Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Black Week Hotmart

Quer fazer mais vendas? Participe da Black Week Hotmart. Nos últimos anos, os números foram impressionantes: aumento de 200% em vendas em um único dia!

Quero participar

Um guia para fazer o seu roteiro de vídeo (com exemplos!)

Um guia para fazer o seu roteiro de vídeo (com exemplos!)

Manter seus alunos interessados nem sempre é tarefa fácil. Confira nossas dicas para escrever bons roteiros para suas videoaulas.

Você sabe qual é a maior diferença entre um vídeo qualquer e um vídeo épico? O roteiro de vídeo! Esse formato já é uma ferramenta essencial para quem quer ganhar mais alcance na internet, afinal, é o tipo de conteúdo favorito de todo mundo!

Aqui no blog, nós já falamos sobre como criar cursos online, compartilhamos dicas para te ajudar a fazer um bom vídeo, mas, até hoje, não tínhamos um post dedicado a outro detalhe importante da etapa de pré-produção: o roteiro!

A preparação do conteúdo de um bom vídeo envolve uma etapa extensa de pré-produção, na qual você determina tudo o que quer mostrar no vídeo. Essas ideias são registradas em um documento, conhecido como roteiro, que orientará sua gravação.

O roteiro de vídeo nada mais é do que a descrição precisa do que acontecerá no decorrer do vídeo ou de sua videoaula e, além das falas, prevê as imagens e os recursos visuais que você utilizará para transmitir sua ideia. Quando você não cria uma hierarquia de informações dentro de sua videoaula, fica mais difícil passar o conhecimento de maneira clara e em tempo hábil.

Agora que você já sabe a importância do roteiro para organizar suas ideias, vamos as nossas dicas?

Porque é tão importante ter um roteiro de vídeo digno de cinema?

Uma rápida pesquisa no Google e você encontrará diversos resultados mostrando a expansão do vídeo marketing. De acordo com a pesquisa realizada pela Forbes em 2017, cerca de 90% dos usuários acham que vídeos auxiliam durante a decisão de compra.

Outra pesquisa, a State of Video Marketing, diz que 95% dos usuários assistem a um vídeo para entender melhor um produto ou serviço. A mesma pesquisa afirma também que 81% das pessoas são convencidas a comprar um produto ou serviço depois de assistir um vídeo.

Mas não é qualquer vídeo que tem esse poder. Vídeos que convertem possuem um cuidado maior com o roteiro e produção. E o seu produto merece um roteiro de vídeo digno de uma grande produção!

Primeiro passo: o planejamento!

O roteiro é um dos primeiros passos na produção de um vídeo, mas antes disso há outra etapa: o planejamento é o pontapé inicial, principalmente quando se trata de um vídeo de marketing e/ou vendas.

Uma boa forma de começar qualquer planejamento, principalmente de roteiro de vídeo, é respondendo às seguintes perguntas: como, onde para quê e para quem.

  • Como? Este ponto serve para explicar como será o vídeo, como por exemplo a duração e o assunto a ser abordado.
  • Onde? O onde mostra onde o vídeo será divulgado (redes sociais ou outros canais, como YouTube).
  • Para quê? Qual é o objetivo do vídeo? Ganhar mais autoridade, gerar mais vendas?
  • Para quem? Por fim, planeje quem é o público-alvo que o vídeo está destinado e a linguagem correta para atingi-los.

A partir disso, o roteiro será mais assertivo e focado em uma estratégia, sempre encontrando formas melhores de deixar o vídeo mais efetivo, transmitido a mensagem de forma imediata, sem enrolar o espectador.

O vídeo não pode ser longo e entediante, e sim transmitir as informações de forma precisa. Portanto, analise todos os dados que serão inseridos e a forma como eles serão exibidos no vídeo. Tudo isso, junto com o planejamento, vai convergir em uma produção nitidamente profissional e garantir credibilidade.

