Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Black Week Hotmart

Quer fazer mais vendas? Participe da Black Week Hotmart. Nos últimos anos, os números foram impressionantes: aumento de 200% em vendas em um único dia!

Quero participar

O que faz um content creator e por que esta é a profissão do momento?

O que faz um content creator e por que esta é a profissão do momento?

Saiba como você pode aproveitar esta profissão para gerar renda!

Content creator é o profissional que se dedica a produzir conteúdos na internet, seja em formato de texto, vídeo, imagem ou áudio.

Sabe aquela blogueira que viaja pelo mundo e posta dicas dos melhores destinos em seu blog? Aquela confeiteira que cria vídeos ensinando deliciosas receitas no YouTube? Ou aquele especialista em finanças que dá dicas de investimentos em seu podcast?

Todos esses são exemplos de criadores de conteúdo, que educam ou entretêm sua audiência na internet, compartilhando aquilo que têm de melhor: seus conhecimentos e talentos!

Mas por que essa profissão está em alta hoje em dia? Neste post, vamos te contar os motivos pelos quais os criadores de conteúdo se tornaram os queridinhos das marcas para divulgar seus produtos, e como você pode tirar proveito dessa profissão.

Vamos lá?

Afinal, o que é um content creator?

Como já mencionamos, o content creator é aquela pessoa que se dedica a criar conteúdos na internet capazes de ajudar ou divertir sua audiência. Mas como essa atividade virou uma profissão lucrativa?

A seguir, você confere uma breve linha do tempo sobre o surgimento, a profissionalização e o cenário atual sobre a atuação dos criadores de conteúdo no país.

Como começou

Se você é um usuário antigo da internet ou trabalha com marketing digital há algum tempo, deve lembrar do Flogão ou do Fotolog. Foi nesses blogs que vimos os primeiros vestígios do que hoje entendemos como content creators.

Pessoas comuns publicavam fotos e textos sobre seus dias. Alguns chamavam mais atenção que outros e acabavam atraindo seguidores de diferentes localidades do país — o que realmente era um grande feito na época da internet discada.

A profissionalização

Depois disso, o Orkut virou febre e os criadores das comunidades mais populares eram os famosos da internet. O Cid, do Não Salvo, carrega fama desde aquela época.

Algumas blogueiras também começaram a se destacar desde então, como a Taci Alcolea e a Mari Moon.

Depois vieram o YouTube e o Twitter; e então o Facebook e o Instagram.

Não é de hoje que as marcas se unem a pessoas de relevância online para levar seus produtos a mais pessoas. Porém, certamente a profissionalização desse tipo de serviço tem atingido níveis inéditos.

O cenário atual

Justamente por conta dessa profissionalização, as exigências de ambas as partes — marcas e criadores de conteúdo — cresceram bastante.

De um lado, pessoas com uma legião de seguidores perceberam uma grande oportunidade de gerar renda a partir desses números; as marcas, por sua vez, começaram a cobrar entregas mais caprichadas para justificar o alto investimento.

Assim, a ideia de influenciar simplesmente por influenciar começou a fazer cada vez menos sentido. O que vemos no lugar é a ideia da co-criação. A união de marcas e criadores de conteúdo deve ser algo realmente orgânico e que faça sentido para o público do creator.

A grande maioria dessas pessoas ganha notoriedade e relevância por conta da criação de um conteúdo espontâneo. Assim, o público logo percebe os casos em que a pessoa divulga algo que provavelmente não consome, o que pode ser prejudicial tanto para a marca como para o content creator.

Content creator é a mesma coisa que influenciador digital?

Content creator, influencer, blogueiro, youtuber: você já deve ter se perguntado se existem diferenças entre esses termos. E a resposta é sim, existem!

No geral, todo content creator é um influenciador — ou tem o potencial de vir a ser —, mas nem todo influenciador é um content creator. Deu um nó?

Então continua a leitura que a gente explica mais a fundo algumas das principais categorias de influenciadores.

Influenciador

De modo geral, um influenciador digital é alguém que tem um perfil ativo em pelo menos uma rede social. Para ser assim considerado, é preciso, no mínimo, ter um número relevante de seguidores e um grande volume de publicações e interações.

