Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Aprenda as melhores técnicas para aumentar os resultados de seu negócio

Aprenda as melhores técnicas para aumentar os resultados de seu negócio

Compre agora!

Dicas profissionais para melhorar a performance do seu canal no YouTube

Dicas profissionais para melhorar a performance do seu canal no YouTube

Veja como potencializar seu canal com um de nossos especialistas.

Se você quer ganhar inscritos e crescer um canal no Youtube, vários pontos precisam ser trabalhados, como:

  • Planejamento
  • Objetivo
  • Categorias de conteúdo
  • Frequência de upload
  • Duração de vídeos
  • Grade de programação
  • Roteiros
  • Thumbnails e Títulos
  • SEO e metadados

Neste post, vamos falar de todos estes itens e muito mais. Porém, antes de investigarmos cada um, você tem que entender o princípio básico do tão falado algoritmo da plataforma.

O algoritmo do Youtube

O Youtube é uma empresa privada e obviamente precisa de dinheiro para se manter. Eles fazem isso principalmente vendendo espaço para anúncios nos vídeos e em outros lugares no próprio site.

Quanto mais tempo você passa no Youtube, mais anúncios você vê, e assim mais empresas se interessam em comprar mais anúncios.

Canal no youtube: imagem de um anúncio no youtube

Pensando nisso fica bem claro por que para o Youtube é muito importante manter os espectadores assistindo a mais e mais vídeos na plataforma. Assim, o tempo desprendido ali vale muito mais do que número de visualizações.

É aí que entra o tal algoritmo, que nada mais é do que a fórmula usada no sistema com o objetivo de avaliar qual vídeo mantém as pessoas assistindo por mais tempo, quais canais atraem mais gente para ver mais conteúdo e por aí vai.

O que acontece é que esse mecanismo se tornou tão complexo que ninguém (nem mesmo os próprios programadores da Google) podem falar exatamente como ele funciona.

O que dá para saber é o objetivo final, que não é segredo para ninguém: manter as pessoas assistindo vídeos por mais e mais tempo. Em termos técnicos, aumentar o tempo de sessão.

O tempo de sessão (session time) vai além do tempo de exibição de um vídeo, que é aquela métrica que de fato está no YouTube Analytics, calculada em minutos.

Uma sessão é o tempo total que um usuário passa na plataforma. Assim, o algoritmo prioriza conteúdos que as fazem iniciar pequenas “maratonas”, indo de um vídeo a outro.

Vídeos que favorecem esse comportamento possuem bom início de sessão (session start) e são mais bem avaliados pelo sistema.

Já os vídeos que levam as pessoas a saírem do Youtube apresentam altos índices de final de sessão (session end). Consequentemente, estes últimos são “punidos” pelo algoritmo, que passa a recomendá-los cada vez menos.

Apesar da explicação simplificada, as coisas são bem mais complexas. Entre os pontos que o algoritmo leva em consideração estão outros índices como:

  • Comentários,
  • Marcações de “gostei” e uma infinidade de outras métricas.

Caso queira se aprofundar no assunto, recomendamos este estudo de Matt Gielen (texto em inglês).

Como você pode perceber é a inteligência artificial da plataforma que decide se compensa (ou não) exibir seus vídeos e canal para muita gente, ou se é melhor dar preferência para o conteúdo de outra pessoa, que demonstra maior sucesso em segurar usuários no site.

Então, antes de amaldiçoar o funcionamento do algoritmo, o melhor é aprender com ele e utilizá-lo a seu favor, mesmo que não seja um modelo perfeito (muito longe disso).

Além do mais, melhorar audiência é também o seu objetivo, certo?

Planejamento do canal

Agora que você sabe a lógica do Youtube é preciso fazer um bom planejamento, pois criar um canal e desenvolvê-lo bem não é muito diferente de criar um negócio.

Assim, o primeiro passo a definir é: quem é seu público?

É uma pergunta básica, mas avaliar bem essa questão vai interferir em toda sua estratégia.

Quando a gente fala em canal no Youtube, muita gente associa aos canais de TV, mas não é bem por aí.

Na TV, não temos milhares de opções para escolher. Assim, um canal de esportes fala de futebol, vôlei, corrida, natação etc.

Já na internet, a experiência é muito mais personalizada e pessoal, então, dificilmente alguém se inscreve em um canal que fale de vários esportes ao mesmo tempo. Se você gosta de futebol e tem a opção de se inscrever em um canal que fale só de futebol, é provavelmente isso que vai fazer.

Por conta desse tipo de comportamento é muito importante pensar em um só público. Por isso, não fique variando o tema. Defina bem o seu nicho de atuação.

