Facebook Pixel

Como criar cursos online em vídeo

Como criar cursos online em vídeo

Compilamos todo o processo para criar cursos online em vídeo. Se você tem vontade de trabalhar na internet, este conteúdo é para você.

Criar cursos online em formato de videoaulas é uma das melhores formas de transmitir conteúdo rico e educativo de maneira clara. Os vídeos permitem uma riqueza de detalhes que os ebooks e audiobooks não possuem pela limitação do próprio formato.

Vídeos são ideais para assuntos mais densos, que precisam de explicação detalhada, mas também podem se adequar a assuntos mais simples. Essa versatilidade abre as portas para explorar o conteúdo até onde a criatividade lhe permitir.

Se você pensa em produzir um curso com muita qualidade, neste material, você aprenderá como criar conteúdos audiovisuais e lançá-los na internet!

Acompanhe nosso tutorial super completo e comece hoje mesmo a produzir seu curso online!

1. Pré-produção
Características do projeto
Escolha do nicho
Definição do cliente ideal
Formato do curso
Estrutura do curso

2. Produção
Roteiro
Escolha da câmera
Escolha do microfone
Montagem do estúdio/cenário
Como ter uma boa performance frente às câmeras
Como editar vídeos

3. Pós-produção
Como hospedar suas videoaulas
Como divulgar e vender seu curso
– Página de vendas
– E-mail marketing
– Redes sociais
– Blog
– Programa de afiliados
– Publicidade paga

Pré-produção

Características do seu projeto

Este tópico é o momento que você definirá quando iniciará e finalizará seu curso online. Aprenda, desde já, a trabalhar com prazos e metas que sejam possíveis de serem executados. Escreva, em um documento no computador ou em um caderno, a data de início do projeto e a data final. Esse será o prazo para concluir toda a produção do seu curso.

Data de início: 15 de julho de 2017
Data de conclusão: 31 de agosto de 2017

Defina também qual será o custo de produção do seu curso. Esse passo é fundamental para você se planejar em relação aos gastos que terá durante o projeto e para não ter surpresas desagradáveis.

Sempre gostamos de lembrar que um curso online é um modelo de negócio com custo de produção muito reduzido. Você pode criá-lo por conta própria, com o auxílio de materiais que, muitas vezes, você já tem. Neste guia, você vai encontrar recursos gratuitos ou mais baratos que irão baratear a criação do seu material.

De qualquer maneira, anote todos os possíveis gastos que você terá, considerando que, ao final, seu curso não perderá em qualidade!

Escolha do nicho

A escolha do nicho sempre será o primeiro passo que guiará toda sua estratégia de vendas. O nicho de mercado nada mais é do que o segmento de mercado no qual você atuará. Esse segmento tem suas particularidades e é com foco nelas que você trabalhará.

Produtos para bebê, moda fitness e decoração para festa de casamento são exemplos de nichos.

Se você já tem um nicho bem definido, ótimo. Se ainda não tem, deverá passar por alguns passos antes de fazer sua escolha. São eles:

1. Analisar as possibilidades
2. Avaliar oferta x procura

3. Entender as tendências
4. Analisar a concorrência
5. Escolher o seu nicho e o tema do seu curso

Vamos passar por cada um deles.

1. Analisar as possibilidades: se você ainda não sabe o que produzir, você tem algumas opções para começar a pensar no assunto:

  • Observe ao seu redor e busque identificar algo em comum que as pessoas queiram aprender e que você possa ensinar.

    Exemplo: você percebe que muitas pessoas ao seu redor têm dificuldade para cumprir com metas e procrastinam constantemente? Você pode estudar técnicas de produtividade, testá-las e ensinar outras pessoas a executá-las.
  • Identifique habilidades e características pelas quais você é admirado e pense em como pode transformar seus talentos em ensinamentos.

    Exemplo: você é uma pessoa muito amigável e sabe como conquistar amigos e parceiros. Que tal ensinar seus métodos a quem é mais tímido?
  • Procure por quem tem um talento: se você ainda não conseguiu pensar em uma ideia para transformar em videoaulas, pense em seus amigos e conhecidos que possam ensinar e proponha uma produção em parceria!

    Exemplo: sabe aquele seu amigo que dá aulas de francês? Pode ser uma ótima opção convidá-lo para produzir um curso completo de francês básico!

2. Avaliar oferta x procura: depois que você listou alguns assuntos, analise se há público para eles. Ferramentas como o Google Keyword Planner poderão te ajudar a entender o número de buscas sobre determinado assunto no Google, o maior buscador online.

