Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Três dias imperdíveis para aprender tudo sobre o mercado digital!

Três dias imperdíveis para aprender tudo sobre o mercado digital!

Garanta seu ingresso
Fechar Como criar um curso online em vídeo

Como criar um curso online em vídeo

Um guia completo para te ajudar a tirar sua ideia do papel!

Download gratuito!

Guia super completo para fazer vídeo!

Guia super completo para fazer vídeo!

Tudo que você precisa saber desde a pré-produção até a pós divulgação de seu conteúdo.

Com o sucesso dos vídeos na internet, muita gente anda se aventurando na produção de conteúdo audiovisual. Mas há uma grande diferença entre entregar uma gravação amadora para o público e fazer vídeo profissionalmente.

É claro que você não precisa criar vídeos super profissionais desde o começo. Porém, a partir do momento que você começa a atrair mais audiência para seus conteúdos, é muito importante melhorá-los para que sua audiência continue engajada.

Para te ajudar a fazer vídeos mais profissionais, criamos este guia completo!

Aqui, vamos abordar tudo que você precisa saber antes, durante e depois da produção de seus vídeos.

Pronto para gravar vídeos de qualidade?

Navegue pelo post:

Este é um guia bem completo com tudo que você precisa saber para fazer vídeo.

Pode ser que você já conheça bem algumas etapas, por isso, fique à vontade para clicar neste índice e ir direto no tema que você mais precisa.

Índice
O universo dos vídeos para internet Por que vale a pena criar vídeos Pré-produção: começando a gravação com o pé direito Produção: luz, câmera, ação! Pós-produção: a cereja do bolo

O universo dos vídeos para internet

Fazer vídeos: infográfico com uma linha do tempo na qual mostra desde o surgimento do domínio youyube.com até atualizações feitas na plataforma em 2015.

A história do YouTube começa em 2005, quando 3 amigos e ex-funcionários da PayPal saíram da empresa e registraram o domínio youtube.com.

No início, o YouTube ainda não era uma plataforma como conhecemos hoje e sua página principal era bem simples, apenas com o perfil, mensagens, aba de favoritos e o login.

Porém, a novidade chamou a atenção dos usuários da internet e até mesmo de algumas grandes marcas, como a Nike, que apostou na tendência dos vídeos para lançar uma gravação de Ronaldinho Gaúcho calçando suas novas chuteiras.

Já em seu primeiro ano, o YouTube era um dos sites com mais crescimento na internet, o que com certeza chamou a atenção do Google, um de seus maiores concorrentes.

Então, em outubro de 2006 surge a oportunidade da compra do YouTube e o Google adquiriu a plataforma por U$$1,65 bilhão.

A geração Y, então com seus 20 anos, foi a primeira a experimentar a revolução no conteúdo audiovisual.

Desde então, o sucesso dos vídeos ultrapassou a fronteira do entretenimento despretensioso e virou oportunidade de negócio.

Não só alguns youtubers criaram verdadeiros impérios, como outras áreas aderiram ao formato. Entre elas, uma de grande destaque é a educação a distância.

E o sucesso dos cursos online se deve muito à grande aceitação do público ao formato de vídeo.

Por que vale a pena criar vídeos?

Se você tem dúvidas se vale a pena criar vídeos, basta olhar ao seu redor. Quase todo mundo tem um smartphone no bolso.

O dado é oficial: no Brasil, em 2018, o número de smartphones ativos já era maior que o de habitantes.

E o que isso tem a ver com vídeos?

Parece clichê, mas a transformação tecnológica já faz parte do nosso cotidiano.

Com isso, livros são trocados por leitores de PDF, CDs são substituídos por uma assinatura no Spotify e salas de aula, filmes e shows de stand-up são acessados ali, diretamente na tela digital.

Além de um cenário bastante favorável, a criação de vídeos tem outro grande aliado: o baixo custo de produção.

Mas calma lá! Não estamos dizendo que não exista um investimento relevante.

É preciso gastar com equipamentos, divulgação, hospedagem e outras coisas. No entanto, em comparação às produções audiovisuais de antigamente, esse terreno é muito mais acessível.

Então, qualquer um que se dedique a estudar algumas técnicas pode se tornar um diretor, seja para fins de entretenimento, seja para educação.

Além disso, como você já deve ter percebido, os vídeos são uma forma de divulgar seu conteúdo até mesmo para um público que ainda não te conhece. É por esse motivo que as grandes marcas investem na criação de conteúdos audiovisuais.

Como você viu, desde o começo do YouTube, marcas como a Nike entenderam a importância dos vídeos.

E você sabe o porquê disso?

Porque com vídeos, você consegue:

1. Gerar mais autoridade

Conteúdos bem produzidos e que sejam relevantes para o público aumentam a credibilidade da marca no mercado.