Por exemplo, uma youtuber que faz vídeos sobre maquiagem pode até achar legal começar a falar sobre sua filhinha recém nascida e os desafios da maternidade. Afinal, se ela tem uma relação bem próxima com sua audiência, isso não deveria ser um problema, certo?

Na verdade, esse é justamente um tipo de erro bastante comum.

Repare que são públicos totalmente diferentes: pessoas que querem aprender sobre maquiagem e pessoas interessadas no assunto maternidade.

Uma parcela do público pode até se interessar por ambos os temas, mas com certeza essa mistura não vai ajudar a trazer mais pessoas para o canal.

Essa youtuber ainda corre o risco de desagradar boa parte da audiência que se inscreveu somente pelos vídeos de maquiagem.

Se ela insistir em misturar os temas, parte do público que antes clicava e assistia a todos os conteúdos vai passar a assistir só aqueles sobre maquiagem (vamos supor, metade dos uploads) e muitos inscritos em potencial vão ver o canal como uma mistura de temas.

Para esses novos espectadores, a inscrição não será vantajosa, afinal, ninguém quer receber conteúdo que não está interessado.

Desse modo, o algoritmo percebe essa mudança de dinâmica e começa a avaliar mal aquele canal, considerando que ele já não agrada mais a maioria dos inscritos e que não atrai mais tanto interesse de usuários que se deparam com o conteúdo.

Aí, já imagina o resultado, né?

O Youtube passa a dar preferência e a privilegiar concorrentes que, no entendimento do algoritmo, possuem maior probabilidade de manter pessoas ali assistindo.

O objetivo (o que você entrega?)

Agora que deixamos claro a importância de ter um único público, pense também no objetivo do canal, sob a perspectiva dos espectadores. Ou seja, “chegar a um número X de inscritos ou visualizações” não é um objetivo útil do ponto de vista estratégico e também não diz respeito ao seu público.

Então pense porque alguém se inscreveria para receber seu conteúdo e no valor que você quer entregar.

Novamente, parece uma pergunta simples, mas é muito difícil desassociar nossa visão como criadores da visão externa, do público.

Em caso de dúvidas, faça o teste do “e daí?”: avalie se o conteúdo está de acordo com os interesses dos espectadores e com a proposta do canal.

Categorias Help (ou Hygiene), Hub e Hero

Já que estamos falando sobre conteúdo, o próprio Youtube recomenda em sua Escola de Criadores um tipo de classificação para estruturar o planejamento. Estamos falando das categorias:

  • Help (ajuda)
  • Hub (eixo/conexão)
  • Hero (herói).

Resumindo, se trata de definir quais conteúdos vão fazer com que os espectadores venham até você (Help), quais servirão para melhorar sua relação com o público existente (Hub) e quais servirão para buscar novos espectadores (Hero).

Apesar desse tipo de classificação não se aplicar a todos os casos, pode ser um boa referência.

Como vamos detalhar na continuação, a recomendação é fazer constantes vídeos do tipo Help, ocasionais vídeos Hub e apenas alguns estilo Hero.

Canal no youtube: gráfico mostrando o tempo de permanência do usuário em 3 tipos de conteúdo: help, hub e hero

Conteúdo Help: porte-se como um professor

Em primeiro lugar vem a categoria Help. Como o nome diz, é o tipo de conteúdo que ajuda os usuários. Aqui entram os tutoriais ou vídeos sobre “como fazer” qualquer coisa.

A grande vantagem desse tipo de vídeo é que ele se beneficia extremamente da busca do Youtube. Ou seja, se alguém digita alguma dúvida no site, tem grandes chances dessa pessoa se deparar com seu vídeo. Lembre-se que esse é um dos principais usos do Youtube.

Essa característica de trabalhar conteúdos “buscáveis” é uma grande vantagem em relação a Facebook, Instagram, Whatsapp e outras redes.

Desse modo, você faz com que seus espectadores cheguem até você por conta própria. Lembrando que o Youtube é o segundo maior buscador do mundo, ficando atrás apenas do Google – que é da mesma companhia.

Um vídeo categorizado como Help pode nem fazer tanto sucesso em um primeiro momento, mas seu desempenho tem chances de ir melhorando ao longo do tempo, à medida que mais usuários procuram por soluções na rede.

Em geral, esses conteúdos que ensinam e ajudam os espectadores devem constituir a maior parte de seu canal no Youtube, principalmente se ele é sobre algum tipo de negócio.

Se esse post fosse um vídeo, com certeza estaria na categoria Help.

Essa categoria também pode ser chamada de Hygiene, dando sentido de algo cotidiano ou um processo de manutenção constante para manter a “saúde” do seu canal. Esse termo serve para abranger conteúdos que não necessariamente ajudam o espectador, mas que são rotineiros.

Por exemplo, em um canal de música, o conteúdo Hygiene pode ser constituído de covers e não necessariamente tutoriais ensinando canções.