3. Entender as tendências: utilize ferramentas gratuitas, como o Google Trends, que vão mostrar a tendência de temas ao longo do tempo.

4. Analisar a concorrência: pesquise o que seus concorrentes estão falando sobre o assunto. É importante que você verifique todo tipo de material: textos, áudios, vídeos e tudo que falar acerca do seu tema.

Essa pesquisa é fundamental para que seu material seja ainda mais completo e tenha muita qualidade. Uma maneira interessante de fazer o seu benchmark é abrir a janela anônima do seu navegador e fazer uma pesquisa no Google com os termos ligados diretamente ao seu assunto.

Seu curso é sobre maquiagem profissional?

Pesquise sobre: “maquiagem profissional”, “como ser uma maquiadora profissional”, “aprender a maquiar”, “truques profissionais de maquiagem” e claro “curso de maquiagem profissional”, as opções são inúmeras!

O Keywordtool e Keyword Planner do Google Adwords te ajudarão com os termos mais pesquisados. Busque também no Youtube, afinal, seu material será em vídeo, certo?

Verifique todos os resultados das primeiras páginas e veja sobre o que eles abordam e como abordam.

O objetivo desse passo é identificar os pontos fracos e fortes de seus concorrentes para ter um parâmetro ao criar seu material. É importante que seu conteúdo sempre supere aqueles que já estão disponíveis na web.

5. Escolher o seu nicho e o tema do seu curso: uma vez que você decide o tópico do seu produto digital, é fundamental que você domine o assunto que irá ensinar.

Pesquise diversas fontes sobre o conteúdo, inclusive materiais estrangeiros. Busque sites como o Quora (em inglês), Yahoo Respostas, KeywordTools e até mesmo o auto complete do Google (a própria ferramenta lhe dá várias opções de pesquisa enquanto você digita), para descobrir as dúvidas comuns das pessoas acerca do seu assunto e aqueles termos relevantes que estejam no mesmo âmbito que o seu.

Por que isso é importante?

Bem, só assim você será capaz de construir o material mais completo possível, aquele que seus futuros clientes ficarão realmente satisfeitos por terem adquirido.

Depois de fazer todas as análises, escreva um breve resumo a respeito do seu curso online.

Exemplo: O curso é um guia sobre mães de primeira viagem. Ele tem o objetivo de orientar grávidas sobre os cuidados com o bebê até o primeiro ano de idade.

Definição do cliente ideal

Depois que você escolheu o tema do seu curso online, identifique qual é o seu cliente ideal. Você deverá fazer isso por meio de uma pesquisa de persona.

Por que isso é importante?

Com a persona, você será mais assertivo na hora de produzir o conteúdo do seu curso e também na hora de divulgá-lo na internet.

A pesquisa pode ser realizada com sua audiência, caso você tenha uma, ou com o público similar ao seu.

Veja uma rápida orientação para cada caso:

Já possui audiência: possuir uma audiência significa já ter uma base de clientes ou manter uma comunidade com potenciais compradores engajados. Pode ser uma fanpage, uma lista de e-mails, um perfil no Instagram com vários seguidores ou um canal no YouTube, por exemplo. Se você dá aulas presenciais de inglês para executivos, pode usar seus clientes para entender a persona do seu curso online de inglês.

Não possui audiência: caso você não possua uma audiência, você pode utilizar outros recursos, como elaborar pesquisas online e utilizar o Facebook Audience Insights.

Vamos supor que você seja um nutricionista e deseja criar um material sobre como montar um consultório de nutrição, conquistar clientes e fidelizá-los. Nesse caso, você poderá fazer a pesquisa com estudantes nos últimos períodos de um curso de nutrição. É possível fazê-la pela internet ou mesmo presencialmente.

Em sua pesquisa, faça perguntas que descrevam o perfil sociodemográfico e características comportamentais. Alguns exemplos de perguntas que podem ser feitas:

  • Idade, gênero e demais informações pessoais.
  • Como é o seu dia a dia profissional?
  • Qual é a sua maior dificuldade em seu trabalho?
  • O que você mais valoriza em seu trabalho?
  • Quais são seus objetivos profissionais?
  • Quais são os assuntos que você mais tem interesse?
  • Como você busca se informar sobre esses assuntos?
  • Quais canais você mais utiliza na internet?
  • Você tem o hábito de fazer compras pela internet?
  • Você já comprou algum material online para estudar?

Quanto mais detalhes você souber, melhor. Depois, reúna todos os dados e analise as respostas mais comuns entre os entrevistados. Esses dados em comum construirão sua persona.