Isso porque, com vídeos, você consegue emocionar, contar uma história e educar sua audiência. Ou seja, os conteúdos audiovisuais ajudam a afirmar para o público que você é uma referência em sua área de atuação.

2. Aumentar as interações com o público

Como os vídeos são um formato de conteúdo fácil de consumir, é provável que eles sejam compartilhados com mais facilidade e tornem-se virais.

Para você ter ideia, até o Facebook entrou na onda e sugeriu que, em poucos anos, a rede social só terá vídeos na timeline.

É claro que isso dependerá muito do público com o qual você conversa, mas com certeza vale a pena testar esse formato de conteúdo em suas redes sociais.

3. Levar mais tráfego para o site

Além de todas as práticas de SEO que devem ser aplicadas em um texto para que ele fique bem posicionado nos resultados de busca, ter vídeos em uma página também ajuda o rankeamento.

Porém, é muito importante que o vídeo escolhido seja realmente relevante e tenha relação com o que é mostrado no texto. Uma boa ideia é fazer vídeo tutorial, por exemplo, ensinando a solução de algum problema para o público.

Além disso, as boas práticas de SEO também valem no YouTube.

Isso significa que é muito importante pensar em uma palavra-chave para esse formato de conteúdo, bem como na descrição e título atrativo para garantir que seu vídeo apareça nos primeiros lugares de busca do Google.

4. Gerar novas oportunidades de vendas

Principalmente para quem trabalha pela internet, fazer vídeo é também uma possibilidade de fechar novos negócios, já que 64% dos usuários ficam mais propensos a fazer uma compra depois de assistir a um vídeo.

Isso porque, com esse formato de conteúdo, as marcas conseguem fazer uma demonstração da utilização de seus produtos. São as famosas resenhas ou review de produtos.

Mas esse não é o único formato de vídeo que você pode criar. Veja, a seguir, outras possibilidades de atuação com conteúdos audiovisuais!

Quais tipos de vídeo existem?

Se você pensa em vídeos na internet e logo lembra de gameplayers ou de banheiras de Nutella, mas acha que não leva jeito para isso, temos uma boa notícia! O universo dos vídeos vai além do entretenimento.

Veja algumas das possibilidades:

  • Vídeos tutoriais: você tem alguma habilidade bem desenvolvida? Consertos domésticos, artesanato, edição de músicas — qualquer coisa pode virar tema de um vídeo tutorial;
  • Transmissão ao vivo: você é comunicativo e age bem em frente às câmeras? A transmissão ao vivo é uma forma de conversar diretamente com seu público para tirar suas dúvidas e objeções a respeito de seu produto, além de ser ótima para divulgar novidades;
  • Vlogs: funcionam como um blog pessoal, mas em vídeo. É dessa corrente que surgiu o conceito de digital influencers — personalidades que influenciam o público com opiniões e estilo;
  • Vídeos institucional: esta é uma forma de apresentar sua empresa para o mercado, destacando seus produtos ou serviços. O vídeo institucional pode ser direcionado tanto para o público que já conhece sua marca quanto para uma audiência completamente nova;
  • Vídeos animados: se você acredita que não consegue se sair bem em frente às câmeras, o motion pode ser uma alternativa. Nesse formato de conteúdo, você consegue passar suas ideias para o público de uma maneira didática e divertida, e pode utilizá-lo até mesmo para mostrar a utilização de algum produto, sem precisar ser o protagonista do vídeo;
  • Vídeo de vendas: este é o formato ideal para quem quer lançar um produto na internet e literalmente fazer uma venda depois que as pessoas o assistirem;
  • Vídeo 360º: esse formato inovador é perfeito para quem quer mostrar uma paisagem, um evento ou até mesmo para dar uma experiência diferente para sua audiência;
  • Educação: os cursos online são uma grande tendência da educação. Já pensou em transformar vidas profissionais e pessoais com seus conhecimentos em alguma área?

Esses são só alguns dos formatos de vídeos possíveis.

Para quem quer criar conteúdo audiovisual, a dica é partir de uma boa reflexão sobre seus objetivos e, a partir disso, pensar em outras ideias de vídeos que você pode criar.

E depois? É só colocar a mão na massa!

Pré-produção: começando a gravação com o pé direito

O resultado que você vê na tela quando acessa um vídeo dá poucas pistas do trabalho que há por trás da criação daquele conteúdo. Tudo começa bem antes de dar “play” na câmera.

Para uma produção de vídeos profissionais, você precisa:

  • Definir o tema sobre o qual você vai falar;
  • Escolher e montar seu cenário;
  • Ter uma câmera para gravar;
  • Preparar a iluminação;
  • Escolher um microfone para usar;
  • Identificar ferramentas que possam te ajudar a fazer vídeo;
  • Escrever um roteiro.

Falaremos de cada uma das etapas de pré-produção a partir de agora:

Sobre o que falar?