A lógica também vale para canais que apostam em conteúdo humorístico, vlogs ou gameplays.

No caso do canal da Hotmart, os vídeos do Hotmart Tips são um bom exemplo de conteúdo Help, pois se beneficiam muito da busca da plataforma e permitem que os usuários os encontrem por conta própria.

Dá só uma olhada:

Conteúdo Hub: porte-se como um youtuber

Já a classificação Hub diz respeito aos conteúdos que buscam estabelecer uma conversa e conexão com a audiência que o canal já possui.

Bons exemplos são vídeos com uma pegada mais pessoal, estilo vlog, lives ou perguntas e respostas.

Esse tipo de conteúdo serve para criar uma comunidade e deixar seus fãs ainda mais conectados e engajados.

Como é um tipo de vídeo que só faz sentido para uma audiência já existente, o melhor é fazê-lo com menos frequência.

Desse modo, aposte em conteúdos Hub apenas após o canal já ter um público considerável, que demonstra uma maior vontade de conexão, comentando e participando ativamente em suas publicações.

Ao fazer conteúdo Hub, sempre tome cuidado para não perder o foco do canal.

Se você fala sobre culinária, por exemplo, faça um vídeo dizendo como você começou a se interessar pelo tema ou contando histórias engraçadas relacionadas à cozinha. Com certeza vai funcionar melhor para sua audiência do que fazer um vídeo falando sobre seu novo cachorro.

Dica extra: use a guia Comunidade e o YouTube Reels (similar ao Stories) para interagir e entender melhor o seu público.

Você também pode fazer uso de elementos como enquetes e colocar perguntas em comentários afixados no topo.

Ao se comunicar com sua audiência por meio desses recursos, você também vai entender cada vez mais o seu público e, assim, melhorar o conteúdo para ele.

Para dar mais um exemplo do nosso canal, o vlog de viagem de nosso CEO e co-fundador, JP Resende, é um ótimo exemplo de vídeo Hub.

O vídeo em questão conecta mais com quem já conhece a Hotmart e o JP, não sendo exatamente algo “buscável” ou com potencial de chamar a atenção de um novo público:

Conteúdo Hero: porte-se como um anunciante

Por último, temos o Hero, que é aquele tipo de conteúdo feito para atingir um público que ainda não teve contato com seu canal no Youtube.

Um vídeo nesse estilo busca um alcance maior de novos espectadores, então, a ideia é criar algo que tenha grande potencial de expansão.

Esse tipo de vídeo também pode ser feito com o objetivo de aparecer como sugestão recomendada pelo Youtube.

Com algo estilo Hero, mais gente vai se deparar com seu canal e você pode ganhar muitos inscritos em um período curto de tempo.

Fazer um vídeo desse tipo não é tarefa fácil e o recomendável é que sejam feitos bem poucos ao ano, já que podem não funcionar a longo prazo e geralmente consomem mais recursos, tempo de produção e planejamento.

Além disso, eles podem não ser interessantes para o público já formado.

Para um conteúdo nesse estilo ser bem sucedido e de fato funcionar para o canal, primeiro você precisa de uma sólida base de vídeos Help e alguns do tipo Hub, para garantir que você não só tenha muito conteúdo útil, mas também uma comunidade engajada, que ajude a atrair novos inscritos.

Ao planejar conteúdo Hero, considere que você está fazendo algum tipo de propaganda do canal, mesmo que indireta.

Esses vídeos se beneficiam muito de resultados “virais”, mas como sabemos, apostar em viralização pode ser uma loteria. Então, apenas foque em fazer algo com um potencial maior de atingir novos públicos.

Aproveite eventos e datas comemorativas e investigue nichos relacionados ao seu para tentar criar conteúdo com algum vínculo.

Aqui, o importante é ser criativo e chamar a atenção.

Para exemplificar, se você gosta de humor e possui um canal sobre educação financeira, experimente criar uma espécie de videoclipe parodiando a música do momento, enquanto fala sobre alguma situação relacionada com o tema do seu canal.

Novamente, para demonstrar com algo da Hotmart, o vídeo da palestra da Anitta no Fire Festival 2018 funcionou extremamente bem nesse sentido. Afinal, um bate papo sobre empreendedorismo com uma das maiores artistas nacionais dos últimos tempos com certeza chama a atenção e faz com que várias pessoas que nem conheciam o canal passem a ter contato com a marca Hotmart.

Outro fator estratégico que ajudou no alcance e sucesso do vídeo foi a data de sua publicação, aproveitando um momento de mais atenção voltada à artista por conta do lançamento de um documentário na Netflix e também de um videoclipe.

Educar, inspirar e entreter

Outro modo sugerido pelo Youtube para classificar seus vídeos é definir se o objetivo é educar, inspirar ou entreter.