Podemos também nos ater ao significado da palavra. Dessa forma, um influenciador também é aquela pessoa que faz — ou tem o potencial de fazer — a diferença em uma decisão de compra ou na formação de uma opinião, por exemplo.

Micro-influenciador

Como o nome diz, o micro-influenciador exerce o mesmo papel do influenciador, mas em um espectro menor. O mais comum é que esse influenciador tenha uma relevância local, ainda restrita a uma única cidade ou estado.

Não existe um consenso sobre o número de seguidores e esse parâmetro depende dos interesses da marca. Porém, podemos considerar que pertence a essa categoria quem tem até 50 mil seguidores. Esses influenciadores podem ser grandes aliados de marcas regionais, especialmente pela proximidade com o público pretendido por essas empresas.

Thaynara OG, por exemplo, começou como micro-influenciadora em São Luiz, até estourar no Snapchat e se tornar sensação no país todo.

Content Creator

Atenção, porque aqui as definições ficam mais complexas. Para ser considerado content creator, o influenciador precisa oferecer algo aos seus seguidores. Sim, é possível influenciar sem oferecer conteúdo — e temos alguns exemplos logo abaixo.

O criador de conteúdo é aquele que usa suas redes sociais (ou até mesmo outras plataformas) para agregar algum valor àquilo que oferece aos seus seguidores, mesmo nos casos em que não há uma marca fomentando isso.

Aqui estamos falando, por exemplo, de blogueiros que sempre publicam dicas de viagens, instagramers que trazem dicas de looks e youtubers que falam sobre os mais variados assuntos.

Celebridade

As celebridades talvez sejam os principais exemplos de influenciadores que não produzem conteúdo. Bruna Marquezine, por exemplo, já passa dos 36 milhões de seguidores, faz diversas parcerias pagas com marcas no seu Instagram, mas não podemos dizer que ela seja uma criadora de conteúdo.

Ainda não se convenceu? Fernanda Souza e Giovanna Ewbank podem nos oferecer um bom contraponto. As duas são atrizes e apresentadoras e certamente conquistaram seus muitos seguidores por conta de seus trabalhos na telinha. Porém, elas também têm canais no YouTube, dedicam tempo, energia e dinheiro no planejamento e na produção desses conteúdos.

Autoridade

Em geral, autoridades são aqueles influenciadores que ganharam relevância nas redes sociais por conta de algum trabalho que já realizavam fora dela. Eles também podem ser criadores de conteúdo ou não. Geralmente, as pautas abordadas são mais nichadas, assim como seus públicos.

As Dibradoras, por exemplo, já eram jornalistas esportivas quando se uniram na criação de perfis para falar sobre as mulheres no esporte. Karen Jonz é tetracampeã mundial de skate, então ninguém melhor do que ela para falar sobre essa modalidade em um canal no YouTube. Nesse caso, elas são referência em um assunto em que também criam conteúdo.

Paola Carosella, por sua vez, é uma influenciadora e referência máxima em culinária, alimentos orgânicos e afins. Porém, até o momento, ela não é exatamente uma content creator — mas já tem uma participação bem ativa no Twitter e existem indícios de que ela deve iniciar um projeto no YouTube.

Jornalista

Inevitavelmente, jornalistas são formadores de opinião. Com a popularização das redes sociais, eles também se transformam em influenciadores digitais. Um exemplo: Evaristo Costa.

Ele ganhou relevância nas redes justamente por twittar nos intervalos do Jornal Hoje, quando ainda apresentava o noticiário diário ao lado de Sandra Annemberg.

Mas então ele é um jornalista influenciador e não criador de conteúdo, certo? Isso mesmo! Mas também existem os que criam conteúdo, como Cris Bartis e Juliana Wallauer, âncoras do podcast Mamilos, que estão aí para comprovar isso.

E como você entra nesta história de content creator?

Se você chegou até aqui, é porque tem interesse de aproveitar o sucesso desta profissão para gerar renda. Acertamos?

