que você terá ótimas — e variadas — oportunidades de atuação.

Contar com garantias

Diferentemente de alguns outros modelos de empreendedorismo digital, um programa de Afiliados oferece garantias importantes.

A plataforma gerencia todos os pagamentos e os links exclusivos são certeiros para a computação de comissões.

Não precisa lidar com o cliente

Agora, se você não se dá muito bem com a parte de suporte ao cliente, vai gostar desse traço da afiliação: você não precisa lidar com o consumidor.

Se houver dúvidas sobre o conteúdo do curso, o funcionamento do aplicativo ou a assistência depois da compra, será de responsabilidade do Produtor resolvê-las diretamente com o cliente.

As 7 melhores formas de fazer vendas como Afiliado

Para finalizar este guia com chave de ouro, separamos 7 dicas valiosas para você estruturar sua estratégia de divulgação. Confira!

1. Estude sobre SEO

Já ouviu falar em SEO?

A sigla se refere ao termo em inglês Search Engine Optimization, traduzida como Otimização para Mecanismos de Busca.

Em termos básicos, a ideia é aplicar algumas boas práticas ao seu conteúdo, de modo que os algoritmos dos buscadores, como o Google, entendam que aquela página é relevante.

O resultado é que o mecanismo melhora o ranqueamento do seu conteúdo, ou seja, faz com que ele apareça na primeira página de resultados quando alguém realiza uma busca pela palavra-chave.

Assim, as chances de que um usuário clique no seu site ou blog crescem bastante (a gente raramente clica na página “2” de resultados do Google, não é?).

Muita coisa está envolvida no SEO para Afiliados, como:

  • o tamanho e o conteúdo do título de um post;
  • a velocidade da página;
  • a existência de link building (estruturação de links internos e externos no conteúdo);
  • a autoridade do domínio e muito mais.

2. Aposte nas redes sociais

Também é legal diversificar nos canais de divulgação, fazendo uma estratégia que contemple não somente blogs, mas também as redes sociais, como Facebook, Instagram e Twitter.

Afinal, elas são um excelente meio de se comunicar com o público-alvo e engajar os seguidores.

Veja o Facebook: somente no Brasil, já são mais de 130 milhões de cadastros, o que corresponde à colocação de 3º país com maior número de usuários na rede social.

O que isso quer dizer? É simples: existe muita gente por lá!

Integrando estratégias de mídias sociais com anúncios pagos, por exemplo, você consegue ampliar grandemente o alcance de suas postagens, sem perder a segmentação de público.

3. Aproveite o WhatsApp e o email

Que tal um contato ainda mais personalizado?

Para estreitar o relacionamento com o usuário e aumentar as chances de conversão, duas ótimas ferramentas são o WhatsApp e o email marketing.

Nos dois casos, estamos falando de pontes para comunicação muito efetivas e com excelente custo-benefício. Até porque é muito difícil encontrar alguém que não tenha o famoso “zap” e pelo menos uma conta de email ativa.

4. Tenha um blog de valor

Os blogs vieram para ficar: sobre todos os assuntos que você imaginar, eles existem. Mas não é à toa, não!

O fato é que eles são um excelente canal para divulgar conhecimento e postar conteúdos mais extensos do que os que a gente costuma colocar nas redes sociais, por exemplo.

É praticamente impossível pensar em uma estratégia de divulgação na internet sem que você comece criando um blog. Afinal, o marketing de conteúdo é uma das bases mais fortes do marketing digital.

5. Crie um site 

Agora, será que criar um site também é tão importante? Nosso palpite é que sim!

Sites são ótimos ambientes para atrair seus leads e apresentá-los aos produtos digitais.

Na hora de usar essa estratégia, não esqueça de ter um site responsivo que seja não só atraente, mas principalmente fácil de navegar e que favoreça a experiência do usuário.

6. Use anúncios pagos

Na afiliação, um dos caminhos mais efetivos para vender mais é investir em publicidade paga. Portanto, também vale a pena incluir os anúncios na sua estratégia.

Dá para usar o Google Ads ou outros recursos das redes sociais (Social Ads), com os quais você consegue impulsionar publicações e aumentar o alcance dos seus conteúdos.

7. Produza vídeos

Nossa última dica é fazer vídeos.

Esse formato de conteúdo faz muito sucesso na internet e tem uma ótima aceitação do público.

Não é à toa que alguns youtubers fazem fama e muito dinheiro com seus canais — os conteúdos audiovisuais permitem uma conexão a mais com a audiência.

Isso se deve em muito aos elementos técnicos, como o estilo de vídeo escolhido, o plano de câmera e o uso de bons equipamentos de gravação.

Ah, não se esqueça de aplicar boas práticas de SEO para vídeos para que seus conteúdos audiovisuais também tenham um bom ranqueamento.

As mil e uma vantagens de ser um bom Afiliado

Depois desta leitura, você viu que a afiliação é uma boa pedida para quem quer trocar de atuação profissional ou ter um rendimento extra, não é?

Este guia serviu para dar a você os primeiros passos e as principais informações sobre o assunto. Agora é com você: quer se tornar um Afiliado de sucesso?

Então, baixe nosso Guia do Afiliado para tirar qualquer eventual dúvida e aprender a fazer suas primeiras vendas!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.