Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Semana do YouTube

Data: 03/09 a 07/09

Aprenda técnicas para criar conteúdos que engajam e aumente a quantidade de seguidores de seu canal!

Inscreva-se

Quais são os canais de venda mais eficientes hoje em dia?

Quais são os canais de venda mais eficientes hoje em dia?

Ponto de venda? E-commerce? Afiliados? Venda direta? Conheça os canais de venda disponíveis e confira dicas para escolher o mais eficiente de acordo com seu negócio.

Um dos grandes desafios de empresas e empreendedores é achar o canal de venda ideal para seus produtos ou serviços. A escolha de um canal eficiente tem total influência no sucesso da venda, uma vez que é o meio pelo qual o cliente vai se relacionar com seu negócio.

Para identificar o melhor e solucionar esse desafio, é preciso ter uma estratégia de marketing bem definida e entender o público-alvo do negócio. Mas também, conhecer bem as particularidades de cada canal e como eles funcionam.

Em conjunto, essas ações permitem que o empreendedor acerte na escolha, seja a estratégia voltada a utilização de apenas um canal ou de multicanal, dependendo de seu objetivo.

Neste post, você vai saber:

Índice
  1. O que são canais de venda?
  2. Quais são os melhores canais de venda?
  3. Canais de venda offline
  4. Canais de venda online
  5. Como saber qual é o mais adequado para seu negócio?
  6. Comece a vender!

O que são canais de venda?

Canais de venda são os meios pelos quais produtos e serviços se apresentam aos consumidores, ou seja, o local, a mídia ou a plataforma que permite que o cliente tenha contato com o negócio ofertado.

Pode ser também o modo que possibilita que quaisquer pessoas tomem conhecimento dos produtos/serviços, tornem-se clientes e realizem a compra.

Dentro desse conceito, temos também os canais de divulgação, que são os meios pelos quais podemos divulgar nosso produto sem necessariamente vendê-lo.

Um pouco confuso, né? Principalmente porque esses conceitos podem se misturar.

Os canais de venda não só são um mostruário para os clientes que já estão com intenção de compra, como também são uma forma de publicidade para pessoas verem seus produtos e poderem tornar-se clientes.

Por isso, a importância da escolha, afinal, ela vai fazer parte de sua estratégia de marketing e divulgação!

Quais são os melhores canais de venda?

Saber qual é o mais eficiente para seu negócio diz respeito à relação entre o objetivo do empreendimento, o entendimento de seu público e o conhecimento dos canais de venda que funcionam hoje em dia.

Então, é impossível dizer qual é o melhor e qual vai funcionar para qualquer tipo de negócio, pois cada empresa tem suas particularidades e necessidades específicas.

O que vamos fazer aqui é apresentar as diversas possibilidades e explicar a funcionalidade dos canais de venda mais utilizados. Assim, você poderá compreender e cruzar as informações com a finalidade de seu negócio.

Vamos a cada um deles?

Canais de venda offline

1 – Ponto de venda

Pontos de venda ou PDVs são os canais físicos mais conhecido e difundidos tradicionalmente entre as pessoas. Dentro do conceito de Ponto de Venda estão: loja própria, franquias e distribuidores.

Loja própria: é o canal de venda comumente utilizado no varejo e também entre profissionais liberais (que têm formação que os habilita a exercer suas atividades). Demanda grandes investimentos, manutenção e, se bem planejada, traz resultados muito bons a médio e longo prazo.

Para alcançar bons resultados com uma loja própria, precisa-se prestar atenção à localização da loja, à organização e design do ambiente e à disposição dos produtos.

Esses são aspectos fundamentais que podem ser alcançados com um bom planejamento de marketing e vão ser cruciais para atrair e convencer clientes.

Exemplos de lojas próprias: clínicas de saúde, supermercados, lojas de roupas.

Franquias: são extensões de um negócio, o qual dá permissão para que um franqueado abra uma unidade desse negócio utilizando a marca e os produtos ou serviços ofertados por ele.

O franqueador é quem cede os direitos e fornece o conhecimento tecnológico e de mercado da empresa em troca de uma taxa inicial e royalties sobre o faturamento do franqueado.

É um canal de vendas utilizado por empreendimentos que já funcionaram bem e estão em processo de crescimento, ou seja, é uma forma de o empreendedor ampliar o alcance da empresa e difundir seu modelo de negócios.