Basicamente, existem duas formas de você se beneficiar deste “boom” que está ocorrendo no mercado:

  1. Trabalhando como um content creator;
  2. Contratando um content creator para divulgar seus produtos ou serviços, caso você tenha seu próprio negócio.

Vamos ver mais sobre isso nos próximos tópicos! :)

Como se tornar um content creator?

Apesar do que muitos pensam, ser um content creator não é uma profissão fácil (e também não permite alcançar o sucesso da noite para o dia!).

Pelo contrário: é preciso muita dedicação e trabalho árduo para alcançar o sucesso.

Por isso, o primeiro passo é estar preparado para se empenhar bastante nesta profissão!

Se é isso mesmo que você quer, é preciso seguir alguns passos para começar seu trabalho como content creator:

  • Defina bem seu nicho de atuação;
  • Crie sua buyer persona, que representa seu consumidor “ideal”;
  • Escolha as plataformas ou redes em que irá postar seus conteúdos;
  • Faça pesquisa de tendências e de palavras-chave para guiar sua produção;
  • Estabeleça um calendário fixo de publicações;
  • Adquira os equipamentos necessários (como uma boa câmera, caso vá gravar vídeos);
  • Produza, produza e produza!
  • Utilize estratégias de marketing para divulgar seus conteúdos.

Aqui no blog, temos vários conteúdos que ensinam o passo a passo para trabalhar na internet produzindo conteúdos. Confira nossa Bíblia dos Blogueiros, com o passo a passo para criar conteúdo na internet e gerar renda com seu blog!

Como trabalhar com content creators na divulgação de seus produtos?

Agora que você já sabe mais sobre a profissionalização de um content creator, tenha em mente que você não deve firmar esse tipo de parceria só porque todas as marcas estão investindo nisso.

Na verdade, existem diferentes vantagens que tanto os influencers como os creators podem trazer a uma marca, seja ela grande, média ou pequena.

Até mesmo os empreendedores digitais podem se beneficiar desse tipo de negociação na divulgação de seus produtos digitais. Veja como!

Alcance

Já sabemos que os creators têm muito a oferecer às marcas, especialmente quando consideramos a ideia da co-criação. Porém, há não muito tempo atrás, o principal atrativo dos famosos da internet era a legião de fãs que eles arrastavam.

Ou seja, quanto maior o número de seguidores, maior era a necessidade de investir naquela pessoa. Hoje, porém, já entendemos que o engajamento também têm um papel fundamental na conversão, embora o alcance dos creators não possa ser inteiramente descartado.

Essas pessoas falam com muitas pessoas e em um tom pessoal, próprio, cativante e original; algo que muitas marcas tentam, mas poucas efetivamente conseguem fazer.

Leads segmentados e qualificados

O alcance certamente é uma das principais vantagens de firmar parcerias com influenciadores digitais ou content creators. Porém, em alguns casos vemos marcas já consolidadas fazendo publi editoriais nas nossas timelines. Por que isso acontece?

Porque muito além de trazer novas audiências, esse tipo de parceria permite a aquisição de uma audiência já qualificada. Quando existe um estudo prévio sobre o creator e seus seguidores, é possível atrair um público não só segmentado, como também já qualificado.

Como consequência, isso aumenta as chances de conversão e permite um ROI mais elevado. Se grandes marcas têm bons resultados com isso, já imaginou o quanto isso pode ser interessante para a divulgação de seus produtos digitais?

Canais múltiplos

Facebook, Instagram, Twitter, YouTube: essas são só as principais redes sociais; existem ainda as nichadas e as não tão populares assim. Como dar conta de gerenciar todas elas e ainda oferecer um conteúdo realmente relevante?

Delegar a produção de conteúdo aos content creators pode ser uma saída. Assim, você garante que seu produto seja divulgado em múltiplos canais sem necessariamente precisar lidar com todos eles de forma intensa ou direta.

Além disso, contar com a expertise de alguém que já conhece determinado canal pode ter resultados mais rápidos e efetivos do que se você fosse tentar fazer uma divulgação por conta própria.

Descomplicação do processo de decisão

Muita gente já passou pela situação de alguma pessoa ter sido decisiva para consolidar uma compra. O mais comum é que essa influência venha de alguém próximo, como familiares ou amigos.