Tipos de roteiro

Existem diversos tipos de roteiro de vídeo, mas quando se trata de vídeo marketing, existem os específicos. Afinal, se você pesquisar referências para fazer um roteiro de vídeo, irá se deparar com exemplos de produções cinematográficas.

Esse tipo de produção exige um roteiro mais extenso, complexo e repleto de linguagens e termos técnicos avançados. Mas, esse tipo de roteiro não é o mais adequado quando se trata de vídeo marketing.

O formato ideal de roteiro varia conforme cada vídeo, suas características e objetivos. Ou seja, não existe certo ou errado, mas sim o que é mais adequado para seu projeto, equipe e pretensões.

Abaixo, separamos três modelos de roteiro de vídeo que funcionam bem para qualquer produção de marketing:

1. Roteiro de texto direto

Como o próprio nome já indica, esse modelo de roteiro é apresentado em um texto corrido. Ele descreve tudo o que será apresentando no vídeo de forma simples, como em uma redação. 

O roteiro de texto direto descreve todas as falas do vídeo, seja uma narração ou uma cena de diálogo, por exemplo. 

Nesse tipo de roteiro, todas as descrições de áudio devem constar no documento. O texto não deve ser necessariamente seguido à risca, mas sim guiar os interlocutores direto ao assunto.

É um ótimo tipo para quem realiza as gravações sozinho ou em equipes pequenas. O texto direto também é útil para vídeos majoritariamente narrativos ou com pouca edição, como tutoriais e educativos.

A ideia aqui é deixar o diálogo ou narração o mais natural possível. Algumas dicas para fazer esse formato de roteiro dar certo é trocar palavras e frases complicadas por sinônimos com melhor sonoridade e dar um tom pessoal no momento da gravação.

2. Roteiro técnico ou duas colunas

O roteiro técnico também é um modelo simples, mas que permite uma melhor visualização do produto final. O roteiro de vídeo é dividido entre duas colunas: áudio e vídeo. Alguns roteiristas adicionam uma terceira coluna, indicando a duração de cada cena.

Esse tipo de roteiro é ótimo para pensar e imaginar cada propriedade do vídeo a ser produzido, principalmente se o roteirista não participa dos processos posteriores de produção e edição.

Alguns exemplos de produções que utilizam esse modelo são:

  • Publicidade: Este roteiro é bastante utilizado por agências de publicidade, que costumam receber para aprovação final. Permite transcrever a ideia para o corpo técnico.
  • Curta metragem: Também é um modelo utilizado nos curtas, pois muitas vezes o responsável pela criação do roteiro não participa da gravação ou edição final.
  • Longa metragem: Esse tipo de roteiro também é mais comum em produções de longa metragem de baixo custo.
  • Documentários: Até mesmo documentários com alto orçamento costumam usar o roteiro técnico. São produções que tendem a ser mais sóbrias e com uma narração bem ilustrativa, por isso ter áudio e imagem descritos facilita muito o processo.

3. Roteiro de cinco colunas

O roteiro de cinco colunas (ou espelhos) é um modelo bastante utilizado para quem quer algo mais detalhado, porém simples e assertivo. As cinco colunas ordenam os seguintes aspectos:

  • Número da cena;
  • O texto falado;
  • Indicação da fonte da fala;
  • Letterings (todo texto que aparece graficamente na tela);
  • Descrição de cena.

É um modelo mais completo, que permite orientações mais minuciosas, aprofundadas e assertivas em relação a essas cinco diferentes propriedades.

Contudo, vale lembrar que nenhum desses modelos é inalterável. Todos os formatos podem ser mudados e adaptados de acordo com as necessidades e características de cada vídeo marketing.

Passo a passo para fazer um roteiro de vídeo

Fazer um roteiro de vídeo é uma tarefa que vai facilitar e muito sua produção. Papel e caneta na mão (ou o bloco de notas do seu computador), anote todos os passos que são fundamentais para fazer um roteiro de vídeo perfeito!