Você também pode utilizar o Facebook Audiences Insights, que te dará informações não tão detalhadas, mas que podem ser igualmente relevantes para sua pesquisa. Basta acessar o endereço da ferramenta e inserir nos campos à esquerda.

Veja:

imagem dp Facebook audience insights

Ao final, você deverá preencher um quadro, como o exemplo abaixo:

ilustração de um quadro de personas

Formato do seu curso online

Tratando-se de vídeos, o formato mais recomendado para um curso online é o programa para membros.

Nesse programa, também conhecido como área de membros ou membership, seu conteúdo ficará hospedado na plataforma que você escolher. Após efetuarem o pagamento, seus alunos receberão um login com senha para acessarem o conteúdo, que ficará disponível pelo tempo que você determinar.

Ainda dentro desse formato, você pode disponibilizar todo o conteúdo de uma única vez, ou liberar cada módulo periodicamente, com a frequência que preferir.

Esse modelo tem se destacado por dois motivos principais:

Receita recorrente: um dos fatores mais vantajosos para investir no modelo de assinatura é a possibilidade de gerar receita recorrente. Você poderá prever quanto irá faturar no próximo mês e poderá trabalhar suas próximas estratégias com base em seu lucro.

Você fideliza clientes por um longo tempo: o aluno permanece mais engajado com você e seu conteúdo e tende a acompanhar as aulas na medida em que você disponibilizar o conteúdo. Desse modo, você tem mais chance de aumentar seu Lifetime Value, ou seja, o valor que seus clientes estão dispostos a gastar durante o período de relacionamento com seu produto.

É claro que a escolha do formato deve ser estudada de acordo com seu modelo de negócio e seu plano estratégico. Se você ainda não fez a sua escolha, acesse nosso conteúdo sobre tipos de produtos digitais para criar e vender online.

Estrutura do curso

Eis o momento de criar o esqueleto do seu curso, também conhecido como outline. Talvez esta seja a hora em que você mais precise dedicar tempo para elaborar um material realmente completo.

Vamos supor que você criou um curso sobre como ter mais autoridade no ambiente de trabalho.

Você deve abordar todos os tópicos que sejam relacionados a esse assunto.

Por exemplo:

  1. Como gerar autoridade para seus gestores;
  2. Como gerar autoridade para seus liderados;
  3. Como se portar profissionalmente em seu dia a dia;

E o que mais for necessário para que seu aluno saia com todas as informações importantes para ter mais autoridade no ambiente de trabalho.

Esses temas principais serão os módulos do seu curso. Dentro de cada módulo, você definirá quantos vídeos serão necessários para explicar o tema.

Em nosso exemplo, vamos desdobrar o primeiro módulo:

  1. Como gerar autoridade para seus gestores;

    Videoaula: Ganhando a confiança de seu chefe;
    Videoaula: Quando ser pró-ativo e quando dizer “não”?;
    Videoaula: Apresentando resultados.

Atenção: o que lhe ajudará bastante na definição desses temas é a pesquisa prévia sobre sua persona. Se você conhecer muito bem o seu cliente, você saberá exatamente o que ele deseja aprender. Outro ponto é conhecer bem a sua concorrência. Descubra os assuntos que ela aborda e faça ainda melhor.

Ainda neste tópico, é importante lembrá-lo que em uma área de membros você pode utilizar outros recursos dentro do seu curso, além das videoaulas. Assim, você pode fazer uso de materiais de apoio, como planilhas, textos e o que achar necessário para complementar seu vídeo.

Veja um exemplo de como os módulos ficam organizados em uma área de membros.

A imagem abaixo é do curso gratuito sobre negócios digitais, o Hotmart Academy. Veja como cada módulo é dividido em temas relevantes para o aluno:


modelo de videoaulas dentro de uma área de membros

Dentro de cada módulo, é possível encontrar subtemas de acordo com o assunto principal.

Produção

Como fazer um roteiro para videoaula

Você já tem uma boa noção de como será o seu curso, certo? Vamos então falar sobre como será a sua aula. É aqui que você começa a colocar a mão na massa.

Seus vídeos devem ser bastante atrativos e envolventes para que seu aluno fique ligado no que você tem a dizer e realmente aprenda o conteúdo. Lembre-se: se ele comprou o seu curso, é porque confia em você para entregar tudo que prometeu na divulgação. Por isso, cada aula deverá ter um roteiro.

Mesmo que você domine o seu conteúdo de cabeça, o roteiro lhe guiará para que suas aulas tenham uma boa didática e sigam um sentido lógico interessante, com início, meio e fim.

