Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Três dias imperdíveis para aprender tudo sobre o mercado digital!

Três dias imperdíveis para aprender tudo sobre o mercado digital!

Garanta seu ingresso

Crenças limitantes: como evitar pensamentos que te impedem de crescer?

Crenças limitantes: como evitar pensamentos que te impedem de crescer?

Já deixou de tentar algo novo porque assumiu que não seria capaz? Esse comportamento está relacionado às crenças limitantes.

Já ouviu aquela história de que “quem quer arruma um jeito; quem não quer, uma desculpa”?

Então, muitas vezes — muitas mesmo! —, deixamos de realizar alguma coisa por causa de alguma justificativa que nos impede de tentar. Mas não estamos falando de preguiça ou falta de motivação, e sim das crenças limitantes.

Esse termo é famoso e diz respeito a uma série de “caraminholas” que colocamos na nossa cabeça e que nos limitam de várias formas.

Não é raro que um pensamento pessimista nos impeça de seguir nossas ambições positivas. Mas, afinal, o que são as crenças limitantes e como superá-las?

Leia este texto e descubra!

Crenças limitantes: o que são?

Mesmo que você não seja uma pessoa muito religiosa, deve estar familiarizado com o termo “crença”: é acreditar cegamente em algo.

Agora, quando falamos de uma crença limitante, estamos justamente tratando de um pensamento enraizado na nossa cabeça, sobre o qual não temos dúvida, mas que limita ou impede nossas ações.

Quer um exemplo clássico?

Pois bem, quem nunca disse para si mesmo algo como: “aquela pessoa nunca se interessaria por mim, é melhor nem tentar uma aproximação”.

Por algum motivo — que vem da sua criação, das suas experiências sociais ou mesmo de uma percepção pessoal equivocada —, você acredita que não é interessante ou atraente o suficiente.

Mais que um problema de baixa autoestima, estamos diante de uma crença limitante. Afinal, foi esse pensamento que impediu um movimento de aproximação. Agora, entenda melhor de onde surgem essas ideias limitadoras. Vamos lá?

Elas podem vir de berço

O meio em que crescemos, principalmente na primeira infância, tem um poder imenso de moldar nossa personalidade.

A criação dos pais, a influência de tios e tias e até mesmo a presença de outras crianças nos primeiros anos de vida são fatores determinantes para algumas das concepções e comportamentos que levamos para a vida adulta.

De todos os familiares, os pais são os mais influentes nesse sentido — provavelmente, eles só queriam o seu bem, mas, devido à própria bagagem cultural e social que traziam, podem ter intoxicado sua personalidade de alguma forma. Críticas, comentários, autoritarismo exagerado, muitas cobranças, etc.

Às vezes, vêm de interações sociais

As crenças limitantes que vêm de interações sociais também são extremamente comuns, até mais do que as hereditárias.

Afinal, depois que nos inserimos em locais de convívio diversificados — a escola, a igreja ou um curso de teatro, por exemplo —, começamos a ter contato com outros mundos que vão muito além daquilo a que fomos apresentados em casa.

Então, a pessoa pode ter contato com preconceitos, machismos, comportamentos competitivos e por aí vai.

Além disso, alguns padrões são incorporados muito cedo em nossa sociedade, como a busca por um certo tipo de corpo, a rejeição por certos tipos de cabelos e a necessidade de ter redes sociais movimentadas, citando apenas alguns exemplos.

Em outras, partem de dentro

Agora, alguns pensamentos limitadores não vêm nem de berço, nem das interações sociais ao longo da vida, mas sim de dentro de nós.

Quantas vezes você não se convenceu de que não era capaz de algo com alguma justificativa rasa, quando na verdade tudo o que havia era medo? Nesse caso, uma autoavaliação é bem-vinda.

O medo de falhar, de tentar coisas novas, de se abrir para experiências, de ser motivo de risada: tudo isso é muito comum no ser humano.

No entanto, crenças limitantes pessoais são muito difíceis de ser desconstruídas e, por isso, acabam nos deixando aquém de nosso verdadeiro potencial.

Quais são as crenças limitantes mais comuns?

Basta reparar: quando alguém propõe algo muito interessante ou quando surge alguma grande oportunidade na sua vida, você costuma logo rebater com alguma frase pessimista?

Se sim, temos um alerta de crença limitante! Veja alguns exemplos muito comuns:

  • eu não sou suficientemente bom;
  • isso não é para o meu bico;
  • eu não tenho capacidade de resolver esse problema;
  • eu tive notas ruins em matemática, por isso, jamais serei um engenheiro;
  • eu nunca vou aprender a dirigir, afinal, tenho um péssimo senso de direção;
  • é melhor ficar neste emprego, em vez de pedir demissão e arriscar outro;
  • melhor nem tentar esse concurso, pois é muito concorrido;
  • sou incapaz de me manter em uma dieta;
  • é tarde demais para tentar mudar as coisas.

Enfim, a lista é imensa. Basicamente, qualquer pensamento que possa impedir que você ao menos tente é uma crença limitante.

Como você pode imaginar, elas têm um efeito negativo em nossa vida, pois são responsáveis por colocar fronteiras em nossa capacidade que, muitas vezes, poderiam ser transpassadas com algum esforço.

Como identificar e superar essas crenças limitantes?

A esta altura do texto, você já deve ter percebido que lidar com as crenças limitantes é um verdadeiro desafio, não é?

Isso porque elas criam raízes e, quando são de longa data, exigem muito esforço para mudar nossa concepção. Mas temos algumas dicas!

Veja o que vai ajudar você a se desvencilhar desses pensamentos.

Abra-se para mudanças

O primeiro — e mais difícil — passo para se livrar das crenças limitantes é se abrir para mudanças. Não ter medo de entrar em território desconhecido e de sair da zona de conforto é essencial para superar seus próprios limites.

Por isso, experimente situações, círculos sociais ou objetivos completamente diferentes de tudo aquilo a que você já está condicionado.

Afaste-se das causas

Identificar os motivos que levam às crenças limitantes também é muito válido. Se são os seus pais que são muito rígidos e fizeram você acreditar que falhava mais do que acertava, que tal se mudar para uma cidade mais distante e se afastar dessas referências?

Se é o(a) companheiro(a) que faz você se sentir pouco merecedor de felicidade, vale a pena ter uma conversa séria e sincera e, talvez, até rever esse relacionamento.

Mude seu mindset

Por último, mudar o mindset — ou seja, sua própria mentalidade — também é um bom caminho. Comece a acreditar mais em si, nas suas habilidades e na sua competência.

Muitas vezes, as crenças limitantes acabam levando a uma autossabotagem, quando a tentativa poderia levar facilmente ao sucesso profissional ou pessoal.

Que tal dizer adeus às crenças limitantes?

Como você viu, não é impossível superar as crenças limitantes — acreditar nisso já seria cair nessa cilada.

Sejam hereditárias, sociais ou pessoais, elas podem ser rompidas com mudanças de comportamentos, identificação das causas e ajustes na maneira como você vê o mundo e a si mesmo. O resultado será alcançar novas realizações e ter mais qualidade de vida.

E aí, já se sente mais leve?

Lembrando que essas dicas são apena um método para te ajudar, caso você não consiga se livrar de crenças limitantes como as que citamos aqui, procure a ajuda de um profissional de psicologia. ❤

Para acompanhar outros conteúdos para seu crescimento profissional e pessoal, assine a nossa newsletter no final da página!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.