Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

O que a expressão corporal diz sobre você?

O que a expressão corporal diz sobre você?

Entenda a importância dos gestos em seus vídeos.

Há algum tempo, os vídeos se tornaram a principal mídia de comunicação em todo o mundo. Para se ter uma ideia, o YouTube, principal plataforma audiovisual do planeta, acumula, todos os dias, mais de 1 bilhão de horas de vídeos assistidos.

Diante da importância desse tipo de mídia, cada vez mais gente procura por conteúdos em vídeo para aprender novas habilidades ou, simplesmente, se entreter.

Se você se encontra na outra ponta dessa relação e se considera um produtor de conteúdo, já sabe que há um grande território para conversarmos sobre técnicas de expressão e oratória, certo?

Por isso, criamos este guia completíssimo para falar de um dos elementos mais importantes de qualquer comunicador: a expressão corporal.

Quer saber o que os gestos podem dizer por você e como controlar esse aspecto da sua comunicação?

Neste guia, você vai ver:

Índice
O que é linguagem corporal O que a linguagem corporal pode dizer sobre você Expressões corporais negativas Tipos de linguagem corporal A expressão corporal na gravação de vídeos 8 métodos para melhorar seu desempenho nos vídeos

Afinal, o que é linguagem corporal?

Expressão corporal: gif com um garoto abrindo os braços como um gesto de pergunta

Segundo Albert Mehrabian, psicólogo iraniano, professor na UCLA em Los Angeles, Califórnia e considerado o pai dos estudos acerca da ciência, a linguagem corporal é uma forma de comunicação não verbal, na qual nos comunicamos por meio de gestos, expressões faciais e pela nossa postura.

Surgida muito antes da linguagem verbal, a linguagem corporal continua sendo considerada extremamente importante para a nossa comunicação.

Segundo o professor Mehrabian, transmitimos nossos sentimentos e ideias em uma proporção surpreendente: 7% verbal, 38% vocal (pelo tom de voz) e 55% facial (pelas nossas expressões).

Existe, inclusive, um mito muito grande no que diz respeito a essas porcentagens, pois muitas pessoas as interpretam erroneamente, atribuindo-as ao conteúdo da mensagem.

Se isso fosse verdade, ao assistir a um filme sem legendas e em uma língua desconhecida, bastaria analisar a linguagem corporal dos personagens para entender 93% da mensagem, o que não é possível.

Na verdade, Albert Mehrabian defende que é necessário haver uma coerência entre o que se fala e a forma como se fala, de modo a se passar a mensagem da melhor maneira possível.

Dentro dessa lógica, um vendedor que mantém, por exemplo, um contato visual constante consegue passar muito mais confiança e segurança para os clientes do que aquele que não olha as pessoas nos olhos, demonstrando dissimulação – mesmo que ambos estejam falando exatamente as mesmas palavras.

Assim, a linguagem corporal consiste no conjunto de gestos, posturas e outras formas de expressão do nosso corpo que não só ajudam como constituem boa parte da nossa comunicação interpessoal.

O que a linguagem corporal pode dizer sobre você?

A linguagem corporal bem aplicada e praticada funciona como uma confirmação da mensagem que estamos transmitindo. Ou seja, ao nos portar de acordo com a ideia a ser passada, a própria mensagem pode ser entendida com mais facilidade e clareza.

Dessa forma, mais do que o conteúdo em si, a linguagem corporal é responsável por transmitir as emoções e sensações que sentimos naquele momento, utilizando tanto os gestos, a postura do corpo, o tom de voz e a velocidade da nossa fala ou, até mesmo, a forma como andamos enquanto nos comunicamos.

São vários os tipos de emoções que podem ser detectados por meio da comunicação não verbal. Medo, insegurança, raiva, tédio, desconfiança, dissimulação, entre outros, são apenas alguns exemplos de variações emotivas transmitidas por um simples gesto.

Imagine a seguinte situação:

Você acaba de ser contratado para palestrar sobre o assunto que mais domina para um grupo de empresários de primeiro escalão. Sem dúvidas, esse já é um cenário intimidante por si só.