Acompanhe nosso guia rápido:

1. Defina o conflito

Cada aula será dedicada a resolver um problema e apenas um. Isso é o que chamamos de conflito. Para guiar o seu roteiro, defina qual é o conflito de cada videoaula, respondendo às seguintes questões:

– O quê?
– Para quê?
– Para quem?
– Onde?
– Como?

Exemplo: A aula 1 ensina por meio de exemplos e provas, maneira de harmonizar vinhos e queijos para que os alunos possam fazer uma recepção em casa.

2. Fragmente sua aula

Para ficar mais clara e fácil de entender, sua aula deve ser dividida em partes. Se estamos falando de um curso de inglês, podemos dividi-la da seguinte maneira:

Problematização:

Esse é o momento que você apresenta o assunto e a solução para o aluno e explica o que ele terá aprendido ao final de sua aula. Lembrando que você tem de 5 a 15 segundos para chamar a atenção do seu aluno, então, é bom ir direto ao ponto.

Exemplo: Você sabe qual vinho combina mais com o queijo brie? Se você chegou até aqui, saiba que desenvolverá uma habilidade que poucos possuem. Neste curso completo sobre vinhos, você vai aprender a apreciar a bebida em sua forma, aroma e sabor.

Conteúdo:

É a hora em que você, de fato, ensina o conteúdo da aula. No caso do curso de vinhos, você pode criar uma ordem de apresentação e comentar sobre o sabor e aroma de cada vinho e queijo. Em outros temas, pense em maneiras interessantes de repassar o conteúdo.

Exemplo: Hoje eu vou ensinar sobre harmonização de vinhos e queijos. Vamos começar pelos vinhos mais suaves e ir passando para os mais secos. Imagine que você resolveu fazer uma recepção para sua chefe e o marido dela. Você pode começar com uma degustação de vinhos e queijos antes do jantar.

Prática:
A prática é o momento que seus alunos têm para treinar o que foi passado. No caso do curso de vinhos, você pode passar pelos vinhos e queijos selecionados e ir comentando à medida que o aluno faz a degustação em casa.

Se isso não funciona em seu curso, deixe alguma atividade para seus alunos praticarem antes de irem para a próxima aula, assim, eles terão mais chance de fixar o conteúdo. Você pode também elaborar testes para acompanhar o desenvolvimento da turma. Algumas plataformas já disponibilizam esse tipo de recurso em suas áreas para membros.

Exemplo: Agora é com você. Primeiro experimente o Sauvignon Blanc com a muçarela de búfala…

Desfecho:

Ao final de sua aula, convide seu aluno para executar uma ação, dessa forma, ele continua engajados com seu conteúdo. Você pode pedir para que ele deixe um comentário dizendo o que achou da aula ou perguntando algo que não tenha sido esclarecido e, claro, convide-o para o próximo vídeo!

Exemplo: Se você gostou dessa aula, deixe seu comentário ou pergunta! Te encontro na próxima aula, que vai te ensinar como harmonizar vinhos e carnes.

Veja como nossos exemplos ficariam em um espelho de roteiro na prática:

exemplo de espelho de roteiro

3. Atente-se à duração da aula

Sua aula deve ser dinâmica e convidativa para que o aluno assista todos os módulos até o final. O interessante é dividir o seu conteúdo em pequenos vídeos de até 15 minutos. Depois de elaborar o seu roteiro, grave um áudio para identificar quanto tempo, em média, terá o seu vídeo.

4. Revise o seu roteiro

Ainda neste material, vamos te dar dicas de complementos para sua videoaula! Falaremos mais sobre trilha sonora, edição e como se portar diante das câmeras!

Escolha das câmeras

A câmera com a qual você gravará sua videoaula faz toda a diferença. Isso porque a qualidade do seu vídeo conta muito para o seu aluno. Separamos alguns tipos de câmeras para te ajudar na escolha.

Vale lembrar que não é preciso comprar todo o material. Há também a opção de alugar ou contratar um profissional/produtora para te ajudar com a captação de imagem.

Sem mais delongas, vamos às câmeras! Separamos nossa lista em 5 categorias:

  • Smartphones
  • DSLRs
  • Action cam
  • Camcorders
  • Compactas

Smartphone

As câmeras dos smartphones são, simplesmente, as câmeras mais populares no planeta! É impossível encontrar um smartphone que não tenha pelo menos uma câmera hoje em dia. Elas são muito convenientes, porque, a qualquer momento, você pode tirar o seu celular do bolso para fazer uma fotografia ou um vídeo.
foto de um smartphone

Prós: fácil acesso; praticamente todo mundo tem um smartphone, o que viabiliza o processo de produção e reduz os custos. Além de ser muito portátil, pois cabe no bolso.