Antes de qualquer coisa, você precisa definir o tema sobre o qual vai falar.

Para isso, faça uma lista com os assuntos que você tem afinidade. Assim, será muito mais fácil na hora de fazer o vídeo.

Se você já tem um negócio, com certeza vai querer falar de algo que seja do seu mercado. Afinal, isso vai te ajudar a ser visto como uma referência em sua área de atuação.

Agora, se você ainda não sabe sobre o que falar, pesquise na internet para entender o que está em alta e estude bastante a respeito disso. Esse pode ser um bom começo caso você ainda não tenha um nicho definido.

Como escolher e montar seu cenário?

Depois de decidir qual é o nicho com o qual você vai trabalhar, um dos passos de pré-produção é pensar no cenário para os vídeos. Afinal, ele será parte importante do seu conteúdo.

A dica é buscar coerência com os objetivos do seu vídeo.

Se ele for educativo, por exemplo, algumas ideias são usar uma sala de aula ou um ambiente mais neutro, com elementos que lembrem os estudos.

Ah, lembre-se também de que, além de bonito, seu cenário deve ser confortável! Essa é uma das maiores preocupações.

Independentemente do local que você tem disponível ser grande ou pequeno, o que conta mais é o conforto, além da iluminação — sobre a qual falaremos já já.

Qual câmera utilizar?

A qualidade de imagem e de som é o que diferencia um vídeo amador de um profissional. Portanto, essa é uma prioridade se você quer fazer vídeos com o objetivo de ganhar dinheiro extra ou até mesmo de transformá-los em sua fonte de renda principal.

Em relação à imagem, a qualidade depende muito do equipamento utilizado para gravar o vídeo.

Pode ser a câmera do celular? Até pode, já que a maioria dos smartphones hoje em dia filma em full HD (alta definição).

No entanto, se você puder investir um pouquinho, vale a pena!

Veja alguns dos melhores tipos de câmeras para gravar vídeos:

  • Compactas: aquelas que costumávamos levar para viagens antes dos smartphones. São simples de operar e geralmente têm ajustes e controles automáticos, por isso, são ótimas pedidas para quem não “manja” muito e está começando;
  • Action cam (câmeras de ação): são um tipo de câmera que se parecem com a compacta, mas com a vantagem de que captam muito bem os movimentos. Então, são ideais para vídeos ao ar livre, caminhando, praticando esportes etc.;
  • Camcorders: as clássicas filmadoras também são muito utilizadas pelos youtubers. Contam com ótimos recursos, controles automáticos de foco e visor móvel, o que facilita o enquadramento. São boas para gravar palestras, principalmente porque a bateria aguenta bastante tempo;
  • DSLR ou mirrorless: são excelentes para vídeos educativos no formato videoaula, porque têm uma ótima captação de imagem, estabilidade e recursos que facilitam a edição posterior.

Algumas câmeras, principalmente as DSLR, precisam de lentes específicas para que você consiga gravar os vídeos.

Na hora de escolher uma lente, você deve considerar:

  • Abertura do diafragma: que diz respeito à passagem de luz na lente. Quanto menor o número na lente, maior a entrada de luz;
  • Distância focal: é a característica da lente relacionada à nitidez. Quanto maior a distância focal, maior a distância que você pode gravar;
  • Estabilizador de imagem (IS): recurso que ajuda a reduzir as trepidações enquanto você grava o vídeo;
  • Tipo: o modelo de cada lente. Entre os mais conhecidos estão: olho de peixe, zoom, foco fixo, grande angular, macro, teleobjetiva e por aí vai.

Se você ainda está em dúvida sobre qual é a melhor câmera para fazer vídeo, confira as dicas de um de nossos especialistas:

Como preparar a iluminação?

Bom, você já tem um cenário e uma boa câmera, certo? Mas para que a imagem tenha qualidade, um aspecto essencial é a iluminação para os vídeos.

E isso vale mesmo para ambientes que já têm uma boa claridade. Sem pontos de luz direcionados, o foco da câmera pode ficar confuso.

Portanto, é bom ter luminárias posicionadas estrategicamente — uma na frente de quem vai ser gravado, uma disposta lateralmente e uma acima da cabeça e da câmera.

Anote aí algumas dicas de equipamentos que você pode utilizar:

  • Softbox: gera uma luz difusa e que pode ser direcionada para diminuir sombras e ressaltar elementos;
  • Sun gun: sem fio para tomada, é ideal para gravar vídeos em ambientes externos e dar preenchimento de luz;
  • Painel de led: parecido com uma luminária, o painel de LED ajuda a trazer luminosidade e a direcionar a claridade;
  • Ring light: em formato circular, o ring light pode ser acoplado em câmeras e melhora a qualidade de imagem principalmente quando o foco é um rosto próximo;
  • Luzes de fundo: são fundamentais para quem vai fazer vídeo em um estúdio, já que elas servirão para dar contraste entre a pessoa que está apresentando o vídeo e o plano de fundo;
  • Luz natural: se você for gravar cenas externas, escolha sempre utilizar a luz natural. Porém, para que seu vídeo fique bom, esteja sempre atento ao horário da gravação para que a iluminação não mude muito de uma cena para a outra. Além disso, nunca grave de costas para janelas, para que a lente da câmera não precise compensar o excesso de luz.