Entretanto, já sabe que a forma como você se portar fará toda a diferença na conquista (ou não) daquele público inicialmente tão hostil e complicado.

Por isso, nada melhor do que começar sua palestra com um sorriso e um tom de voz firme e profundo para mostrar que você domina o assunto e, ao mesmo tempo, dá boas-vindas para quem estiver ouvindo.

Pode parecer simples, mas esse tipo de postura, combinado com outras práticas de expressão corporal, são a diferença entre uma palestra de sucesso e uma apresentação fracassada.

No cenário mais pessimista, um palestrante que fala rápido, mantém o olhar distante do público e passa as mãos nos cabelos frequentemente, por exemplo, demonstra insegurança, ansiedade e falta de domínio do tema.

Veja que em momento algum citamos o conteúdo da palestra.

Ele pode ser rigorosamente o mesmo para ambos os exemplos. Entretanto, a percepção entre um e o outro muda completamente a forma como as pessoas recebem a mensagem, simplesmente pela adoção de linguagens corporais opostas.

Por que usar a linguagem corporal?

Essa é uma pergunta complicada, pois não é como se tivéssemos, realmente, uma alternativa para isso. Afinal de contas, o nosso corpo dará sinais não verbais independentemente da nossa vontade.

Nesse sentido, o mais importante é conhecer as diferentes formas de expressão corporal e como é possível utilizá-las a nosso favor.

Por isso, não pense na linguagem corporal como uma opção ou um acréscimo na sua comunicação.

Ela é tão essencial quanto a fala e, diferentemente desta, que está restrita às nossas escolhas, se manifestará queiramos ou não.

Então, foque seus esforços em conhecer a forma como seu corpo se comunica e controlar cada aspecto dessa linguagem, conseguindo assim transmitir com clareza as suas ideias.

Existe expressão corporal negativa?

Expressão corporal: gif com uma mulher revirando os olhos

Provavelmente, você já está tentando imaginar as técnicas de linguagem corporal para transmitir melhor as suas mensagens e conquistar o público, certo?

Mas antes disso, é preciso entender que existem diferentes aspectos nesse tipo de comunicação não verbal.

Enquanto o emprego com sucesso de diferentes gestos e posturas fazem com que nossa comunicação seja vista de maneira positiva pelo interlocutor, é fundamental entender que o contrário também pode acontecer.

Essa é a expressão corporal negativa, responsável por estragos imensuráveis na comunicação.

A linguagem corporal negativa

Muitas vezes, quando interagimos com alguém, independentemente do contexto, podemos transmitir uma expressão corporal negativa sem ao menos perceber.

Enquanto as expressões faciais costumam “entregar” mais facilmente os nossos sentimentos, gestos tão sutis quanto a posição das mãos ou mesmo o local para onde nossos joelhos apontam podem passar significados nada agradáveis.

Exemplos de expressão corporal negativa

Existem algumas posturas e gestos clássicos que traduzem um sentimento de desconforto, impaciência ou insegurança.

Se eles já não são desejados em uma relação pessoal, imagine o estrago que podem fazer em interações profissionais?

A seguir, listamos alguns exemplos de gestos que você deve evitar para não transmitir uma linguagem corporal negativa.

Mão na boca

Tapar a boca com a mão é um gesto clássico e claro de omissão ou mentira. Ou seja, quando alguém não está falando a verdade, geralmente acaba tapando a própria boca.

Esse tipo de gesto pode apresentar variações, como passar as mãos com frequência nos lábios, tocar longa e repetidamente o próprio queixo ou mesmo colocar objetos à frente da boca, como copos, canecas, canetas, entre outros.

Lábios comprimidos

O ato de comprimir os lábios demonstra uma negação em dizer algo.

Geralmente, quando a pessoa não quer dar uma opinião, dizer o que pensa ou se posicionar, seus lábios são comprimidos uns aos outros.

É uma variação do gesto de mão na boca, apesar de denotar uma negação ou omissão e, não necessariamente, uma necessidade de mentir.