Contras: a qualidade da imagem e a resolução, geralmente, não são tão boas quanto de câmeras profissionais, ainda mais para fins profissionais. Há, porém, smartphones que filmam em alta resolução, inclusive, em 4k. Se for o seu caso, considere esse recurso!

Faixa de preço: R$ 400 – R$ 4.000

Compacta

As câmeras compactas são conhecidas popularmente como câmeras digitais e são as melhores opções para quem não faz ideia de onde começar, já que são pequenas e baratas.

A maioria é completamente automática, o que pode ser muito útil se você não tiver muita noção de captação, e alguns modelos oferecem opções manuais, como controle de exposição e gravação de vídeos em HD, mas nada muito além disso.

foto de câmera compacta

Prós: elas são leves, fáceis de configurar e têm um preço mais acessível.
Contras: a qualidade de imagem é inferior e os recursos são limitados.

Faixa de preço: R$ 300 – R$ 800

Action cam

As action cams têm o corpo leve e são bem resistentes. Elas ficaram famosas, em 2011, com o lançamento da GoPro Hero 2. Normalmente, elas são à prova d’água, resistem bem a pancadas e algumas mais recentes são até à prova de congelamento!

Em geral, possuem algumas opções manuais que são bem limitadas: como zoom e níveis de exposição de luz. Mas em sua maioria, não deixam a desejar na qualidade da imagem. Algumas delas vêm com a opção de serem operadas diretamente pelo smartphone, assim, você pode fazer a transferência do arquivo diretamente para seu dispositivo.

foto de gopro

Prós: têm o corpo ideal para condições mais extremas.

Contras: o zoom e a exposição são limitados. Dependendo do modelo que você adquirir, a qualidade de vídeo e foto podem deixar a desejar.

Faixa de preço: R$ 700 – R$ 2.900

Camcorder

Antes de 2006, só se fazia vídeos com camcorders. Existe uma gama bem extensa desse tipo de câmera, que vai do consumidor final ao cinema. Mas aqui, vamos falar sobre o consumidor usual. Geralmente, as imagens geradas pela camcorder não são excelentes, mas dado o valor do equipamento, são justas. Elas são pequenas e fáceis de operar, e contêm alguns recursos manuais: como controle de áudio, foco e zoom.

foto de camcoder

Prós: são leves, fáceis de operar, costumam ter boa autonomia de bateria e bom tempo de gravação. E um grande diferencial é que elas têm o visor móvel.

Contras: a qualidade de imagem não é excelente e elas não possuem recursos avançados.

DSLR

As DSLR são conhecidas por terem lentes intercambiáveis, ou seja, é possível trocar de lente de acordo com o seu objetivo. Com o lançamento do recurso de vídeo HD, por volta de 2006, essas câmeras fizeram uma revolução no mercado audiovisual, principalmente por serem relativamente mais baratas que os equipamentos profissionais existentes na época.

Elas são mais caras por si só, porque além do corpo, você deve ficar atento a cartões de memórias de alta velocidade, baterias originais e lentes, que podem custar mais do que o corpo da câmera.

Se você não tem boa noção de captação, as DSLR são as menos recomendáveis, a não ser que você tenha alguma pessoa para te auxiliar com esse material.

foto de uma câmera dslr

Prós: são as câmeras mais usadas por fotógrafos e videomakers. Oferecem uma imagem de excelente qualidade e recursos avançados.

Contras: normalmente, são mais pesadas e sem ergonomia para vídeo.

Faixa de preço: R$ 1.500 – R$ 13.000

Escolha do microfone

De modo geral, as pessoas costumam lidar melhor com uma imagem ruim do que com um som ruim, por isso, a nossa dica é investir na compra ou aluguel de um microfone. Por melhores que as câmeras sejam, os microfones ainda deixam a desejar. Veja os principais modelos que recomendamos:

Lapela: são pequenos e discretos e você pode acoplá-los em sua roupa. Você consegue encontrar modelos com preços bastante acessíveis que possam ser ligados diretamente em seu próprio celular. Dessa forma, você dispensa o uso do gravador.

Smartphone: se você quer economizar no orçamento, o seu celular pode ser uma boa opção de captação de áudio. Faça o teste, deixe o aparelho próximo a você quando for gravar e confira se é possível produzir som sem ruído, utilizando aplicativos de microfone em seu smartphone.

Direcional: os microfones direcionais são ideais para captar o som ambiente e podem ser integrados a uma câmera DSLR. Se você pretende gravar com outras pessoas, esse é o modelo mais indicado.