Para o franqueado, esse é um modelo que tende a ter maior sucesso, por conta do benefício que as informações cedidas pelo franqueador oferece. Entretanto, demanda um investimento inicial muito elevado e não permite independência.

Exemplos de franquias: Number One, Mind Makers

Distribuidores: fazem o intermédio entre produto e consumidor, cobrindo uma grande área do comércio. Eles vendem e revendem produtos de terceiros, sempre mantendo estoque disponível.

Para um empreendimento que deseja ampliar suas vendas, essa é uma opção muito interessante se bem acordada com o distribuidor. Este assume riscos de crédito, mas é uma alternativa de negócio com muitas chances de sucesso.

Exemplos de distribuidores: concessionárias de veículos.

2 – Venda direta

Muito comum no Brasil, a venda direta é um modelo comercial no qual há um contato pessoal direto entre a pessoa que vende os produtos/serviços e o consumidor, sem ligação com estabelecimento comercial fixo.

É uma ótima alternativa de renda extra para os revendedores de produtos. Permite flexibilidade e pode dar muito lucro, dependendo do esforço do revendedor.

Funciona muito bem para negócios de diversos segmentos, porém, tem que ser bem planejado para conseguir fazer o bom controle e expandir o alcance.

Exemplos de venda direta: Natura, Herbalife.

3 – Telemarketing

O telemarketing é um canal de vendas baseado em ligações telefônicas. As empresas o utilizam para entrar em contato com potenciais clientes e comercializar produtos e serviços.

O objetivo pode ser tanto vender ou agendar conversa pessoal quanto manter relacionamento com clientes.

A vantagem é que esse canal é uma forma de contato direto e personalizado com leads. Por outro lado, se utilizado de maneira equívoca, torna-se algo muito chato para as pessoas. Pode contribuir para a queda da reputação de sua empresa e perda da confiança de clientes.

Para ter um telemarketing de sucesso, é preciso que a equipe comercial entenda muito bem do negócio, do público-alvo e que a estratégia seja bem definida.

Canais de venda online

1- Marketplace

Marketplaces são plataformas virtuais que permitem que vários anunciantes se cadastrem e comercializem seus produtos e serviços através delas.

Normalmente, as empresas que são ou têm um site de marketplace cobram dos anunciantes uma comissão, que varia de acordo com o quanto a empresa que se cadastrou no site deseja que seus produtos sejam vistos.

Isso é, quanto maior a visibilidade, maior a comissão que sua empresa terá que pagar à empresa que gerencia o marketplace.

Caso você queira utilizar o marketplace como canal de venda, as vantagens são muitas.

A primeira grande delas é a visibilidade, uma vez que muitos consumidores optam pelos marketplaces, pois podem visualizar vários produtos de uma só vez. Então, essa é uma ótima maneira de escalar as vendas.

Além disso, seja o negócio grande ou pequeno, estar em um marketplace conhecido, que já possui reputação no mercado digital, favorece que seu negócio seja visto com confiabilidade aos olhos do consumidor.

Outra vantagem é que você não tem que se preocupar com outras burocracias, senão com o processo de cadastro e atividades estratégicas de seu empreendimento. Isso porque o marketplace proporciona o intermédio de pagamentos e se encarrega de questões técnicas.

Todavia, sua empresa precisa estar preparada para atender às normas dos marketplaces e a demanda que será gerada. Lembrando que a responsabilidade pela garantia e entrega do produto é toda sua.

Além da dependência de uma empresa terceira, seu negócio não terá uma marca forte, já que estará vinculado a uma marca maior, a do marketplace.

Por último, mas não menos importante, deve-se estar atento à concorrência, que acaba sendo muito direta por estar no mesmo site. Então, os esforços para se diferenciar e atrair os clientes serão maiores.

Exemplos de marketplaces: Mercado Livre, Amazon.

2- E-commerce

Diferente do marketplace, o comércio eletrônico (tradução literal da abreviação e-commerce) é uma loja online que vende produtos de uma única empresa.

Os e-commerces são canais de venda com grande potencial de crescimento e já refletem o sucesso de muitos empreendimentos.

Ter um e-commerce permite que você tenha liberdade com personalização do site, forma de pagamento, exibição de produtos e manutenção da divulgação.

Entretanto, depreende muito mais esforços para gerenciar e conseguir escalar o negócio. Mas esse se torna um objetivo atingível e muito benéfico se os investimentos forem feitos corretamente e se a empresa tiver um bom planejamento.