Uma dica extra é: na hora de criar a iluminação para fazer um bom vídeo, escolha lâmpadas entre 5000 e 5500 kelvin.

Esse tipo de lâmpada gera uma luz branca, o que vai te ajudar na hora de editar seu conteúdo.

Como escolher o melhor microfone?

O áudio, junto com o conteúdo, é o principal protagonista dos vídeos.

Isso porque uma pessoa pode até assistir a um vídeo com imagem ruim, mas quando o áudio está com baixa qualidade, é muito difícil terminar de ver todo o conteúdo, o que automaticamente diminui a taxa de retenção dos seus vídeos.

Além disso, assim como a qualidade de imagem, o áudio garante o efeito profissional da sua produção. Por isso, conheça dois tipos de microfones para vídeos:

  • Microfone condensador: muito sensível, esse microfone é excelente para captação da voz com nitidez. No entanto, justamente por esse desempenho, ele pode dar trabalho em locais sem isolamento acústico e com interferências sonoras. É mais indicado para quem tem um estúdio de gravação caseiro ou profissional;
  • Microfone dinâmico: não tem tanta sensibilidade para ruídos mais distantes. Ele direciona o foco para a fonte de emissão de som mais próxima e relevante. Então, é o mais indicado para gravações externas, principalmente em ambientes barulhentos.

Também é importante conhecer os formatos de gravadores de voz, porque eles interferem no direcionamento do foco. Veja:

  • Lapela: é aquele que vai fixado na camisa de quem apresenta o vídeo. Dinâmico, capta bem a voz do interlocutor mais próximo e tem pouca interferência de ruídos distantes;
  • Shotgun: esse aparece bastante na TV. É aquele microfone em formato de tubo que fica suspenso com o auxílio de um suporte móvel. Tem boa obtenção de áudio e pode ser redirecionado para mudar o foco;
  • Microfone de mão: usado por cantores e apresentadores, capta bem o som da fonte emissora mais próxima, com pouca sensibilidade para ruídos distantes. No entanto, como precisa de um suporte fixo ou do apoio das mãos, pode não ser interessante para videoaulas, por exemplo.

Por último, os microfones também são classificados de acordo com o padrão de captação de áudio:

  • Cardioides (em formato de coração): captam os sons da frente com precisão, com alguma interferência dos ruídos das bordas;
  • Unidirecionais: excelente sensibilidade para os sons da frente, com pouca captação dos ruídos laterais;
  • Bidirecionais: ótimo desempenho para captar os sons da frente e de trás, com pouca sensibilidade para os ruídos dos lados;
  • Omnidirecionais: captam os sons de todas as direções com muita precisão.

Quais aplicativos podem ajudar você a gravar?

Sabia que existem aplicativos para gravar vídeos?

Eles facilitam todo o processo de ajustes técnicos e são especialmente úteis para publicar conteúdos de forma rápida, sem tanta edição na pós-produção.

Então, se você ainda não fez nenhum vídeo porque tem medo de não conseguir editá-lo, os aplicativos para gravar são uma ótima opção.

E por que estamos falando deles na pré-produção?

Porque caso essa seja sua escolha, você já tem que escolher qual irá utilizar antes mesmo de começar a gravar seu vídeo.

Veja algumas sugestões:

  • Adobe Premiere Clip: em versão mobile e desktop, esse app é voltado para a edição de imagem e a adição de efeitos especiais;
  • iMovie: se você vai gravar um vídeo usando um smartphone Apple, nada melhor do que o iMovie, que permite ajustes interessantes e traz recursos de edição bastante completos;
  • VideoShow: gravou o vídeo e quer fazer inserções de textos e figuras com o smartphone? O VideoShow é um excelente recurso para edições rápidas no seu projeto;
  • Lapse It: esse é interessante para divulgação, pois permite resumir vídeos longos em poucos segundos. Assim, você consegue publicar teasers do seu conteúdo nas redes sociais;
  • FxGuru: para os amantes de efeitos especiais, o FxGuru é uma boa opção. Com ele, você consegue inserir muitos elementos na pós-produção, como explosões, desenhos animados e por aí vai.

Como escrever um roteiro?

Agora, você já tem os principais equipamentos, mas ainda falta um recurso essencial: o roteiro de vídeo.

Todo conteúdo deve ser planejado para ficar 100%.