Olhar vago

O olhar é um dos principais elementos da linguagem corporal.

Quando não focamos nosso olhar na pessoa com quem nos comunicamos, passamos uma imagem de insegurança e falta de clareza no discurso.

Muitas vezes confundido com a timidez, esse tipo de postura pode se traduzir na busca por uma imagem mental.

Ao desviar os olhos do nosso foco, estamos buscando algo que dê suporte para o nosso discurso, o que faz com que a percepção denote insegurança.

Contração da testa

Esse tipo de gesto é, geralmente, percebido na pessoa que recebe a mensagem.

Ou seja, se em algum momento você estiver fazendo um discurso e a pessoa com quem estiver falando contrair a testa, ligue o sinal de alerta, pois não é um bom gesto.

Uma testa contraída indica um nível alto de tensão, nervosismo ou, principalmente, dúvida. Pode ser um indicativo que a sua mensagem não está sendo recebida claramente.

Restrição de braços e mãos

Mãos para trás, grudadas ao tronco e pés cruzados para trás da cadeira indicam um posicionamento de pouca confiança.

Esse tipo de expressão corporal dá claros sinais de desconforto, o que pode sugerir falta de franqueza e intimidade em uma conversa.

Tipos de linguagem corporal

Até o momento, você viu alguns exemplos de linguagem corporal e as diferenças de expressão corporal positiva e negativa, além dos efeitos dela na sua vida.

Agora, entrando em um assunto um pouco mais técnico, é hora de você conhecer os tipos de linguagem corporal existentes.

São cinco categorias utilizadas para a classificação da comunicação não verbal:

  1. Cinésica: é relacionada à expressão corporal literal, fazendo referência aos gestos das mãos e às expressões da face;
  2. Proxêmica: relacionada ao uso do espaço ao nosso redor;
  3. Paralinguagem: relacionada ao tom de voz e suas variações;
  4. Tacêsica: relacionada ao toque;
  5. Características físicas: relacionadas à aparência e à forma corporal.

Essas classificações ajudam a entender como é possível categorizar cada tipo de expressão corporal.

Entretanto, na prática, a forma como transmitimos nossas ideias por meio dos recursos corporais funciona de maneira mista, de modo que tais classificações são mais utilizadas nos estudos da ciência.

A expressão corporal na gravação de vídeos

Se a introdução deste guia foi cativante, provavelmente, você quer mesmo é saber como aplicar as técnicas de expressão corporal na hora de gravar seus vídeos, certo?

Então, chegou a hora!

Quando estamos produzindo conteúdo audiovisual, o principal elemento de conexão entre nós e o público é, invariavelmente, a nossa imagem. E é por isso que a linguagem corporal é tão importante para esse tipo de atividade.

A seguir, separamos 5 dicas para você se portar melhor diante das câmeras e produzir conteúdos que conquistem o público com uma linguagem corporal ideal.

Confira:

1. Não aparente cansaço

Além da expressão corporal em si, nossa aparência também diz muito do conteúdo que queremos transmitir em nossos vídeos.

Por isso, aparecer diante das câmeras cansado, com olheiras e desanimado é a pior escolha que você pode fazer nesse sentido.

Um apresentador exausto transmite a sensação de tédio e cansaço, mostrando o quanto ele não gostaria de estar ali.

Pense na última boa palestra motivacional que você assistiu. Lembrou?

Pois então, muito provavelmente o palestrante estava confiante e animado. Afinal de contas, como se motivar com alguém com cara de cansado?

2. Controle seu tom de voz

O excesso gera problemas para qualquer aspecto da nossa vida, e o uso da voz não foge dessa regra.

Por isso, tome cuidado com os extremos do volume do seu tom de voz.

Gravar um vídeo falando baixo demais, mesmo que seja utilizado um microfone de boa qualidade, passa para o espectador sensações de tédio e apatia.

Por sua vez, se você falar alto demais criará incômodo e ansiedade, o que pode fazer com que as pessoas abandonem o seu vídeo rapidamente.

