Sparkle app icon

Sparkle App
Participe da comunidade exclusiva do nosso blog!
Grátis -

VER

15 figuras de linguagem para usar em seus textos

15 figuras de linguagem para usar em seus textos

Você sabe o que são figuras de linguagem? Confira as 15 principais!

Você se lembra das aulas de Português do ensino médio?

Provavelmente, um dos conteúdos mais odiados pelos alunos eram as figuras de linguagem. Como nomes esquisitos e regras até bastante complexas, elas servem para criar novos significados para expressões, trabalhando com o sentido conotativo.

Se alguma vez termos como metáfora, metonímia, prosopopeia ou anáfora te aterrorizavam, chegou a hora de mudar de pensamento. As figuras de linguagem de linguagem podem ser ferramentas muito poderosas na hora de engajar o público e criar copys perfeitas.

Neste artigo, listamos as 15 principais figuras de linguagem do português para você conhecer e começar a aplicar agora mesmo quando for produzir textos.

Então, lápis na mão para não perder nenhum detalhe!

Índice
  1. Metáfora
  2. Anáfora
  3. Hipérbole
  4. Ambiguidade ou Anfibologia
  5. Comparação ou Símile
  6. Analogia
  7. Eufemismo
  8. Alegoria
  9. Simbologia
  10. Silepse
  11. Inversão ou Hipérbato
  12. Paradoxo
  13. Antítese
  14. Alusão
  15. Personificação ou Prosopopeia

1. Metáfora

A metáfora é uma das figuras de linguagem mais famosas e utilizadas da Língua Portuguesa. Provavelmente você a utiliza diversas vezes em seu dia a dia, até mesmo sem perceber.

A metáfora é uma espécie de comparação ilícita, ou seja, sem o termo comparativo (“como” ou “tal qual”). Nesse caso, usamos uma palavra ou expressão em lugar de outra, sem que haja uma relação real.

Difícil de entender? Calma, vamos ver um exemplo:

A madrasta tinha um coração de pedra.

Ao ler a frase acima, dificilmente você vai pensar que o coração da madrasta é, literalmente, feito de pedra. Em vez disso, você entende que ela é insensível. Nesse caso, procurou-se comparar o coração a uma pedra para expressar o quanto ele é duro.

Vejamos mais um exemplo:

“Janaína é uma flor.”

Obviamente, Janaína não é uma planta. Ao ler essa frase, subentende-se que a garota é meiga, bonita e delicada. Nesse caso, a palavra flor foi utilizada para ressaltar as características físicas de Janaína.

Se você produz algum tipo de conteúdo online, como blogposts, vídeos ou publicações nas redes sociais, pode incluir metáforas para validar seus argumentos e enriquecer o conteúdo.

Ao abordar algum assunto mais difícil de entender, como novas tecnologias, por exemplo, uma metáfora pode ajudar sua audiência a compreender os conceitos que você quer passar e facilitar o engajamento.

2. Anáfora

Embora o nome seja parecido, a anáfora não tem nada a ver com metáfora. Essa figura de linguagem consiste na repetição de uma ou mais palavras no início de frases ou versos. Esse recurso de estilo é muito usado em letras de músicas e poemas.

No exemplo abaixo, veja como o autor inicia os versos com a conjunção condicional “se”:

Se você gritasse,

se você gemesse,

se você tocasse

a valsa vienense,

se você dormisse,

se você cansasse,

se você morresse…

Mas você não morre,

você é duro, José!

E agora, José? – Carlos Drummond de Andrade

Em um texto focado em vendas, por exemplo, a anáfora pode ser utilizada para dar uma ênfase a alguma ação ou característica.

3. Hipérbole

Quem trabalha com vendas sabe que é importante causar impacto e chamar a atenção do consumidor. E uma das melhores figuras de linguagem para isso é a hipérbole.

Quer ver um exemplo que todo mundo usa sem perceber?

Estou morrendo de fome.

Quando falamos isso, não queremos dizer que estamos morrendo de verdade. Nossa intenção é apenas enfatizar nossa necessidade em beber alguma coisa.

Ao criar textos para web – ou qualquer outro conteúdo, na verdade – inclua algumas hipérboles. Elas ajudam a convencer a audiência e transmitir seu discurso com mais facilidade.

4. Ambiguidade ou Anfibologia

A ambiguidade, também chamada de anfibologia, ocorre quando há duplicidade de sentido em palavras ou expressões.

Por exemplo:

Carlos disse a Antônio que sua mãe havia chegado.

A oração acima não deixa claro quem chegou. Foi a mãe de Carlos ou a mãe de João? Percebeu como existe um duplo sentido e as duas interpretações podem estar corretas?

De maneira geral, a ambiguidade é considerada um vício e, portanto, deve ser evitada. A menos que você queria usar o duplo sentido para chamar a atenção da audiência. Só tome cuidado para não confundi-la.

5. Comparação ou Símile

A símile é, assim como a metáfora, uma figura de linguagem de comparação, porém realizada de maneira explícita.

Se na metáfora o termo comparativo era omitido, na símile ele está presente de maneira visível. Isso garante que a comparação não seja subjetiva, mas real e objetiva.

Confira um exemplo:

Seus olhos eram brilhantes como esmeraldas.

Ao produzir conteúdos para a web, fazer comparações ajudam a ressaltar argumentos e mostrar a similaridade (daí vem o nome símile) entre elementos com mais clareza.

6. Analogia

A analogia é mais um exemplo de figura de linguagem utilizada para comparar um ou mais elementos, assim como a metáfora e a símile.