Repare que grande parte dos canais se encaixa em uma dessas categorias e elas podem te ajudar a definir melhor até a sua brand persona.

Avaliar esse tipo de classificação também te ajuda a manter o objetivo do seu canal.

Essas classificações, assim como as que mencionamos anteriormente, não são regras e não precisam ser tão rígidas. Também é possível misturá-las e adaptá-las, mas manter essas divisões em mente pode te ajudar bastante ao montar seu planejamento.

Você pode inclusive criar playlists diferentes ou pequenas séries de vídeos com base nessas divisões, se for o caso.

Lembre-se também que, para cada objetivo, o ideal é focar em indicadores específicos.

  • Quer expandir o alcance de sua audiência? Foque nas métricas de compartilhamentos.
  • Quer estabelecer uma conexão com seu público? Foque nos comentários.
  • Quer servir sua audiência com conteúdos úteis? Foque nas marcações de “gostei”.

Essas são apenas diretrizes básicas para medir o sucesso de suas ações em seu canal no Youtube.

Frequência de upload e duração de vídeos

E agora uma pergunta que muita gente se faz: “é preciso postar vídeo todo dia?”.

Não. Mas durante um bom tempo, muita gente apostou nessa tática e, em vários casos, de fato funciona.

Como já falamos, o Youtube dá preferência pra conteúdos que mantêm os usuários na plataforma. Então, se você posta mais vídeos, maiores as possibilidades de manter gente ali, assistindo ao seu canal, certo?

Além disso, vídeos novos tendem a fazer parte do histórico recente de usuários e isso é bem avaliado pelo algoritmo, que considera seu canal relevante para o momento, consequentemente, o recomendando ainda mais.

Porém, como tudo tem seu lado negativo, tome cuidado. Se você postar todo dia, tem chances da qualidade do seu conteúdo cair e isso vai fazer com que as pessoas não assistam a seus vídeos inteiros.

Assim, a duração média da visualização diminuiu e o algoritmo passa a entender que seu conteúdo não é o melhor para sugerir.

Outra coisa que pode acontecer é da sua audiência não conseguir assistir a todos vídeos postados. Novamente, o Youtube entenderia que seu canal não gera tanto interesse nos inscritos e passaria a “jogá-lo para baixo” nas recomendações e rankeamento.

Por isso é muito importante tomar cuidado com essas táticas ou os chamados hacks que se vê por aí. O efeito gerado pode ser justamente o contrário.

Agora fica mais fácil entender porque em teoria fazer vídeos longos é melhor, já que podem gerar maior tempo de exibição, não é?

Você pode até apostar nessa ideia, mas corre o risco de não segurar a audiência por muito tempo, gerando baixa retenção e fazendo o algoritmo entender que o conteúdo é ruim.

Outra possível desvantagem diz respeito ao tempo de sessão.

Após assistir a um vídeo muito longo, o espectador tende a sair do Youtube, gerando mais finais de sessão (session ends). Como já vimos, isso não é desejado pela plataforma.

Por isso, o recomendável é focar em qualidade e fazer vídeos com ótimo conteúdo, sejam eles curtos ou longos.

Não force a barra para resumir demasiadamente (gerando conteúdo superficial) e não tente alongar seu vídeo sem necessidade, pois isso pode deixá-lo muito prolixo e desinteressante.

Se você estiver totalmente sem referência de um tamanho de vídeo para começar, tente se manter na faixa entre 6 a 8 minutos.

Caso já tenha um canal com uma quantidade considerável de publicações, use o valor da duração média de visualização – YouTube Analytics – como referência para ajustar a duração de seus vídeos.

Já em relação à frequência de upload, também varia de acordo com público e tipo de canal, mas umas 2 vezes por semana já costuma ser suficiente. Aqui, sua capacidade de produção também influencia muito. O mais importante é ser consistente.

Programação (grade) de conteúdos

Mais do que pensar na frequência, o importante é ter uma programação clara. Ou seja, estabeleça um compromisso com sua audiência e tenha regularidade.

Se você resolver postar vídeos todas as quartas às 15 horas, seja consistente. Isso demonstra comprometimento e gera engajamento. E se seu público sabe exatamente quando você vai postar, a possibilidade de perderem algum conteúdo é muito menor.

Muitos canais aproveitam a imagem de capa para informar essa programação, colocando um texto do tipo: “vídeos novos todas as seg. e qua. às 15h“.

Para não se enrolar com o calendário, tente gravar vários vídeos de uma vez para depois editá-los e soltá-los aos poucos.

Estabeleça uma agenda e, se possível, planeje os roteiros com antecedência e separe um período do dia para essas gravações. Assim você poupa tempo de produção, já que ajustar todos os equipamentos, montar cenário e escolher figurino pode consumir horas do seu dia.