Montagem do estúdio/cenário

Vamos falar sobre seu ambiente de gravação, que será o cenário para suas videoaulas. Você pode montar o seu próprio cenário ou buscar um local de gravação. A segunda opção requer maior investimento e você pode conseguir resultado semelhante fazendo por conta própria. Basta analisar se a produção mais profissional cabe em seu orçamento.

Cenário: é muito importante você escolher um lugar calmo. Evite janelas que deem para a rua, que captam muito barulho de trânsito ou muito fluxo de pessoas passando. Prefira usar um fundo limpo para não distrair sua audiência. Uma parede ou tecido de cor sólida são suficientes para deixar o ambiente mais neutro.

Iluminação: a opção mais barata para iluminar o seu ambiente é utilizar luz ambiente, posicionando-se próximo a uma janela e a favor da luz. Também é possível utilizar luminárias fluorescentes para auxiliá-lo. E é claro, você pode investir e comprar ou alugar um iluminador de LED.

imagem de um estúdio que pode ser montado para criar cursos online em vídeo

Como ter uma boa performance frente às câmeras

Você já teve algum professor que não sabia muito bem como envolver os alunos e isso deixava a aula super monótona? Bom, então você sabe como não agir diante das câmeras. Principalmente por ser um conteúdo online, você deve manter seus alunos atentos!

Grave alguns testes diante da câmera e assista-os. Dessa forma você vai poder analisar o que precisa melhorar e fazer melhor nas próximas vezes. A grande dica é que quanto mais você treinar, melhor vai ser sua performance.

Peça para que outras pessoas também o avaliem com um olhar mais crítico e te deem um feedback sincero.

Você também pode assistir aulas online de outros professores e entender como eles se portam perante as câmeras.

Além disso, temos um post completo sobre postura, vestimenta e outros aspectos importantes que você deve considerar em uma videoaula. Basta clicar aqui para ler.

Como editar vídeos

Agora que já vimos dicas sobre câmeras, formatos, roteiro e os melhores ambientes para gravar um vídeo com qualidade, podemos pensar na edição, que é sempre um problema para quem não está habituado com produção de vídeo!

Se esse é o seu caso, neste tópico, vamos ensinar dicas básicas de edição, que serão muito úteis para seu curso online!

Recolha todo o material de gravação e descarregue-o em seu computador. A maioria das câmeras já vêm com cartão de memória ou um cabo usb para transferir. Basta conectar ao computador e transferir os arquivos.

Esse arquivo pode vir em diversos formatos, como .mov, .mpeg, .av,i .mp4, dentre outros.

Depois de passar tudo para o computador, você deve escolher o seu programa de edição. Existem várias opções gratuitas ou pagas no mercado, mas o mais importante é que você entenda que a maioria dos editores funciona de maneira bem semelhante e, compreendendo essa lógica, todos eles podem te atender bem.

Os mais populares são:

Adobe Premiere: possui um conjunto completo das ferramentas necessárias para uma boa edição de vídeo. É muito utilizado por videomakers profissionais. Se você tem a intenção de produzir muitos vídeos em seu negócio, é um programa muito recomendado! Compatível com Windows e Mac. Software pago.
Final Cut: possui uma interface amigável e intuitiva. É tão profissional quanto o Adobe Premiere, dividindo opinião de muitos profissionais sobre qual dos dois é o melhor software. Também recomendado caso seja do seu interesse trabalhar profissionalmente com vídeos. Compatível com Mac. Software pago.
Shotcut: por ser uma versão gratuita, é ideal para quem está começando. Assim, você pode praticar bastante antes de migrar para um software mais profissional. É compatível com Linux, Windows e Mac. Software gratuito.

É claro que também vamos te ensinar os primeiros passos para editar o seu próprio vídeo! Como essa é uma tarefa um pouquinho mais complexa, fizemos um vídeo para que você possa visualizar a tela enquanto aprende o conteúdo!

Basta dar o play:

Bônus de edição: trilha sonora!

Ainda falando sobre edição de vídeos, vamos falar sobre trilha sonora. A trilha sonora, ou apenas “trilha”, é o que transforma um vídeo monótono em um conteúdo memorável. É o que vai ajudar a prender a atenção de sua audiência e fazer com que ela fique com você até o final, principalmente se sua aula tem informações valiosas!

Mas é claro que, para escolher a trilha mais adequada, é preciso alinhá-la ao tema e objetivo do seu vídeo.