1. Comece o vídeo apresentando uma solução

O primeiro desafio da videoaula é romper a barreira da distância física entre o professor online e aluno, e você tem de 5 a 15 segundos para fazer isso! Caso você não consiga a atenção de seu espectador logo no início, é pouco provável que ele se engaje com seu conteúdo.

Então, a primeira dica é: comece o vídeo fazendo uma promessa para o espectador.

Para isso, vale até usar recursos de edição para encenar uma situação engraçada ou contar uma história, desde que a introdução tenha relação com o tema que você abordará.

Veja um exemplo:

What’up everyone? Na aula de hoje, nós vamos falar sobre expressões e gírias que nativos da língua inglesa usam, mas que não são ensinadas na escola, como essa que eu usei no início do vídeo.

Outro começo possível para essa mesma videoaula seria criar uma cena em que dois jovens aparecem conversando: um deles falando inglês de forma mais descontraída, enquanto o outro usa uma linguagem mais formal; e ressaltar a dificuldade de ambos comunicarem-se.

A encenação é um recurso interessante, porque o vídeo já começa mostrando o conflito que você pretende resolver com aquela aula.

2. Seja objetivo em seu discurso

Um dos maiores problemas dos cursos online é a crença que alguns estudantes têm de que as aulas em vídeo são chatas e prolixas, especialmente aquelas sobre temas mais técnicos. Para superar esse estereótipo e se dar bem dando aulas pela internet – onde as pessoas querem tudo para ontem – seu roteiro precisará ser ágil e objetivo.

Faça introduções curtas e mostre exemplos de aplicação do tema, sempre que possível. Assim, você consegue aproximar-se mais da rotina das pessoas que estão assistindo.

Conceitos e termos técnicos precisam ser passados de forma clara, principalmente se você estiver explicando a origem de uma ideia ou algo que não seja aplicável no dia a dia.

Na dúvida, siga o clichê respondendo essas quatro perguntas: “Para quê? Por quê? Para quem? Como?”. Como já disse o Lucas na série Tips, essa dica não tem erro!

3. Fique atento à duração de seu vídeo

Repetindo o que foi falado no tópico anterior, quem usa a internet quer consumir conteúdo de maneira rápida e simples. Especialmente no caso de cursos online, em que a maioria dos estudantes assistem aulas durante os finais de semana, no trajeto para casa ou até mesmo no intervalo do trabalho.

Para atingir esse público e mantê-lo engajado, suas aulas precisam ser curtas. O mais indicado é dividir seu conteúdo em vídeos com duração máxima de 15 minutos. Nada de conteúdos extensos, com uma ou mais horas de duração, ok?

Nas aulas que você sentir que foi sucinto demais, uma saída é criar opções de material didático sobre o tema e indicar esses arquivos para download em PDF ou compartilhá-los na plataforma na qual seu curso está hospedado.

Outra alternativa também é dividir a aula em duas ou mais partes.

4. Considere os diferentes perfis de seus estudantes

Antes mesmo de criar um produto, você precisa ter uma persona bem definida para seu negócio.

Quem é o consumidor ideal do meu produto? Quais as preferências e problemas dele? Que tipo de conteúdo ele consome na internet?”

As respostas dessas perguntas te ajudarão a ser mais assertivo em sua mensagem. Para saber mais sobre personas, acesse esse post aqui.

Geralmente, o negócio que está bem no começo possui apenas uma persona mapeada. Mas, com o tempo, você perceberá que toda pessoa que compartilha dos interesses de sua persona pode consumir seu produto.

À medida que seu negócio for amadurecendo, seus alunos terão idades e ocupações variadas e podem ser de qualquer parte do Brasil ou do mundo.

Para não desperdiçar o potencial de expansão de seu curso online, aposte em uma linguagem neutra e evite falar de situações pontuais, afinal, você quer que seu conteúdo seja perene e  acessível para o maior número possível de pessoas. Se você acompanhar os comentários de suas videoaulas, também poderá extrair insights valiosos para escrever roteiro de vídeos para os próximos projetos.