Com essa sugestão, você faz isso tudo apenas uma vez e ganha tempo.

Roteiros

A elaboração de roteiros varia extremamente de acordo com o canal, mas a principal recomendação aqui é: não enrole sua audiência.

Lembre-se que o tempo todo você está competindo com outros canais e vídeos, por isso é muito importante não desrespeitar o tempo do espectador.

Você não precisa roteirizar todo o seu vídeo, afinal, muita gente grava no improviso ou utilizando apenas uma pauta simples como guia.

Porém, sempre tenha cuidado especial com as introduções. Os primeiros 10 segundos são essenciais para reter a audiência.

No começo do vídeo, já explique de forma resumida o que você irá abordar. Ninguém quer esperar vários minutos para saber se clicou no vídeo certo. Assim, você evita que a taxa de retenção caia muito.

Avalie os gráficos de retenção absoluta e relativa para tentar entender se suas introduções estão funcionando bem.

Para sua introdução, você pode aguçar a curiosidade do espectador ou gerar uma expectativa com alguma cena diferente. Vale citar que, ao final, a pessoa será capaz de resolver o problema em questão (se for o estilo do vídeo).

Agora falando sobre finais de vídeos, quando o conteúdo estiver se aproximando do fim, evite usar palavras e expressões que deem a entender que o assunto já está acabando, como “então é isso” ou “e por último”, para que os espectadores não fechem a janela antes da hora.

Assim, você mantém a audiência por mais tempo e ainda pode tirar proveito dos elementos de tela final, que podem ser adicionados nos últimos 20 segundos de cada vídeo. Algumas opções são:

  • botão de se inscrever,
  • vídeos,
  • Playlist,
  • cartões (ou cards).

Esses elementos podem te ajudar a guiar o espectador para alguma ação posterior.

Outra tática é pedir para que o público comente ou se inscreva. Vale testar essas ações em momentos diferentes do vídeo para ver o que funciona melhor para você e seu público.

Thumbnails

As imagens de capa de seus vídeos (ou miniaturas) são de extrema importância para um bom desempenho.

O ideal é que elas retratem bem o conteúdo. Uma dica é utilizar a mesma lógica de cartazes de filmes.

Por exemplo, em posters de super heróis, uma olhada rápida já te dá uma boa ideia dos personagens envolvidos, do cenário e do clima geral presente.

Pense também na identidade visual dessas imagens e do canal como um todo. O ideal é criar uma consistência de estilo que faça seu espectador saber que aquele vídeo é seu, só de bater o olho na tela.

Utilizar uma mesma paleta de cores, tipografia ou sempre inserir seu logotipo são ótimas práticas.

As thumbnails também podem ser usadas para gerar curiosidade no espectador. Trabalhá-las de modo criativo, relacionando sempre ao conteúdo, pode garantir muitos cliques.

Um bom exemplo do nosso canal é essa thumb do Próxima Jogada com o Ricardo Amorim:

A imagem acima dá ênfase ao rosto do entrevistado, complementa o título com uma informação textual e conta com elementos curiosos relacionados ao vídeo: a expressão inusitada do convidado e a torre do jogo caindo.

É importante não confundir a tática de chamar atenção com o uso caça-cliques (ou clickbait). O efeito gerado pode ser muito negativo, pois se o espectador se sente enganado e sai do vídeo pouco após o clique, o algoritmo avalia mal esse comportamento e passa a reduzir as recomendações de seu conteúdo.

Para saber mais sobre como criar suas thumbnails, não deixe de ler nosso outro post no blog da Hotmart.

Títulos

Quando se fala em SEO (search engine otimization) de vídeo, ou otimização para motores de busca, o título é provavelmente o item mais importante.

Juntamente com as thumbnails, eles dividem a maior parte da responsabilidade por atrair cliques. Então, dedique muita atenção às palavras utilizadas e não se apresse na elaboração.

O ideal é criar muitas alternativas para ao final escolher a melhor.

Avalie títulos de vídeos concorrentes e sugestões do auto-completar do próprio Youtube (faça isso através de uma aba anônima no navegador, para que seus dados de navegação não interfiram nos resultados).

Utilize também o Google Trends para comparar termos.

Sempre que possível, coloque as principais palavras-chave no início e em ordem de importância.

Você pode optar por usar o termo principal em caixa alta, para maior destaque.

Fique atento também ao tamanho do título. Lembre-se que muita gente acessa o Youtube por celulares de telas pequenas, assim, muitas vezes esse texto aparece incompleto para os usuários. Títulos menores (até 50 caracteres) tendem a ter melhor desempenho.

