Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Black Week Hotmart

Quer fazer mais vendas? Participe da Black Week Hotmart. Nos últimos anos, os números foram impressionantes: aumento de 200% em vendas em um único dia!

Quero participar

Como a inteligência intercultural pode ajudar a expandir seus negócios?

Como a inteligência intercultural pode ajudar a expandir seus negócios?

Saiba por que é importante desenvolver a inteligência intercultural de seus colaboradores e líderes!

Desde que a humanidade existe, as trocas culturais acontecem entre diferentes povos. Esses contatos foram, inclusive, responsáveis por muitos aspectos da configuração de sociedade em que vivemos hoje.

Com a globalização, as distâncias se tornaram ainda menores, e é nesse contexto que surge o conceito de inteligência intercultural.

A ideia gira em torno de um conjunto de habilidades que permitem a interação positiva de uma pessoa com outras culturalmente diferentes.

E não estamos falando apenas de nacionalidades diversas, mas de costumes regionais, crenças religiosas, comportamentos alternativos etc.

Para entender melhor do que trata esse conceito e como ele é importante no mundo dos negócios e até mesmo para o desenvolvimento pessoal dos colaboradores, continue a leitura!

O que é inteligência intercultural?

A cultura em que estamos inseridos influencia diretamente quem somos e como agimos. São diversas as esferas com efeito modelador em nossas vidas: valores, costumes, crenças, percepções e comportamentos.

Para você ter uma ideia, estamos tão imersos em nossa cultura, que isso, muitas vezes, delimita nossas opções e nos faz seguir determinado caminho automaticamente.

É o caso de algumas religiões com adeptos concentrados em uma única localidade — o hinduísmo, por exemplo, é a religião de quase 80% dos indianos.

A inteligência intercultural é a capacidade de entender esses impactos do meio sobre o ser humano.

Desse modo, passamos a lidar com diferenças com mais flexibilidade — uma pessoa inteligente em termos de multiculturais consegue gerir e lidar melhor com paradoxos culturais.

Os principais componentes da inteligência intercultural são:

  • motivação: o interesse intrínseco de interagir com pessoas culturalmente diferentes;
  • cognição: o entendimento das “normas” que regem outras sociedades, como a adequação social de acordo com o que é esperado em outra cultura;
  • metacognição: a compreensão ou consciência de outras ideias elaboradas a partir de perspectivas culturalmente diferentes ou mesmo opostas;
  • comportamento: a habilidade de comportar-se de modo diferente em outras culturas, como ao cobrir os ombros ao entrar em ambientes sagrados de determinada religião.

Esses quatro componentes são habilidades que podem ser desenvolvidas e que permitem a manutenção de uma relação amistosa com pessoas de outras culturas.

Mais que isso, possibilitam o crescimento pessoal e profissional a partir do contato com visões de mundo diferentes.

Por que pensar em multiculturas?

Em um mundo altamente globalizado como o que vivemos atualmente — em que as barreiras geográficas são cada vez menos significativas em trocas profissionais e comerciais —, é comum que grandes empresas tenham de lidar com multiculturas, especialmente se há intenção de expandir o negócio para outros países.

Então, os colaboradores têm contato com cargas culturais diferentes.

Como evitar que isso se torne um gatilho para intolerâncias no ambiente de trabalho? Como aproveitar a convivência heterogênea para extrair o melhor da situação? Como fomentar uma economia colaborativa e levar ao desenvolvimento coletivo?

Pensar no conceito de multiculturas e entender sua importância é o primeiro passo. Empresas que têm essa preocupação já estão à frente de seus concorrentes, pois a inteligência intercultural se tornou um aspecto decisivo para a saúde do negócio. Nos ambientes em que não há esse traço, as relações podem ficar conflituosas.

Além disso, a falta de habilidade de lidar com diferenças pode levar a dificuldades mútuas de comunicação e compreensão.

Então, podemos dizer que, hoje em dia, saber gerir as multiculturas e iniciar um processo de educação corporativa voltada para essa questão é tão importante como solucionar problemas comunicacionais e gerenciais.

Como desenvolver a inteligência intercultural?

Equipes de colaboradores técnicos, de serviços e de gestão e, principalmente, os líderes do negócio são beneficiados com o entendimento de multiculturas. A inteligência cultural pode ser desenvolvida por meio de:

Abaixo, veja 5 passos que vão ajudar a colocar esse tipo de aprendizado em prática.

1. Estudar casos de multinacionais

Conhecer as experiências interculturais de multinacionais é uma forma eficiente de observar como as trocas entre pessoas com diferentes percepções são benéficas.

Procure casos de empresas que são referência em suas áreas e compartilhe essa realidade com os colaboradores.

2. Conhecer novas culturas

Se possível, invista em viagens corporativas internacionais. O conhecimento de outras culturas, especialmente por parte da liderança, contribui para o fortalecimento de uma economia criativa, visto que a herança cultural — ou patrimônio — é um dos pilares do desenvolvimento empresarial dinâmico.

3. Exercitar a tolerância às diferenças

Nos treinamentos, capacitações e dinâmicas, insira reflexões que levem ao exercício da tolerância. Atividades que estimulem o contato com o diferente e as melhores formas de agir em relação aos valores diversos são muito bem-vindas.

Assim, os colaboradores poderão exercitar três dos componentes da inteligência intercultural: a cognição, a metacognição e o comportamento.

4. Desenvolver o interesse

Já em relação ao componente das motivações, despertar o interesse por diferentes culturas e pelo contexto de multicultura é fundamental. Essa é a base para se estabelecer um ambiente de trabalho genuinamente tolerante.

Para tanto, vale a pena investir em palestras sobre culturas diversas. Outra dica é preparar apresentações e levantar estatísticas que demonstrem os benefícios que as trocas culturais podem trazer não só ao ambiente de trabalho, como para o desenvolvimento pessoal.

5. Investir em inteligência emocional

A inteligência emocional está sendo muito valorizada no meio corporativo. Ela se trata do gerenciamento de emoções, de modo que as interações interpessoais não sejam afetadas por eventuais sentimentos negativos.

Esse é um caminho interessante para também se desenvolver a habilidade de lidar com pessoas culturalmente diferentes.

Então, uma dica é promover treinamentos e atividades para proporcionar o entendimento e o refinamento da inteligência emocional dos colaboradores. Isso inclui:

  • autoanálise;
  • dominação racional das emoções;
  • capacidade de lidar com pressão;
  • desenvolvimento da empatia etc.

E então, por que apostar na inteligência intercultural?

Como vimos, a inteligência intercultural é a habilidade de reconhecer, aceitar e lidar com diferenças em valores e percepções relacionados ao meio cultural.

Atualmente, investir nessa característica é sinônimo de preparar os colaboradores para um contexto de trocas que, se bem aproveitado, é capaz de levar ao desenvolvimento de todos.

Sem contar que contribui para a internacionalização do negócio, uma vez que, nesse caso, é necessário compreender a multiculturalidade para promover seu produto ou serviço adequadamente ao redor do mundo.

E falando nisso, aproveite para entender o que é marketing internacional e quando você deve aplicá-lo!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.