A melhor escolha é alternar o volume da fala de acordo com o conteúdo, dando ênfase para os momentos importantes e mantendo um tom sereno quando for necessário.

3. Não exagere nos gestos

Enquanto os gestos com as mãos ajudam a trazer dinâmica para o seu vídeo, aumentando o interesse do espectador naquilo que você está falando, o excesso deles pode distrair facilmente o seu público.

Evite, também, posturas como a de braços cruzados, que demonstram um ar de superioridade e prepotência.

Se portar como um educador ou mesmo alguém que é uma referência em algum assunto não combina de jeito nenhum com uma postura prepotente e arrogante.

4. Olhe para a câmera com confiança

Quando gravamos um vídeo, temos que ter em mente que a lente da câmera representa todo o nosso público. Por isso, é fundamental manter aqui a postura de “olho no olho”, favorecendo a conexão entre você e o seu espectador.

Assim, evite olhar para os lados, demonstrando insegurança e, também, para baixo. Além de transmitir uma postura de inferioridade e falta de confiança, você ainda pode atrapalhar a captação de áudio, principalmente se ela estiver sendo feita por um microfone de lapela sob sua roupa.

Falar qualquer coisa olhando para baixo ainda passa a sensação de falta de importância do assunto, além de causar tédio e desinteresse naqueles que estão assistindo ao seu vídeo.

5. Endireite a sua postura

A transmissão de uma mensagem ou ideia ganha ou perde credibilidade por conta de todos os aspectos que listamos até agora. Mas existe um muito importante e fácil de corrigir com a prática, tornando-o um hábito: a postura ereta da coluna.

Ficar com as costas curvadas e os ombros contraídos é uma das mais clássicas demonstrações de insegurança.

Apresente-se assim para o seu público e essa será a primeira coisa que eles notarão.

Por isso, lembre-se sempre de manter a coluna reta e bem encaixada, sem exagerar em uma postura forçada. Assim, você passa confiança, domínio do tema e segurança no que está dizendo. Além disso, ainda ajuda a manter a saúde das suas costas preservada.

Métodos para melhorar o desempenho em vídeos

Quando escolhemos gravar vídeos, estamos optando por transmitir uma ideia, ensinar algo ou mesmo captar um público-alvo para o nosso negócio.

Por isso, é fundamental deixar de lado todas as suas crenças limitantes e investir nas melhores técnicas de linguagem corporal para aumentar o desempenho das suas gravações.

Pensando nisso, separamos algumas dicas fundamentais para você ter mais sucesso nos seus vídeos.

Planeje tudo

Um vídeo gravado sempre é uma oportunidade de planejar com antecedência tudo que acontecerá no momento em que o botão “rec” for pressionado.

Por isso, não subestime a importância de ter um roteiro.

Mais do que um roteiro por vídeo, é ideal ter um planejamento mensal e semanal, criando uma rotina de produção criativa.

Dessa forma, na hora da gravação, você terá domínio completo do conteúdo, das etapas do processo e dos acontecimentos do vídeo.

Resta, então, concentrar-se naquilo que você falará e, principalmente, na forma como se comunicará.

Evite dias ruins

Sabe aquele dia em que tudo está saindo errado e nada parece se resolver? Eles são mais comuns do que você imagina!

Se você já tem um planejamento prévio e criou uma rotina de gravações, pode se dar ao luxo de evitar esses dias ruins.

Quando nos comunicamos com um estado de espírito ruim, desanimado, triste ou cansado, estamos passando essas sensações para o público.

Por mais que você saiba atuar brilhantemente, sempre terá algum tipo de gesto que passará batido, revelando para o espectador que nem tudo está tão bem quanto parece.

Verifique o equipamento e a locação

Você já sabe como controlar o seu tom de voz, variando de acordo com a importância dos tópicos abordados. Mas é importante, também, eliminar quaisquer tipos de interferências externas que forcem a alterar o volume da sua voz sem propósito.

Lembre-se de escolher uma locação e um horário propícios à gravação de um vídeo.