Como referência, uma versão em vídeo do nosso post Como ganhar inscritos no Youtube poderia ter como opções:

  • Como GANHAR INSCRITOS no YouTube?
  • INSCRITOS no YOUTUBE: como ganhar mais?
  • GANHAR INSCRITOS no YouTube: como conseguir?

No caso de séries de vídeos, uma opção é colocar o nome da série no final do título.

É também interessante enumerar os conteúdos, pois mostra para o espectador que ele pode ir atrás de outras publicações relacionadas.

Assim, se o exemplo anterior fizesse parte da nossa série Hotmart Tips ele poderia ficar como:

  • Como GANHAR INSCRITOS no YouTube? | Hotmart Tips #70

Em alguns casos, o tema de seu vídeo pode ter um baixo volume de buscas e não ser tão atrativo para o público. Nessas situações, você pode mudar um pouco de estratégia e apostar mais em boas copys do que em SEO.

Faça isso apelando para o lado emocional ou trabalhando a curiosidade do espectador. Para saber mais sobre copywriting em geral, não deixe de ler nosso post sobre o assunto.

Obs.: Use o mesmo nome do título do vídeo como nome do arquivo em questão. No nosso exemplo, em vez de subir um vídeo chamado “inscritos_video_final.mp4″ seria mais adequado renomeá-lo para “como_ganhar_inscritos_no_youtube.mp4″, já que essa informação textual também pode ser usada pela plataforma como metadado.

SEO e metadados

Ainda sobre SEO, outros itens devem considerados, como tags e descrições.

Esses metadados possuem bem menos influência no desempenho de um vídeo do que tema, título e imagem de miniatura, mas ainda sim convém trabalhá-los bem.

Recomendamos a ferramenta VidIQ para te ajudar com essas informações. É só entrar no site deles, criar uma conta e instalar a extensão no Chrome.

Tubebuddy é outro plugin que pode te ajudar nesse ponto e também a gerenciar seu canal.

Tags

Em relação à tags, foque na principal, aquela que mais tem a ver com o tema do vídeo e a repita junto a diferentes complementos, para reforçar o foco.

Por exemplo, em um vídeo onde o tema é “ganhar inscritos no Youtube”, as tags poderiam ser:

  • Inscritos
  • inscritos no youtube
  • como ganhar inscritos
  • inscritos no canal
  • mais inscritos
  • aumentar inscritos
  • crescer inscritos
  • melhorar número de inscritos
  • conseguir inscritos
  • atrair inscritos

Esse modo de “cercar” o termo principal funciona melhor para o algoritmo ter certeza do assunto do vídeo e recomendar seu conteúdo com mais sucesso e para o público certo, mas você pode sempre colocar outros termos relacionadas.

Descrições

As descrições também contam para ajudar os espectadores e o algoritmo a avaliar seu conteúdo.

Considere esses textos como uma espécie de mini post de blog sobre o seu vídeo.

O recomendado é descrever bem o que foi apresentado – e não precisa ficar com medo de dar spolier, pois quanto mais você falar sobre o assunto, melhor.

Tente criar algo de pelo menos 300 caracteres, e assim como nos roteiros, vá direito ao ponto e não enrole.

Alguns especialistas recomendam até mesmo colocar toda a transcrição do vídeo na descrição.

Em caso de vídeos longos ou que abordam vários tópicos, considere usar marcações de tempo (timestamps), para que sirvam de índice. É só colocar o tempo em horas, minutos e segundos (separados por dois pontos), que o Youtube já cria um atalho que leva para o trecho do vídeo em questão.

Aproveite para colocar links de suas outras redes e sites junto à seção.

Legendas

O Youtube também permite colocar legendas nos vídeos, o que contribui para SEO e ajuda o algoritmo a entender o seu conteúdo.

Além do mais, legendas são essenciais para fazer com que seus vídeos sejam mais acessíveis tanto para pessoas com problemas de audição quanto para espectadores em situações onde ligar o áudio se torna inviável (transporte público e ambientes que exijam silêncio, por exemplo).

No gerenciador de vídeos, tela de edição do Youtube, você pode acessar a guia legenda/CC e incluir o texto.

Ali, você tem a opção de transcrever manualmente, colocar um arquivo próprio de legendas (.srt, por exemplo) ou simplesmente colar o seu roteiro e fazer uso de um dos melhores recursos para legenda, que é a sincronização automática do próprio Youtube.

Lembrando que a plataforma gera legendas automáticas dos vídeos – muitas vezes bastante imprecisas –, mas que podem ser usadas como base para facilitar a transcrição.

Após algum tempo de upload, elas estarão disponíveis e você poderá baixá-las clicando nos três pontinhos ao lado do botão “salvar” (canto inferior direito do player de vídeo). Depois é só ir em “abrir transcrição” e copiar o texto criado.

Dicas extras

Agora que passamos pelos principais pontos, vale destacar uma série de pequenas dicas que podem te ajudar a melhorar seus resultados.