Até mesmo os vídeos aparentemente espontâneos, como um streaming, não são nada acidentais. Mesmo que você fale de um assunto que já domina, precisa, pelo menos, ter uma ideia do começo, do meio e do fim do conteúdo.

No caso dos materiais educativos e dos tutoriais, esse trabalho deve ser um pouquinho mais detalhado, afinal, você não quer ensinar nada errado para sua audiência, não é mesmo?

Para esse tipo de vídeo, você pode até mesmo deixar as falas prontas!

Isso é útil porque, no momento da gravação, você pode se esquecer de algum tópico importante ou ficar com a linha de raciocínio prejudicada sem um passo a passo para seguir.

E mesmo que você não leia todas as frases que colocou em seu roteiro, ele será fundamental na hora que você estiver gravando o vídeo, para te ajudar a dar linearidade às ideias, além de evitar que algum detalhe passe batido.

No entanto, tome cuidado para não perder a naturalidade!

O ideal é que o roteiro sirva apenas como um guia, mas um discurso decorado pode ficar um pouco monótono e fazer com que o público perca o interesse.

Produção: luz, câmera, ação!

Você deve estar pensando que toda a pré-produção dá muito trabalho, não é mesmo?

No início, pode ser que você tenha que se dedicar um pouco mais para preparar tudo antes de fazer vídeo sim. Mas, com o tempo, você já terá tudo pronto, como cenário, câmera, microfone e iluminação, e precisará se preocupar apenas com o roteiro.

De qualquer forma, é muito importante definir tudo antes, porque isso te ajudará a não ter retrabalho na hora de editar seu vídeo ou até mesmo enquanto você estiver gravando.

Agora, com tudo planejado e montado, é hora da gravação!

Veja as dicas principais para essa etapa.

Não tenho um estúdio de gravação, e agora?

Na pré-produção, nós falamos sobre a importância de ter um cenário para fazer vídeo.

Se você não tem um estúdio de gravação, isso pode ter te assustado um pouco, não é mesmo? Mas não deixe isso te desanimar.

Sabia que é possível montar um estúdio de gravação de vídeos em sua própria casa?

Os principais motivos para você fazer isso são:

  • Dar consistência à aparência de seus vídeos, o que facilitará no reconhecimento de seus conteúdos na internet;
  • Praticidade para gravar sempre que você quiser, já que tudo estará pronto;
  • Possibilidade de criar um cenário que seja a cara de seu negócio;
  • Custo mais baixo se comparado com o aluguel de um estúdio profissional;
  • Consistência no áudio de todos seus vídeos;
  • Possibilidade de produzir vários vídeos em um mesmo dia.

Na hora de montar seu estúdio de gravação, procure um cômodo em sua casa que possa ser separado para essa causa. Isso porque, assim, você pode deixar o estúdio sempre montado, com cenário, microfone, câmera, iluminação e vários outros detalhes já posicionados nesse cômodo.

O principal do estúdio é se preocupar bastante com o som.

Lembre-se de escolher um lugar longe de janelas para evitar os ruídos externos e, se possível, invista no isolamento acústico. Isso pode ser feito colocando carpetes ou tapetes, pendurando alguns cobertores grossos atrás da câmera ou até mesmo colocando um sofá em seu cenário com algumas almofadas.

Como usar o chroma key?

Muitas pessoas não gravam vídeos por acharem que é necessário ter um cenário.

É claro que isso ajuda, principalmente na hora de contar uma história e ambientar sua audiência. Porém, a falta de cenário não pode ser um impedimento para fazer vídeo.

Já ouviu falar em chroma key?

O fundo verde é famoso por ser muito utilizado em grandes produções audiovisuais.

Ele é um recurso especialmente útil para inserir cenários ou figuras que seriam difíceis de ser gravadas de verdade, ou então que facilitarão o entendimento do objetivo do vídeo.

Funciona assim:

Como todos os pixels da imagem de fundo são da mesma cor, é mais fácil “recortar” a imagem da pessoa que está sendo gravada em frente à tela verde (que também pode ser azul, rosa…o importante é que seja de uma cor diferente da roupa da pessoa que estará no vídeo).

Assim, você pode remover o fundo na edição e inserir outra imagem qualquer atrás da figura humana.

A parte mais complicada na hora de usar o chroma key é prepará-lo para a gravação. Para isso, você precisa tomar alguns cuidados, como:

  • Iluminar uniformemente a sua tela colorida, já que o brilho interfere na cor captada pela câmera;
  • Manter a pessoa que estará no vídeo o mais distante possível do chroma key, para que as luzes que você utilizar na tela não rebatem no apresentador;
  • Deixar o pano o mais esticado possível para que a cor fique consistente;
  • Garantir que o chroma key esteja sempre atrás de quem apresenta o vídeo;
  • Ter um conjunto de luzes diferentes para iluminar a pessoa que está apresentando o vídeo.