Porém, estudos mostram que os influencers já são a segunda fonte com maior impacto na decisão de compra. Isso se explica, entre outras coisas, pelo fato de as pessoas se espelharem muito nos creators. Como marca, esse quesito pode fazer toda a diferença na transformação de um lead em cliente.

Quais as melhores práticas na hora de trabalhar com creators?

Cada vez mais, o trabalho com um content creator é entendido como uma parceria. As partes envolvidas devem trabalhar juntas para co-criar algo que seja relevante tanto para o público da marca quanto para a audiência do criador de conteúdo.

Assim, algumas boas práticas podem ser aplicadas em prol do melhor resultado possível. Conheça algumas delas a seguir.

Saber vender o seu produto

O primeiro passo para trabalhar com creators é conhecer a fundo o seu próprio produto. Afinal, você precisa saber vendê-lo ao creator para que ele, por sua vez, faça o mesmo com o público dele.

Por conta disso, o briefing é fundamental. Esse termo é utilizado na publicidade para explicar o que é necessário em um trabalho.

Assim, apresente as características do produto, saliente o que você acredita que pode ser de maior interesse tanto para o criador de conteúdo como para o público dele e deixe bem claro quais são as suas expectativas com relação ao que precisa ser entregue pelo creator.

Conhecer o público

Certamente, conhecer o seu produto não vai ser um problema. Talvez o maior desafio esteja em identificar os aspectos dele que interessem ao creator para que, então, ele queira repassá-lo aos seguidores dele.

Nesse quesito, é necessário ter dados sobre o público do criador de conteúdo. Esse estudo ajuda até mesmo na hora de escolher o parceiro ideal na divulgação do seu produto. Afinal, de nada adianta investir em alguém que fale sobre jogos online em suas redes — que certamente traz seguidores do mesmo segmento — se você pretende impactar pessoas do mundo dos negócios, por exemplo.

Existem duas formas de verificar isso. A primeira é solicitar o media kit do criador de conteúdo junto ao orçamento. Trata-se de um documento em que, geralmente, são apresentados dados demográficos e comportamentais do público, além de campanhas anteriores das quais ele já participou.

A segunda é observar o comportamento dos seguidores do creator no perfil dele por alguns dias, inclusive para checar se as informações são condizentes.

Checar o engajamento

Para ter certeza de que a parceria que você tem em mente vale a pena, é interessante também avaliar o engajamento do público com o conteúdo do creator. Em resumo, além de conhecer o comportamento desses seguidores, você também deve comprovar a relevância que esse produtor de conteúdo tem.

Infelizmente, a compra de seguidores ainda é uma realidade em diversas redes sociais, mas isso acontece especialmente no Instagram e no Facebook. Por isso, não se deixe levar apenas por um grande número de seguidores. Afinal, de que adianta ter o potencial de alcançar 500 mil pessoas quando uma porcentagem mínima delas curte ou comenta em uma publicação?

Nesse sentido, o Instagram Analytics da Rock Content é uma ferramenta muito útil, visto que oferece parâmetros de comparação realmente relevantes e que podem ajudar na escolha do creator ideal para o seu negócio.

Estruturar porcentagens de ganhos

Agora que você já sabe quem é o produtor de conteúdo com o qual quer trabalhar, é preciso acertar as porcentagens de ganhos. Para isso, é interessante que seus objetivos com a campanha estejam claros. Caso você deseje melhorar o tráfego em um site, por exemplo, vale estabelecer metas.

Em vez de comprar uma única publicação no feed do Instagram ou no Stories, você pode negociar a partir do número de acessos ao site e fazer isso de forma gradativa — aumentando a porcentagem de ganho do creator de acordo com o número de acessos.

Isso certamente motiva o criador de conteúdo a divulgar o seu produto mais vezes e também com maior qualidade. É possível ter esse controle do número de acessos por meio da criação de um link parametrizado.

Assinar contrato

Independentemente do que você decida com relação ao modelo de ganho do creator, é importante ter tudo registrado por meio de um contrato. Especifique entregas, prazos e as principais responsabilidades de ambos os envolvidos.