Se possível, invista em um estúdio com isolamento acústico ou, ao menos, grave em momentos e lugares mais silenciosos.

Jamais leia scripts durante a gravação

Um dos maiores erros na comunicação é demonstrar falta de domínio sobre o tema que você está falando em público.

Quem nunca apresentou um trabalho de escola lendo as anotações que fez no dia anterior e se sentiu extremamente automatizado e engessado?

Com a gravação de vídeos é a mesma coisa.

Você não pode abrir mão de ter um script, pois é nele que se encontram as informações que serão transmitidas na gravação, tão importantes para conseguir persuadir o público a comprar sua ideia.

Entretanto, o script não pode passar nunca de apenas um guia, de modo que é muito importante que você não o leia durante o vídeo.

Nada de colocar informações que precisam ser decoradas nele!

O cenário ideal é que você conheça o texto previamente e tenha domínio sobre tudo aquilo que deverá ser dito antes de começar a gravar.

Dessa forma, você passa confiança e mostra que conhece bem o tema que está falando, mostrando-se competente na função.

Por sua vez, ler o script na frente da câmera tira toda a naturalidade da sua fala, além de engessar a expressão corporal, que deve atuar em conjunto com a linguagem verbal.

Nunca masque chicletes

Os chicletes podem ajudar bastante na hora de reduzir o estresse, mas trazem uma imagem extremamente negativa quando estamos gravando um vídeo.

Além de ser falta de educação e demonstrar pouco cuidado com a imagem própria, mascar chicletes ainda passa uma ideia de prepotência e falta de importância do assunto.

Não existe nenhum tipo de problema em se mascar chicletes, desde que você faça isso antes ou depois das gravações. Durante, nunca!

Verifique se está tudo em ordem

Antes de iniciar as gravações, verifique se está tudo funcionando bem, do equipamento ao seu vestuário e acessórios.

A última coisa que você quer é ser interrompido por algum problema bobo, quebrando a linha de raciocínio e drenando sua confiança na hora de falar.

Cuidado com o figurino

Transmitir uma mensagem em vídeo é trabalhar com a nossa imagem. Por isso, precisamos cuidar para que não ocorram distrações, principalmente quando podemos controlá-las facilmente.

O figurino é extremamente importante nesse sentido.

Na dúvida, opte por roupas mais discretas, como camisetas sem estampas ou de cores mais neutras.

A escolha deve levar em consideração a necessidade de atrair a atenção do público para a ideia e não para a roupa que você está vestindo.

Além disso, uma roupa mais discreta evita vícios de linguagem corporal, que podem acontecer quando estamos usando uma jaqueta com vários bolsos, uma blusa com zíper ou quaisquer outros elementos que possamos manipular inconscientemente enquanto falamos.

Escolha seu melhor lado

Todo mundo tem um lado que gosta mais que o outro.

Esse perfil dominante deve ser escolhido na hora de gravar os vídeos, o que ajuda na sua autoconfiança e faz com que você aprecie mais o resultado das gravações.

É claro que você não precisa ficar completamente de lado, mas basta usar esse lado preferido como o dominante na hora de se portar diante das câmeras.

Além de tudo, você ainda estará passando mais confiança para o público.

A arte de falar

Como você pode perceber, a comunicação é uma atividade bastante complexa e que envolve vários outros aspectos além da nossa fala.

Os gestos, a postura, o tom de voz… todos esses elementos fazem parte da nossa expressão corporal, capaz de influenciar muito mais do que você pode imaginar!

Apesar disso, não deixe que o medo de se portar bem frente às câmeras seja um impeditivo para você começar a gravar vídeos ou até mesmo falar em público.

É aquela velha história: a prática leva à perfeição!

Por isso, comece a gravar ou até mesmo fazer apresentações e, com o tempo, você perceberá como sua expressão corporal ficará mais adequada à sua fala.

Sempre que sentir necessidade, volte a este guia para relembrar as dicas que deixamos aqui e não deixe de praticar ainda mais com estas 5 dicas para conseguir falar melhor em público!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.