Trilhas sonoras, assim como toda propriedade intelectual, são protegidas por licenças de direitos autorais. Plataformas como o YouTube, por exemplo, possuem um banco de dados exclusivo para identificar a licença de músicas e vídeos. Caso o seu vídeo esteja infringindo alguma regra, ele pode perder o áudio, ser bloqueado e sua conta pode levar uma advertência. Levando três advertências, a conta é bloqueada por tempo indeterminado.
Para evitar qualquer problema, você pode optar pelas seguintes alternativas:

  • Comprar uma licença ou obter a permissão do autor


Dessa forma, você pode obter tanto músicas populares quanto trilhas Royalty Free. A diferença é que a música popular pode ser muito cara ou até mesmo inacessível dependendo do compositor. No caso de trilhas Royalty Free, por serem trilhas sonoras criadas para essa finalidade, você consegue encontrar uma grande diversidade de áudios, por um preço extremamente acessível.

  • Procurar por licenças públicas


Existem várias licenças públicas, entre elas, o domínio público e a licença Creative Commons.

Trilhas sonoras em domínio público são livres de qualquer restrição de uso e também são gratuitas, ou seja, você pode usá-las à vontade. A desvantagem é que você não vai encontrar muitas opções, além de poder estar limitado ao tempo que as músicas levam para se tornarem domínio público.

Outra opção é procurar trilhas com licença Creative Commons. Creative Commons é uma organização fundada em 2001 que oferece diversas opções de licenciamento baseadas em atribuição. Por exemplo, você pode usar uma música que eu criei, livremente, contanto que me dê os créditos da forma como eu especificar. Os autores podem especificar algumas condições, como limitar ao uso de fim não comercial.

Como adquirir uma trilha sonora?

Trilhas sonoras gratuitas:

Você consegue encontrar muitas opções na biblioteca de áudio do próprio Youtube, acessando a aba “Criar” localizada no “Estúdio de Criação”.

A vantagem dessa biblioteca é que você consegue pesquisar por categorias como: humor, gênero, instrumento, duração e também por licença. Isso sem gastar nada.

Outro lugar muito legal é o Free Music Archive, também conhecido como FMA. Ele só está disponível na língua inglesa, mas se isso não for uma barreira pra você, vale a pena visitar.

Você encontra muitas músicas cheias de personalidade e recomendações de curadores profissionais. Assim como a biblioteca do YouTube, você não paga nada para baixar as músicas, basta observar as licenças.

Trilhas sonoras pagas:

Um ótimo lugar para encontrar trilhas Royalty Free e com um preço acessível é o AudioJungle. Nesse site, você encontra uma infinidade de músicas com preços a partir de 7 dólares. A desvantagem é que algumas trilhas são clichês e podem cansar a sua audiência.

Outra opção para procurar a sua música é visitar o Premiumbeat ou o Bed Tracks.

Se o seu projeto requer muitas músicas, é mais interessante você buscar por serviços de assinatura. Um deles é o ArtList, você paga um valor anual para ter acesso a todo o catálogo de músicas, podendo baixar até 20 músicas por dia.

Você também pode optar pelo Epidemic Sound, que possui um serviço de assinatura com valor baseado na sua audiência mensal no YouTube. O uso das músicas fica limitado ao YouTube, mas esse pode ser um ótimo canal para divulgar o seu curso. Falaremos mais sobre divulgação em breve!

Dica de ouro:

Fique atento ao volume do seu vídeo. A música não deve tomar conta do seu vídeo, mas sim, ser um complemento ao conjunto da obra. No caso de uma videoaula, o foco deve ser direcionado a quem estiver apresentando o conteúdo. Mantenha o volume no mínimo e, quando você mudar o assunto ou o ritmo, tente aumentar a música por alguns instantes, isso vai fazer com que o vídeo fique dinâmico e agradável.

Pós-produção

Como precificar seu produto

Precificar seu produto digital vai muito além de definir qual a margem de lucro você deseja obter. Você deve identificar qual o valor gerado ao seu aluno, a qualidade do produto e como seus concorrentes atuam e precificam produtos similares ao seu.

Definir um preço muito baixo não é garantia de muitas vendas e pode até desvalorizar seu produto.

Por outro lado, valores muito altos podem afastar potenciais clientes. Para definir qual será o preço final, considere os seguintes aspectos:

Investimento total: considere todo o dinheiro investido na produção de suas vídeoaulas: compra e aluguel de equipamentos, roupas, decoração, tempo de contratação de editor e o tempo gasto para a produção do conteúdo em si. Com esse valor, você pode definir quantas vendas deve realizar para cobrir seu investimento inicial e começar a lucrar.

Concorrência: por mais que seu produto seja inovador, é possível que haja algo similar no mercado. Pesquise os preços concorrentes e utilize-os como referência para definir seu preço.