Se você nunca gravou usando um chroma key, teste antes de fazer um vídeo inteiro.

Grave pequenos vídeos e tente editá-los. Aos poucos, você ficará mais familiarizado com esse tipo de edição e pode até mesmo fazer vídeos completos sem precisar de cenários muito diferentes.

Qual plano de câmera escolher?

Na hora de soltar o play, tenha uma atenção especial aos planos de câmera, que nada mais são do que a relação entre o foco do vídeo (você, por exemplo) e o ambiente, em termos de direção, distância, tamanho etc.

Parece um simples detalhe, mas o plano de câmera faz muita diferença no estabelecimento de uma conexão com o público.

Também é a partir dessa relação com o ambiente que você influencia certas respostas inconscientes. Veja:

  • Plano aberto (very long shot): mais descritivo, mostra uma visão panorâmica do cenário e ajuda a ambientar o espectador;
  • Plano médio (long shot): traz o personagem (ou o apresentador) mais próximo, mas ainda com bastante foco no ambiente;
  • Plano americano (medium shot): já tem o personagem como principal elemento, mostrando-o dos joelhos para cima. Por isso, trabalha mais com expressões do que com descrições;
  • Primeiro plano (close-up): com o personagem sendo mostrado dos ombros para cima, o foco fica no rosto, portanto, serve para dar ênfase nos sentimentos ou na conexão pessoal;
  • Primeiríssimo plano (big close-up): é bem parecido com o primeiro plano, porém, o big close-up fecha tanto que você quase não vê nada do ambiente;
  • Plano detalhe (extra big close-up): esse é mais um plano de câmera fechado no qual o público não consegue ver o ambiente. O objetivo aqui é dar foco a algum objeto bem pequeno para criar uma sensação de mistério e, depois, surpresa quando enquadramento ficar mais amplo;
  • Plano sequência (long take): se você quer uma cena com dinamicidade e que dê a ideia de continuidade, o long take é perfeito. A ideia aqui é fazer uma tomada inteira sem cortes.
  • Plano inicial ou de passagem: o objetivo do plano de passagem é situar o público quando há mudança de localização na narrativa, ou seja, troca de ambientes.

O que você deve ter percebido é que há várias opções de planos de câmera e você pode brincar com todas elas para criar uma narrativa interessante para seu público.

O principal é entender que:

  1. Planos mais fechados são sempre expressivos e dramáticos, afinal, quanto mais próximo, mais nítido fica a captação dos sentimentos que devem ser transmitidos ao público;
  2. Planos mais abertos são descritivos e perfeitos para ambientar o espectador na história que você está contando.

Com isso em mente, você já conseguirá variar na hora que for fazer seu vídeo.

Como ter uma boa oratória em seus vídeos?

De nada adianta ter tudo preparado se a pessoa que vai apresentar o vídeo não conseguir passar o conteúdo com muita clareza. Por isso, é fundamental não apenas escrever o roteiro do vídeo, mas saber como falar em frente às câmeras.

Por isso, temos que falar sobre oratória, a arte de falar bem. E não estamos falando só de não gaguejar e evitar vícios de linguagem, mas também de realmente envolver o público por meio do seu discurso.

O que ajuda muito a ter uma boa oratória é preparar o roteiro e ensaiá-lo antes de gravar. Para isso, você pode repassar as falar com alguém ou até mesmo treinar na frente do espelho.

Além disso, quanto mais você dominar o assunto que vai explicar, mais fácil será expô-lo de forma eficaz e clara.

Então, é bacana apostar em áreas nas quais você já tem conhecimento ou estudar bastante o assunto do vídeo antes da gravação.

Outra dica é aprender um pouco sobre storytelling. Já ouviu falar nisso, certo?

Usar histórias para transmitir seu conteúdo é interessante para criar conexões com o público, além de dar linearidade ao tema exposto, o que pode te ajudar na hora de gravar.

É possível fazer call to action em vídeos?

Sabe quando você lê um post na internet e ele termina com um “siga nossas redes sociais”?

Esse é um call to action (CTA). Significa literalmente “chamado para ação”, ou seja, você induz quem está lendo a realizar alguma ação específica, como clicar, curtir ou comentar, de modo a criar engajamento.

Quando estiver gravando seus vídeos, lembre-se que você quer que seu público continue consumindo seus conteúdos. Por isso, é importante pensar em um call to action para o vídeo também.

Com ele, você consegue levar o público a:

  • ver outros vídeos;
  • curtir e compartilhar o conteúdo;
  • inscrever-se no canal;
  • matricular-se em seu curso.

Basta solicitar essa ação durante o vídeo.

Não existe um momento ideal para isso.