Em geral, a contratação desse tipo de trabalho pode ser feita de duas formas. Ou por meio de agências especializadas, que fazem o meio de campo e as negociações entre marcas e criadores de conteúdo, ou diretamente com o content creator.

A primeira forma pode ser mais prática, uma vez que essas agências já têm os contatos dos creators, além de modelos de contratos pré-aprovados. Porém, falar diretamente com os criadores de conteúdo pode ser menos burocrático e, dependendo do tamanho da base de fãs dessa pessoa, mais em conta.

Pesquisar sobre a reputação do creator

Essa é uma das ações mais importantes para quem quer trabalhar com um content creator. É preciso ter em mente que esse tipo de parceria associa uma marca àquela pessoa e isso pode trazer consequências positivas ou negativas — e até mesmo crises.

Algumas coisas não têm como ser previstas e crises acontecem. Porém, se tiver dúvidas, vale a pena fazer uma rápida pesquisa nas redes do influenciador com algumas poucas palavras-chave — de preferência as mais polêmicas possíveis.

Pode ser interessante identificar o posicionamento do criador de conteúdo com relação a alguns assuntos delicados — e até mesmo políticos, em alguns casos — para saber se estão alinhados aos valores da sua marca e do seu produto.

Além disso, também é válido conhecer a postura do creator frente a esse tipo de parceria. Quando possível, entre em contato com outras marcas com as quais ele já trabalhou para saber se ele cumpre prazos, se entrega o que promete etc.

Exigir transparência na publicidade

No Brasil, a publicidade é regulamentada pelo Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, o Conar. Atualmente, já existem regras voltadas à publicidade em redes sociais, inclusive as praticadas pelos influenciadores digitais.

A transparência é uma premissa básica para uma relação saudável e de confiança entre o creator e o seu público. E, como falamos, em muitos casos os seguidores conseguem identificar um comportamento forçado ou pouco natural.

Por isso, é importante exigir do content creator a devida sinalização de uma publicação comprada. Isso pode ser feito de maneira simples, com a inclusão de hashtags como #ad ou #publi. No Instagram, existe ainda a possibilidade da criação de um anúncio em que já vem especificado que aquela publicação trata-se de uma parceria paga.

Criar um bom relacionamento

Pegando carona na ideia do bom relacionamento entre creator e base de fãs, esse mesmo pensamento deve valer entre marcas e criadores de conteúdo. A ideia é que esse tipo de parceria seja sempre benéfico para os dois lados.

Ou seja, enquanto o content creator gera renda, a marca aumenta o seu alcance e melhora as chances de conversão. Dessa forma, investir em um relacionamento de longo prazo pode trazer grandes benefícios.

Como falamos, diferentes aspectos precisam ser considerados na decisão de associar sua marca a uma pessoa. Quando se trata de um content creator, essa pessoa é mais um embaixador da marca e menos um garoto propaganda.

Dessa forma, parcerias longas se tornam mais orgânicas e verdadeiras, o que realmente tem um apelo positivo junto ao público.

O que você aprendeu até aqui?

A transformação digital alterou a forma como nos relacionamos uns com os outros e também trouxe novas regras de consumo.

Nesse contexto, desde os tempos dos finados Fotolog e Orkut, os influenciadores digitais começam a ganhar popularidade e a atrair o interesse de marcas que pretendem atingir novos públicos por meio dessas parcerias.

Com um grande número de seguidores, esse tipo de parceria traz diversos benefícios às marcas e também aos creators, que podem gerar renda a partir do conteúdo que já produziam. Além disso, a ideia de co-criação também ganha mais força e os criadores de conteúdo passam a ser mais exigidos em termos de qualidade de entrega e resultado.

Como em qualquer relação de trabalho, a parceria entre uma marca e um content creator também traz direitos e deveres a ambas as partes envolvidas. Algumas melhores práticas devem ser observadas antes da escolha do embaixador do seu negócio. Quanto mais orgânica e verdadeira for essa relação, maiores as chances de sucesso.

A gente espera que este conteúdo tenha sido útil para você. Para se aprofundar ainda mais no assunto, continue em nosso blog e veja quanto ganha um influenciador digital.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.