Público: se o seu produto é inovador, investigue profundamente como é o comportamento do seu público em relação à compras online. Se sua persona for bem mapeada, ela já deve conter esse tipo de informação. Pesquise se seu público tem o hábito de consumir produtos digitais e qual o preço médio que eles estão dispostos a pagar por cursos online.

Valor agregado: o valor que seu conteúdo gera a seus alunos também é um aspecto importante para definir o preço final de seu produto. Se sua proposta de valor for alta, não tenha medo de definir um preço justo para suas vídeoaulas.

Onde hospedar suas videoaulas

Depois de pronto, o seu curso online deve ser hospedado em algum local na internet, que é onde você irá vendê-lo. Por isso, você deve procurar uma por uma plataforma para cursos online ou, como também pode ser conhecida, plataforma EAD.

Ao escolher uma área de membros para abrigar seu curso, você deve prezar por segurança em cada transação, controle de seus alunos, agilidade para entregar o produto após a compra e ainda uma maneira prática de monitorar seus resultados.

Existem plataformas pagas e plataformas gratuitas, como é o caso do Hotmart Club. Mesmo que você seja iniciante, busque um serviço completo, que irá te atender em todos os estágios do seu negócio.

Como divulgar e vender seu curso

Vale lembrar que um produto bem feito só tem valor se for apresentado ao público certo. Por isso, vamos explicar as melhores formas para divulgar seu produto e atrair novos clientes.

Página de vendas

Uma página de vendas é uma landing page criada para que o usuário faça uma compra. Você precisará dessa página para que sua audiência conheça seu produto e os benefícios ao comprá-lo. Fizemos um post dedicado à página de vendas, saiba mais clicando aqui.

E-mail marketing

O e-mail marketing é uma das estratégias mais baratas para engajar seu público e gerar conversão. Uma vez que o usuário lhe dá permissão para conversar diretamente com ele por e-mail, é possível estabelecer estratégias para o estágio do funil de vendas em que ele se encontra. Confira nosso post completo sobre estratégias de e-mail marketing.

Redes sociais

As redes sociais são e por muito tempo serão uma maneira de engajar seus seguidores de forma genuína. As redes sociais possibilitam um tom leve e descontraído e, com isso, permitem que você fique mais próximo do seu público. Leia aqui como você pode utilizar as redes sociais para alavancar suas vendas e ainda estratégias de vendas utilizando o Facebook.

Blog

O blog é uma das melhores maneiras de criar conteúdo que engaje e agregue real valor aos seus visitantes. Com blog posts, você pode educar seu público com informações relevantes e, naturalmente, ele irá encontrar seu produto como a solução para um possível problema. Esse tipo de estratégia é nomeada como marketing de conteúdo e, se associada a um bom trabalho de SEO, trará muitas visitas orgânicas ao seu blog, aumentando sua autoridade no mercado e sua taxa de conversão em vendas.

Programa de Afiliados

O programa de Afiliados é ideal para aqueles produtores que desejam dar visibilidade ao seu produto para realizar mais vendas. Ao participar de um programa de Afiliados, o Produtor poderá contar com os Afiliados, que farão a divulgação de seus produtos em troca de uma comissão. Essa é uma das melhores técnicas para alavancar suas vendas. Para conhecer tudo sobre programa de Afiliados, clique aqui.

Publicidade paga

A opção pela publicidade paga te dará resultados a curto prazo, enquanto a estratégia orgânica deve ser trabalhada a médio e longo prazo.

Você pode fazer anúncios em redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram e utilizar outros canais como Youtube e Google. Há também a possibilidade de anunciar em sites de notícias.

Por meio da publicidade paga, você pode segmentar o público para o qual você deseja aparecer, que será um possível comprador do seu produto. Novamente, sua persona será muito útil nesse processo.

Para entender mais sobre esse assunto, leia nosso post sobre como investir em publicidade paga sem perder dinheiro.

Conclusão

Como você deve ter percebido, a montagem de um curso com videoaulas é mais trabalhosa e demanda um investimento maior de tempo e, possivelmente, de dinheiro. Mas como citamos ao longo deste post, esse investimento vale muito a pena devido à qualidade do material final e do valor agregado que pode ser atribuído a ele.

Esperamos que este material lhe seja muito útil e lhe traga bons resultados. Bons negócios para você!

Quer transformar o seu conhecimento em um curso online, mas não sabe como começar? Conheça o Desafio 30 Dias e aprenda tudo o que você precisa para entrar com tudo nesse mercado.


 

Hotmart