Compartilhe links por meio de playlists

Ao divulgar seu conteúdo em sites externos e redes sociais, vá à página da playlist no Youtube e copie o link do vídeo por aquela tela. Assim, o espectador assistirá o conteúdo por meio da playlist, o que o levará a ver mais conteúdos relacionados.

Faça uso das playlists de séries (series playlists)

Um tipo de playlist diferente são as séries, muito úteis para conteúdos que tenham continuidade. Assim você pode definir temporadas e episódios.

Esses vídeos tenderão a tocar em sequência, guiando melhor a experiência do espectador.

Verifique a origem de tráfego

Muita gente pode chegar ao seu canal por recomendações de outros vídeos ou buscas na própria plataforma.

Avalie bem esses dados sobre origem de tráfego no Youtube Analytics, principalmente em relação a vídeos sugeridos e buscas no Youtube. Esse um ótimo meio de entender o que seu público quer e quais são os seus concorrentes.

Utilize o recurso Estréia

Um ótimo modo de chamar a atenção para vídeos especiais é fazendo uso das estréias do Youtube. Com isso, você sobe o vídeo e envia notificações para sua audiência meia hora antes do vídeo ser oficialmente publicado.

No momento da publicação, outra notificação é enviada, garantido que aquele espectador não perca o vídeo e ainda gerando um efeito similar ao de transmissão ao vivo, onde várias pessoas assistem ao mesmo tempo.

Teste thumbnails

Após publicar o vídeo, vale fazer testes para ver qual imagem se sai melhor, já que thumbnail é a única coisa que recomendamos mexer logo após a publicação.

Isso se deve ao fato de que outros metadados (título, tags e descrições) são usados pela plataforma para tentar entender e classificar o seu conteúdo.

Se você ficar alterando essas informações em uma publicação recente, pode atrapalhar os cálculos do algoritmo. Com isso, há grandes chances do seu vídeo ter o desempenho prejudicado.

Acompanhe as taxas de cliques e impressões (CTR)

Tanto os títulos quanto as miniaturas podem ser avaliados por meio das métricas CTR e impressões. A importância e influência disso é tanta que fizemos um texto só para falar desses números.

Resumindo, se trata de avaliar o interesse que seu conteúdo gera nos espectadores, para que eles de fato cliquem nos vídeos.

Para ganhar inscritos em seu canal no Youtube, você precisará de visualizações, e para ter visualizações, primeiro é necessário atrair o espectador. Por isso a importância de avaliar a taxa de cliques e impressões.

Faça uso de cartões (cards)

Ao longo de seus vídeos, você pode usar os cards para recomendar outros vídeos ou levar os espectadores para um site externo, que deve ser registrado junto a sua conta.

Apesar de ser uma ótima forma de induzir uma jornada, lembre-se que, ao fazer isso, você corre o risco de diminuir tempo de retenção no vídeo e também na plataforma. Então, use esses recursos com parcimônia.

Não se esqueça dos elementos de tela final

Assim como os cartões, os elementos de tela final ajudam a guiar a jornada do espectador.

Nos últimos 20 segundos de seu conteúdo, você pode incluir sugestões de vídeos sugeridos, playlists e cartões.

Como já foi mencionado anteriormente, tome cuidado com os finais de vídeos, para garantir que o espectador não saia antes da hora.

Dê atenção aos comentários

É superimportante interagir com sua base de espectadores nos comentários. Faça um esforço para responder a todos e de maneira rápida.

Essas interações são bem vistas pela plataforma e, consequentemente, ajudam você a ter maior conexão com o público.

Caso tenha que lidar com um volume muito grande de comentários, tente pelo menos marcar com “coração” os posts de agradecimentos ou comentários positivos, que não necessariamente precisem de uma resposta elaborada.

Desse modo, os usuários recebem uma notificação de sua interação e ficam sabendo que tiveram suas mensagens realmente lidas e apreciadas.

Crie um trailer para seu canal

Faça um pequeno vídeo falando sobre o que o espectador vai encontrar no seu canal e o coloque em destaque na página inicial. Com isso, maiores são as chances de convencer o público recém chegado a se inscrever.

Você pode aproveitar esse vídeo para criar um anúncio trueview, caso queira se aventurar em estratégias pagas.

Encontre os melhores dias e horários para publicar

Se você já tem um canal ativo, vá no YouTube Analytics e avalie a quantidade de visualizações ao longo dos dias. Você pode fazer isso pela aba Tempo de Exibição, clicando em visualizações e avaliando o desenho do gráfico.

Para facilitar, opte por ver somente os dados relativos aos últimos 90 dias (ou menos). Desse modo, você pode identificar algum padrão nos picos e vales, e assim encontrar os dias da semana com mais e menos visualizações.