Assim como em outros canais de venda, a preocupação com a diferenciação deve ser levada em conta se você quer ter um e-commerce de sucesso. Estudar bem o mercado, saber criar estratégias e aplicá-las são partes fundamentais.

>> Leia mais sobre e-commerce: tendências, plataformas e melhores estratégias

Exemplos de e-commerces: Saraiva, Apple.

3- Programas de Afiliados

Afiliados são as pessoas que promovem produtos e serviços de terceiros, em seus sites, blogs e redes sociais, em troca de comissões.

Portanto, quando você opta pela venda de seus produtos aderindo à um programa de Afiliados, são eles que serão seus canais de venda.

Esse modelo é o mais indicado para quem tem um produto digital poder vender mais, sem necessariamente entender sobre divulgação e possuindo baixo investimento.

Os Produtores podem encontrar programas de Afiliados em plataformas digitais gratuitas, como a Hotmart. Com o cadastro de seus produtos no Hotmart Club, por exemplo, você pode contar com os Afiliados para ter sucesso em suas vendas.

Nesses casos, a plataforma, além de ser muito bem preparada para hospedar os produtos digitais, faz todo o intermédio da relação entre Produtores e Afiliados. Disponibiliza os produtos, gera os links de divulgação e entrega as comissões de forma segura.

Os dois lados se beneficiam mutuamente. Você pode lucrar muito sem se preocupar com questões de divulgação e os Afiliados saem bem fazendo o que já estão preparados para fazer.

>> Leia nosso post completo sobre programas de Afiliados.

4- Google Adwords

Esse é um canal muito famoso no meio digital, além de bastante eficiente para quem anuncia através dele seguindo as recomendações necessárias.

Isso porque a Google é a maior empresa de serviços online do mundo. Ela proporciona que os anunciantes atinjam seu público ideal e que os usuários sejam impactados apenas por anúncios que são relevantes para o que eles procuram.

O Google Adwords não é somente um canal para quem quer vender produtos. Você pode utilizá-lo para gerar tráfego para seu site e fazer sua marca ser conhecida.

Existem duas formas de anunciar no Google Adwords: rede de pesquisa e rede de display.

A rede de pesquisa exibe anúncios de texto quando o usuário busca por um termo referente a seu anúncio. Os mecanismos de busca do Google calculam através de uma análise qual anúncio será exibido e a posição que se encontrará a cada nova busca realizada.

Os anúncios patrocinados aparecem acima da busca orgânica e têm o indicativo “Anúncio” do lado do link da página, assim:

Exemplo de como são exibidos os anúncios da rede de pesquisa do Google Adwords

A rede de display conta com mais de dois milhões de sites parceiros do Google Adsense para que seus anúncios de imagem sejam exibidos em áreas estratégicas desses sites. Eles podem ser portais de notícia, blogs e outros sites especializados.

Além disso, permite que você crie anúncios em vídeo para serem exibidos no YouTube e em sites parceiros de vídeo.

Algumas das muitas vantagens de utilizar o Google Adwords como seu canal de vendas são:

  • Segmentação de público-alvo: o Google Adwords fornece várias opções de segmentação que são bem avançadas, como termos de busca, local, interesses, idade, etc.
  • Relevância: seu anúncio só será exibido para clientes potenciais, ou seja, quem já busca pelo que você oferece ou acessa conteúdo relacionado. Isso faz com que suas chances de venda sejam muito maiores em relação à quem visualiza seu produto.
  • Custo-benefício: se bem planejadas, as campanhas geram resultados muito positivos, com um investimento bem mais baixo do que você usaria em canais tradicionais.
  • Pagamento por cliques: é possível escolher pagar pelo anúncio somente se um usuário clicar nele.
  • Cálculo do ROI: você poderá saber qual foi o retorno de seu investimento a partir da análise das pessoas que interagiram com o anúncio e compraram seus produtos ou converteram em relação a seu objetivo.
  • Controle de orçamento: o Adwords permite que você ajuste seu orçamento sempre que quiser/precisar e também não cobra taxas de cancelamento da campanha, você poderá fazer isso em qualquer momento.

Com tantas vantagens, fica difícil pensar nos pontos negativos do Adwords, não é mesmo? Mas eles existem.

A concorrência, devido à grande quantidade de campanhas que são feitas no Google, pode se tornar uma barreira para empresas.

Outra é que, na estratégia de custo por clique (CPC), por exemplo, pode acontecer de usuários clicarem no anúncio, visitarem o site, mas não realizarem a compra.