Geralmente, o CTA vem no final. Isso porque, depois de ter consumido o conteúdo de valor, o espectador se sentirá mais motivado a continuar vendo seu trabalho.

Mas você pode testar em outros lugares para ver se dá mais resultados.

O início dos vídeos pode ser um momento interessante para pedir às pessoas para curtir e compartilhar seu conteúdo, por exemplo.

Porém, tudo vai depender de seu público, por isso, varie e faça testes.

Essa prática pode aumentar as conversões no seu projeto. Então, não deixe o CTA de fora de seus conteúdos.

Pós-produção: a cereja do bolo

Pronto: já preparamos tudo e já gravamos o conteúdo. Acabou? Não!

A cereja do bolo da produção de vídeos vem depois de terminar a gravação.

É na etapa dos acabamentos que seu conteúdo ganhará um aspecto realmente profissional.

Como editar seu vídeo?

Não se engane: a edição do vídeo é absolutamente necessária. Sempre há alguma ponta para aparar.

Além disso, é nessa hora que você pode inserir elementos para trazer ainda mais valor ao material, como legendas, vinhetas e outros efeitos especiais.

Veja algumas tarefas importantes da pós-produção:

  • Ajustes de imagem: melhorar a nitidez, acertar a exposição, melhorar o enquadramento, corrigir cores, contraste e brilho etc.;
  • Cortes de cenas: reduzir pausas longas, reposicionar cenas, eliminar erros de gravação;
  • Ajustes de áudio: melhorar a nitidez da voz, amenizar ruídos, ajustar volumes;
  • Transições: adicionar vinhetas e deixar a mudança de cenas mais natural;
  • Efeitos: inserir legendas, thumbnails, elementos digitais e o que mais for interessante.

Nós sabemos que muitas pessoas que querem fazer vídeo têm um pouco de medo da etapa de pós-produção por não terem habilidade com edição.

Há sempre a opção de contratar alguém para te ajudar com isso. Mas, se você quer se aventurar, saiba que é possível aprender a editar vídeos até mesmo sozinho.

Há vários tutoriais online que ensinam o passo a passo para editar vídeos. A Stefânia, uma de nossas videomakers, mostra neste vídeo como deixar seu conteúdo mais profissional. Dá só uma olhada:

Assim como toda habilidade nova, quanto mais você praticar, mais fácil será para editar seus vídeos.

Escolha um bom programa de edição e mão à obra!

Onde encontrar músicas sem direitos autorais?

Nós já falamos sobre a edição dos vídeo e é exatamente neste momento que você pode acrescentar algumas músicas para deixar seu conteúdo mais profissional.

Os efeitos sonoros são aqueles elementos que a gente muitas vezes nem percebe que estão no vídeo, mas cuja ausência com certeza é notada.

Além disso, a sonoplastia ajuda a alcançar o objetivo do vídeo, como divertir, contar histórias ou ensinar.

No entanto, usar trilha sonora em vídeos nem sempre é uma tarefa fácil, já que os direitos autorais existem e precisam ser levados a sério.

Para não marcar bobeira, veja alguns sites com efeitos sonoros livres para reprodução:

Uma dica importante quando você estiver escolhendo a trilha sonora para compor seus vídeos é selecionar uma música que não se destaque mais do que o restante do conteúdo.

Músicas que tenham alguém cantando podem gerar uma confusão, principalmente se estiverem tocando enquanto o apresentador de seu vídeo fala.

Além disso, a trilha sonora nunca pode estar mais alta do que a fala. Então, escolha com atenção a música para compor seu conteúdo.

Divulgação: como ganhar dinheiro com vídeos

Chegamos à parte final do nosso guia com um dos aspectos mais importantes da produção de vídeos: a divulgação.

Afinal, todo esse trabalho até aqui não pode ter sido em vão, não é? Temos que fazer o material alcançar o público.

Como criar uma thumbnail chamativa?

Em primeiro lugar, você se lembra de que, na etapa de edição, falamos sobre a thumbnail? Ela é aquela miniatura que fica no player antes de clicar no vídeo.

Para ser chamativa, ela precisa contextualizar bem o conteúdo de modo que, a partir dessa “pista” do que será abordado, o espectador realmente sinta vontade de assistir ao vídeo.

Uma dica importante é que as thumbnails sigam a identidade visual do seu canal ou curso. Elas podem apresentar cores semelhantes, a mesma posição do título e um padrão no estilo dos vídeos.

No canal do YouTube da Hotmart, temos uma série de vídeos conhecida como Hotmart Tips. Veja como nossas thumbnails seguem uma identidade visual bem definida:

Fazer vídeo: exemplo com 3 thumbnails que têm a mesma identidade visual no canal do youtube da Hotmart

Com isso, todas as vezes que o público entrar em nosso canal e ver uma thumbnail com fundo azul e título alaranjado, ele entenderá que se trata de mais um conteúdo da série Hotmart Tips.