5. Saiba o que você falará antes de começar a gravação

Delimitar o tema de cada aula impede que você perca o foco e fale coisas que não serão úteis para seu aluno naquele momento. Para não fugir do assunto durante a gravação, o que pode ser muito comum quando você adota um estilo de vídeo mais espontâneo, é importante definir uma narrativa que contempla início, meio e fim.

  • Início: este é o momento em que você apresenta o tema de sua aula. Mostre para quem está te assistindo o que conseguirá aprender depois que terminar de ver seu vídeo;
  • Desenvolvimento: é aqui que você aprofunda nas informações. Lembra do tema apresentado anteriormente? Esse é o momento de falar tudo o que você preparou e tudo o que sabe sobre o  assunto;
  • Conclusão: geralmente, nesse momento, você faz uma síntese de tudo que falou no vídeo com indicações para  materiais de estudo complementares. Aproveite para retomar pontos principais que os alunos devem ficar atentos.

Quando você domina o assunto que falará no vídeo, sua explicação soa mais natural. O que nos leva ao próximo tópico.

6. Pareça natural

Quando se trata de videoaulas, não existem regras, cada roteiro é único e permite experimentações. A única armadilha que você deve evitar é de soar artificial, como se estivesse lendo o tempo todo.

Na propaganda político-partidária, por exemplo, é muito comum o espectador ter essa sensação. Saiba que há alguns recursos que podem te ajudar muito a melhorar sua desenvoltura em frente às câmeras, e é sobre eles que vamos falar agora.

Narrar os acontecimentos

Você tem dificuldade em decorar explicações longas?

Nesses casos, na hora de criar um roteiro de vídeo, vale gravar imagem e áudio separadamente.

Imagine que você está gravando um tutorial sobre como fazer maquiagem de carnaval. Primeiro, você grava o áudio explicando o passo a passo e os produtos que utilizou, para só depois gravar a maquiagem de fato.

Já na edição, você mescla os dois. Isso facilita o processo, porque não será mais necessário memorizar as falas ou fazer duas coisas simultaneamente.

Mas lembre-se que para o resultado soar natural, a leitura deve ser pausada e as palavras bem pronunciadas.

Usar truques de telejornalismo

A “cabeça” é um jargão para as chamadas que introduzem reportagens na TV ou no rádio.
Exemplo de cabeça, no jornalismo:
Cerca de 51 mil pessoas compareceram ao show do Paul Mccartney no dia 17 de outubro, no estádio do Mireirão, em Belo Horizonte, para saudar o ídolo em seus 60 anos de carreira.

Se você tem muita dificuldade para improvisar, pode prever no roteiro de vídeo inserções breves para contextualizar o assunto da aula, apresentar dados, etc. Essas informações podem ser anotadas em um papel e colocados acima da câmera ou no teleprompter caso você disponha de equipamento profissional.

Exemplo:
Malhar três vezes por semana reduz em até 50% o risco de ataque cardíaco, além de aumentar o tempo médio de vida. É o que mostrou um estudo conduzido pela UFMG.  

Ressaltar as intenções de cada cena

Decorar tudo o que você precisa falar é praticamente impossível. Uma dica que ajuda bastante na hora de gravar é destacar visualmente no roteiro de vídeo os conceitos centrais de cada cena.

O que eu devo falar em cada momento do vídeo? Quais são os conceitos-chave da minha apresentação?

Se você utilizar uma lousa branca durante sua videoaula, pode anotar essas palavras para dar mais ênfase nelas durante sua explicação.

7. Coloque seu roteiro no papel

Agora que você definiu a parte conceitual de sua videoaula, é hora de partir para a prática, que significa estruturar seu roteiro.

Aqui na Hotmart, cada redator tem suas táticas para escrever roteiros. Mas se você está começando a gravar vídeos agora, o mais indicado é adotar o modelo mais tradicional, que é o documento dividido em duas colunas:

  • Do lado direito, colocamos o que aparecerá na imagem, efeitos visuais e especificações de background (trilha sonora do vídeo, por exemplo);
  • Já na coluna esquerda, escrevemos o que será dito durante a aula.