Por isso é muito importante seguir as recomendações do Google, elas vão te ajudar a ter sucesso com suas vendas.

5- Google Shopping

Esse canal envolve o Google Adwords, mas é uma estratégia diferente e merece uma atenção especial.

O Google Shopping exibe produtos que estão à venda no mercado online (e disponíveis como anúncios no Adwords) seguidos do nome do produto, preço e loja. É uma ótima maneira de alavancar as vendas de lojistas.

Os anúncios do Shopping aparecem acima da busca orgânica e dos anúncios e são exibidos em carrossel, dessa forma:

Exemplo de como são exibidos anúncios do Google Shopping

Para anunciar no Google Shopping, é necessário que seu negócio possua um e-commerce ou, caso não tenha, você precisará formatar as informações de seu produto e enviar para o Google (neste artigo, você encontra todas as especificações necessárias para enviar os dados de seus produtos ao Google).

Esses dados serão importantes para você concluir uma etapa importante, que é o cadastro no Google Merchant Center.

Depois, é só integrar o Merchant Center a sua conta do Adwords e criar uma campanha do Google Shopping.

As vantagens são as mesmas de anunciar no Google Adwords, só que, dessa forma, mais do que texto, os usuários poderão ver a foto de seu produto e o preço em destaque nos resultados de busca.

6-  Facebook e Instagram

As redes sociais não só são ambientes de relacionamento e entretenimento, como também são ótimas ferramentas de negócios. Elas vêm mostrando resultados significativos de sucesso em vendas para várias empresas que as utilizam.

Mas, como utilizar o Facebook e o Instagram como canal de vendas?

Vamos lá!

No Facebook, você pode criar páginas para sua empresa. Nessas páginas, é possível colocar a descrição de seu negócio, integrar o site, criar botão de chamada para uma ação, administrar interações, publicar sobre seu empreendimento, impulsionar suas publicações e fazer anúncios.

Além disso, o Facebook possui seu próprio Marketplace dentro da plataforma, uma nova funcionalidade que permite que pessoas vendam e comprem itens. Mas ele não disponibiliza plataforma de pagamento, esse acordo deve ser feito entre o anunciante e o comprador.

Já no Instagram, você pode criar um perfil para empresas, que vai proporcionar que você tenha informações sobre seguidores e métricas, adicione seu site e outros contatos, promova posts e anuncie produtos.

Muitas empresas, mesmo sem possuir site e ponto de venda, conseguem promover seus produtos e serviços por essas redes e demonstram sucesso significativo em vendas.

Sem contar que, bem provavelmente, grande parte de sua audiência se encontra nesses canais. Então, é super recomendável manter presença neles, mesmo que não façam parte da sua estratégia principal.

Deve-se estar atento às recomendações dessas redes e estudar bem sobre marketing digital para conseguir utilizá-las efetivamente e obter bons resultados para seu empreendimento.

Você pode encontrar mais informações e dicas sobre Facebook e Instagram em nossos posts:

>> Como vender pelo Facebook

>> Como vender pelo Instagram

Como saber qual é o mais adequado para seu negócio?

Como já foi dito, não podemos dar uma receita de qual canal utilizar para vender mais. Mas, agora que você conhece os canais de vendas mais utilizados, você pode começar seu planejamento pensando em seu tipo de negócio e seu público-alvo.

Você viu que existem muitas opções e não é necessário optar somente por uma, a estratégia de multicanal funciona muito bem tanto off quanto online e misturando as duas também.

Para uma empresa física, o ideal é ter canais de venda offline, como pontos físicos de vendas. Contudo, nada impede que ela utilize o Instagram, por exemplo, como apoio para atrair mais clientes em um novo mercado e levá-los até a loja.

O mesmo acontece com empreendimentos digitais, que precisam estar presentes em algum canal online, e o mais comum é que marquem presença em vários deles.

Por exemplo, se você quer vender um curso online, pode optar por contar com Programas de Afiliados e com campanhas no Adwords para vender seu serviço.

Comece a vender!

Se você já vende e quer impulsionar suas vendas ou se você está começando agora, entender sobre os canais de venda disponíveis já é um grande passo para começar a ter sucesso.

E para te ajudar, sugerimos que você leia nosso post que mostra o Checklist completo da criação à primeira venda de seu produto digital!

E continue sempre buscando mais conhecimento, para acompanhar as mudanças do mercado e alavancar seus rendimentos!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.