Como aumentar sua taxa de retenção?

O primeiro passo para que seu material tenha uma boa aceitação e, com isso, uma boa taxa de retenção, é ter qualidade!

Nesse mar de informações que é a internet, somente um conteúdo bem-feito do início ao fim se destacará.

Além disso, vale a pena estar por dentro de conceitos como público-alvo, alcance orgânico e SEO para vídeos.

Por fim, é essencial acompanhar métricas para aumentar a taxa de retenção continuamente. Com indicadores, você pode fazer ajustes na sua produção para agradar cada vez mais.

São aspectos importantes:

  • quem está te assistindo;
  • quais conteúdos fazem mais sucesso;
  • quais vídeos não chamam tanta atenção;
  • quais materiais despertam mais engajamento (curtidas, comentários e compartilhamentos).

Como fazer vídeo marketing?

Que tal fazer a divulgação dos seus vídeos com…vídeos? É isso mesmo!

O vídeo marketing é uma grande tendência do marketing digital e traz ótimos resultados.

A ideia é fazer pequenos conteúdos promocionais que estimulem o público a conhecer seu canal ou curso.

Algumas ideias são:

  • pequenos vídeos em redes sociais;
  • anúncios true view (anúncios-padrão que aparecem em meio aos vídeos relacionados);
  • bumpers (aqueles breves comerciais antes dos vídeos do YouTube);
  • Stories no Instagram e no Facebook etc.

Além disso, os webinars (vídeos transmitidos ao vivo) são uma das maiores tendências do vídeo marketing.

Como fazer SEO para YouTube?

Dá para usar estratégias de SEO no YouTube?

Se você se lembra bem, logo no início deste texto nós já demos o spoiler de que o SEO é importante para vídeos no YouTube também!

Para quem ainda não não conhece, as técnicas de Search Engine Optimization (otimização de páginas para os mecanismos de busca) servem para mostrar aos buscadores — como o Google — que o seu conteúdo merece estar entre os primeiros resultados.

Assim, quando alguém buscar uma palavra-chave no navegador, seu material será uma das primeiras indicações para clicar.

Veja algumas boas práticas para melhorar o ranqueamento dos seus vídeos:

  • Use palavras-chave com bom volume de busca e aplique-as no título do vídeo, nas tags e nos posts de divulgação;
  • Faça uma descrição otimizada para SEO, com cerca de 250 palavras, 3 ou 4 ocorrências da palavra-chave e links das suas redes sociais;
  • Faça uma thumbnail chamativa;
  • Coloque legendas nos vídeos;
  • Insira cards (aqueles ícones que aparecem no canto superior direito da tela), que podem ser usados para o CTA.

Como usar as redes sociais para divulgar vídeos?

Por fim, uma boa maneira de divulgar vídeos é utilizando suas redes sociais.

Se você tem uma página profissional no Facebook e no Instagram, não deixe de mostrar para o público que te acompanha nestas redes que você tem um conteúdo novo.

Coloque em seu feed, avise sobre o vídeo durante uma transmissão ao vivo, publique a novidade nos Stories.

Além de levar mais tráfego para seu canal, você mostrará para sua audiência que se preocupa com eles e que, por isso, está sempre criando novas maneiras de ajudá-los com formatos de conteúdos diferentes.

E não pense que só é possível divulgar seus vídeos nas redes sociais!

Você pode também utilizá-los em seu blog (como fizemos aqui mesmo neste post), enviar na newsletter ou até mesmo enviar um e-mail exclusivo apenas para isso.

O importante é que seu público saiba que você fez um novo vídeo!

Hora de partir para a ação!

Depois desta leitura, você viu que fazer vídeo não é tão simples quando o objetivo é produzir um conteúdo de qualidade.

No entanto, é um esforço que vale a pena e que com certeza dá para fazer, mesmo que você não seja um videomaker profissional.

Você já deve ter percebido que conteúdos audiovisuais não são apenas uma tendência, mas sim uma realidade principalmente na internet.

Como nós mostramos aqui, há vários tipos de vídeos e cada um deles tem um propósito específico.

Para quem já tem um negócio, os vídeos educativos são muito interessantes porque ajudam a criar uma proximidade com seu público, já que você pode ensiná-lo algo que ele precisa aprender, além de ser uma ótima forma de ser reconhecido como uma autoridade em seu mercado.

Agora, mesmo que você não tenha um negócio ainda, os vídeos educativos podem também ser muito interessantes.

Além de te ajudarem a criar uma audiência, eles podem ser mais do que conteúdos gratuitos, já que é possível até mesmo trabalhar com esse formato de material na internet.

Para entender mais sobre essa oportunidade, fique por dentro do mercado de educação a distância e veja como essa é uma excelente chance de colocar este guia de criação de vídeos em prática!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.