Depois de tudo isso feito, é provável que seu roteiro se pareça com este:

Exemplo de um roteiro de vídeo

Se você estiver muito preocupado com a duração da sua videoaula, pode ler as falas acompanhadas por um cronômetro para conferir quantos segundos foram necessários para concluir cada cena. Essa anotação pode ser indicada no roteiro com o sinal do apóstrofo (‘), sendo o apóstrofo único a indicação de minuto (1’) e o apóstrofo duplo a indicação de segundos (1’20’’).

Mas tome cuidado para que o tempo não iniba sua criatividade! Faça quantos ajustes forem necessários em seu texto até que sua ideia soe o mais clara possível.

8. Convide o espectador para ação

Assim como no vídeo de vendas, sua videoaula também precisa ter um Call To Action (chamada para ação) indicando o que você espera que seu aluno faça após assistir ao vídeo.

Essa ação pode ser acessar a área do aluno, fazer um teste online ou ler um blog post que o ajudará a entender mais sobre o assunto que ele acabou de ver. Tudo o que possa aumentar o tempo de permanência dele em sua página é interessante.

9. Revise o texto em voz alta

Por último, e mais importante, revise seu roteiro em voz alta. Muitas frases que pareciam ótimas, em sua cabeça, podem ficar esquisitas quando faladas, desconexas ou formais demais.

Ler em voz alta também é ótimo para testar a duração das cenas e saber, exatamente, quando fazer pausas em sua fala para que a videoaula fique mais natural.

Se você ainda estiver inseguro, mostre o roteiro para um amigo. A opinião de terceiros é essencial para saber se você está conseguindo ensinar aquele conteúdo, que nada mais é do que o objetivo de produzir uma videoaula. Caso a pessoa leia seu roteiro e não entenda do que se trata, sugiro rever sua abordagem e reescrever o conteúdo, até que sua linguagem esteja acessível para pessoas que são leigas no assunto.

Glossário de termos

Locução em off ou off – Texto narrado por um locutor que não aparece no vídeo.

BG – Música, voz ou efeito sonoro inserido em volume mais baixo do que a fala principal. Abreviação de background, “fundo” em inglês.

Lettering Animação em texto na tela para destacar alguma informação ou nome. Quando essa intervenção gráfica é colocada na área inferior da tela, para colocar o nome do apresentador ou do entrevistado, por exemplo, ela também pode ser chamada de lower third.

B-Roll ou Cena B – Cena que complementa ou ilustra alguma informação da filmagem principal. A Cena B também ajuda a deixar o vídeo menos tedioso.

Zoom – termo para indicar que a câmera está filmando o objeto ou pessoa mais de perto.

Dicas extras!

  • Para saber o que dizer, o primeiro passo é pesquisar! Quanto mais você souber sobre o tema, mais fácil será organizar sua videoaula.
  • Organize os assuntos sobre os quais você falará por ordem de relevância. Assim, se não der tempo de falar tudo, pelo menos você deu ênfase ao que é mais importante.
  • Ao escrever um roteiro de vídeo, lembre-se de que ele não precisa ser formal nem usar palavras difíceis. Imagine que você está explicando a matéria para um amigo, essa estratégia dá muito certo.
  • Se você for entrevistar alguém, oriente bem a pessoa antes da gravação, para que ela não fuja do tópico e se estenda demais. Não há nada pior do que interromper o entrevistado durante a conversa. Um briefing bem feito ajuda muito nessas horas.
  • Coloque sua personalidade no roteiro. Usar palavras que você fala no dia a dia e se dirigir ao espectador com naturalidade ajuda a fortalecer seu produto no imaginário de sua audiência.

Como você pode perceber, o roteiro é peça fundamental na elaboração de um vídeo bem feito. Fique à vontade para consultar esse tutorial sempre que precisar!

E agora que você sabe como criar um roteiro, recomendamos também nosso post sobre as melhores câmeras para gravar um vídeo!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.