A aba Em tempo real também pode te ajudar a identificar os melhores horários. Para isso, acompanhe os gráficos das últimas 48 horas por algumas semanas e tente ver se há um padrão que possa te indicar os melhores horários para publicar.

Essas informações podem ser boas aliadas quando o assunto é velocidade de visualização (view velocity), já que o algoritmo avalia o bom desempenho de um novo upload nas primeiras horas de publicação para saber se convém ou não continuar aumentando as impressões daquele vídeo.

Isso reforça a importância de ser ter um ótimo CTR.

Avalie a concorrência

Já mencionamos sobre como analisar vídeos sugeridos pode ser útil para entender melhor os interesses de seu público. Essa também é uma ótima forma de investigar possíveis concorrentes.

Digite na busca do YouTube (por meio de aba anônima ou janela privativa) os principais termos relacionados a seu canal e investigue o resultado.

Essa prática pode te ajudar a identificar temas para vídeos relacionados ao seu nicho, sendo um ótimo modo para ter ideias para novos conteúdos.

Faça collabs

Provavelmente, você já ouviu falar sobre as colaborações entre youtubers, certo?

Trata-se de convidar um outro criador de conteúdo para participar de um vídeo em seu canal e vice-versa.

Essa é definitivamente uma boa forma de ganhar inscritos. Então, não pense que outros canais similares ao seu são apenas concorrentes, pois vocês podem se tornar bons aliados.

Lembrando que para essa estratégia funcionar e você de fato ganhar inscritos é preciso trabalhar com canais de público semelhante.

Você também precisará avaliar o tamanho dos canais de possíveis parceiros, pois caso possuam uma audiência muito maior do que a sua, a colaboração pode não ser tão interessante para eles.

Do mesmo modo, fazer collabs com canais muito menores que o seu pode não gerar resultados.

Aposte em formatos híbridos

Se você é um usuário ávido da plataforma, com certeza já reparou que vários canais de sucesso apostam em formatos de vídeo bem definidos, por exemplo:

  • Listagens (“top 10”, compilações, experiências de compras)
  • Vídeos explicativos (vídeos científicos, tutoriais, conteúdos educacionais)
  • Vídeos de opnião (vlogs, unboxing/reviews, vídeos de conspirações)
  • Entrevistas (celebridades, histórias de vida, humorísticos)
  • Clipes musicais (oficiais, versões covers, paródias)
  • Reações (pegadinhas, testes, mágica/hipnose)
  • Narrativas (web séries, paródias, esquetes)

Se possível, aposte em misturas dos itens acima para criar um conteúdo mais original e com maiores chances de atrair o espectador pelo formato. Assim, você não fica dependente de tópicos específicos, fazendo com que o usuário tenha interesse em todos os vídeos da série (ou canal).

Considerações finais

Mesmo com todas essas dicas, o mais importante para crescer um canal no Youtube é ter consistência.

Vale também mencionar que por mais que existam boas práticas e tutoriais sobre como ganhar inscritos, a qualidade de seu conteúdo vem acima de tudo. E estamos falando de informação, texto, entrega de valor.

Qualidade de produção (imagem, principalmente) não resolve o problema de conteúdo ruim, e na maior parte das vezes, não é nem de longe uma exigência para se ter um canal bem sucedido.

Então, não gaste tanto tempo e esforço pensando em cenários, técnicas de edição e se preocupando em comprar equipamentos caros – a não ser que seu nicho de atuação exija algo do tipo.

Outros fatores que influenciam muito nesse meio são: carisma e personalidade. Não é incomum encontrar canais que não seguem a maioria das dicas expostas aqui, mas ainda sim se mostram extremamente bem sucedidos por contarem com personalidades cativantes.

Infelizmente é difícil mensurar e trabalhar esses pontos, mas tente ser sempre natural e espontâneo.

É comum que, no começo, suas publicações não saiam muito boas, mas basta vasculhar os primeiros vídeos de grande parte dos canais de sucesso para ver que tudo se trata de um processo gradual de evolução.

Quanto mais você praticar, melhores ficarão os seus vídeos.

Depois de todas essas dicas, saiba que é preciso muita paciência, pois provavelmente vai levar um bom tempo até o YouTube conseguir entender o seu canal, avaliá-lo e priorizá-lo no sistema.

Um ótimo modo de medir seu progresso é fazendo uso do Social Blade. Com esse site, você poderá acompanhar evoluções estatísticas do seu canal e de concorrentes, analisando também predições futuras.

Com esse longo texto, com certeza você já tem uma boa base para começar a trabalhar seu canal no Youtube. Que tal agora se preocupar também com sua produção de vídeos?

Veja 5 dicas para melhorar sua produção de vídeos investindo certo.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.