Nesse caso em particular, essa comparação é mais direta e ocorre entre dois ou mais elementos que apresentam alguma característica comum.

Para ficar fácil de entender, confira o exemplo abaixo:

Assim como uma planta precisa ser regada e adubada com frequência para crescer forte e saudável, o ser humano precisa se alimentar bem e beber pelo menos 2 litros de água todos os dias.

Para ressaltar a importância da boa hidratação e alimentação na vida do ser humano, fizemos uma comparação com a necessidade da planta por água e nutrientes.

Ao produzir algum tipo de conteúdo, uma analogia pode ajudar a simplificar o assunto abordado, ajudando o público a entender seu texto mais facilmente.

7. Eufemismo

Outra das figuras de linguagem mais utilizadas é o eufemismo. Esse recurso consiste em dar um tom mais leve a uma expressão. Ou seja, é o extremo oposto da hipérbole. Nesse caso, o significado permanece, mas a frase se torna menos negativa e direta.

Confira um exemplo:

Meu avô descansou em paz.

Bastante utilizado, esse eufemismo relaciona o ato de dormir sem nenhum tipo de incômodo com a morte. É um tipo de eufemismo bastante utilizado em nosso dia a dia para amenizar o falecimento.

8. Alegoria

A alegoria é uma figura de linguagem utilizada quando queremos transmitir um sentido que vai além do sentido literal das palavras, entrando no campo simbólico e conotativo.

Calma, vamos ver um exemplo para deixar esse conceito mais claro:

O amor é como uma grande montanha-russa, com muitos altos e baixos: em um momento, estamos subindo em alta velocidade para, em seguida, descermos uma ladeira de maneira vertiginosa.

Na oração acima, o autor usou as características de uma montanha-russa para descrever os altos e baixos do amor.

9. Simbologia

Essa talvez seja uma das figuras de linguagem mais simples de todas. A simbologia consiste no uso de símbolos para indicar alguma coisa.

Um exemplo é usar a figura de uma pomba ou uma bandeira branca para representar a paz.

10. Silepse

A silepse é uma figura de linguagem um pouco mais complexa que as que vimos anteriormente. Ela acontece quando concordamos com uma ideia, e não com uma palavra. Ou seja, essa concordância é feita com um elemento implícito, e não gramaticalmente.

São Paulo é cheia de surpresas.

O exemplo acima pode parecer gramaticalmente incorreto, já que São Paulo é um substantivo masculino. Entretanto, a concordância é feita com a ideia de “a cidade de São Paulo”. Logo, por concordar com “a cidade” a palavra “cheia’ é usada no feminino.

11. Inversão ou Hipérbato

Nas aulas de gramática, aprendemos que a ordem direta de uma oração é sujeito-verbo-objetivo-complemento. No hipérbato, essa ordem é invertida para dar destaque a algum termo.

Um exemplo bastante famoso é o Hino Nacional:

Ouviram do Ipiranga às margens plácidas, de um povo heroico o brado retumbante…

– Hino Nacional, Joaquim Osório Duque Estrada

É possível notar que houve uma troca da ordem de alguns elementos da oração. A ordem lógica seria “Ouviram o brado retumbante de um povo heroico, às margens plácidas do Ipiranga”.

12. Paradoxo

Com certeza você já ouviu falar – ou até mesmo usou – essa figura de linguagem. O paradoxo consiste em transmitir sentidos opostos em uma mesma oração.

Embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

– Luis Fernando Veríssimo

No exemplo acima, os conceitos de “vida” e “morte”, noções que se excluem mutuamente, se chocam. Embora não exista quase vida ou quase morte, o autor quis abordar a vida que não é vivida em sua plenitude.

13. Antítese

A antítese consiste no uso de palavras com sentidos opostos e serve para fortalecer o discurso e reforçar um ponto de vista.

João e Maria tinham uma relação de amor e ódio.

“Amor’ e “ódio”, como sabemos, são conceitos completamente opostos um ao outro. Na oração de exemplo, os dois termos ilustram como a relação de João e Maria era repleta de altos e baixos, com momentos de união e brigas.

14. Alusão

A alusão é um recurso de estilo de linguagem utilizado para relacionar uma ideia a outra – de maneira explícita ou implícita. Essa figura de linguagem ajuda o leitor a entender a ideia que desejamos passar.

Não entendeu? Então confira o exemplo abaixo:

Nosso amor era como o de Romeu e Julieta.

A citação aos personagens do famoso romance de William Shakespeare serve para explicar o tamanho da paixão que as duas pessoas sentem, que supera qualquer barreira.

15. Personificação ou Prosopopeia

Por fim, a última das figuras de linguagem de nossa lista é a personificação, ou prosopopeia. Embora o nome seja estranho, ela é bem simples de entender.

Personificar consiste em atribuir características, sensações e qualidades humanas a objetos inanimados e irracionais.

Quer um exemplo?

A manhã acordou feliz.

Sabemos que a manhã não acorda. Entretanto, ao lermos que a manhã “acordou feliz”, entendemos que tudo correu bem.

Embora pareçam complicadas, as figuras de linguagem servem para nos ajudar a escrever melhor e expressar nossos objetivos de maneira mais criativa. Com elas, você será capaz de surpreender seu leitor, fazendo-o rir ou refletir sobre alguma coisa.

Quer mais dicas para escrever textos de sucesso focados em vendas? Então não deixe de ler nosso guia prático sobre copywriting.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.