Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Black Week Hotmart

Quer fazer mais vendas? Participe da Black Week Hotmart. Nos últimos anos, os números foram impressionantes: aumento de 200% em vendas em um único dia!

Quero participar

O que é Google AMP? 7 grandes motivos para você investir nisso e ter mais resultados em seu negócio

O que é Google AMP? 7 grandes motivos para você investir nisso e ter mais resultados em seu negócio

Entenda porquê você deveria investir nessa estratégia.

Quem não gosta de encontrar páginas velozes e responsivas quando está navegando na internet pelo smartphone?

O assunto que temos para falar aqui hoje tem tudo a ver com isso, e ainda é desconhecido ou subestimado por muitos empreendedores digitais: o Google AMP.

Mesmo que você nunca tenha ouvido falar nisso ou se sabe um pouco sobre o assunto e ainda não se convenceu se ele é relevante para você, vamos te ajudar.

Neste artigo, vamos explicar tudo para você se decidir conscientemente sobre o Google AMP.

Vamos lá?

O que é Google AMP?

Como você deve imaginar, AMP é uma sigla, mais precisamente para o termo Accelerated Mobile Pages.

A iniciativa de código aberto foi lançada pelo Google em outubro de 2015 e, desde o princípio, contou com grandes parceiros, como LinkedIn, Pinterest, Twitter e WordPress.

Resumidamente, as AMPs nada mais são do que páginas que carregam quase que instantaneamente em dispositivos móveis.

Na época do lançamento, David Besbris deixou bem claro:

O objetivo  é melhorar muito o desempenho na navegação na internet móvel aberta

De fato, a necessidade do AMP veio com o uso crescente de dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Antes disso, os aplicativos eram a única alternativa para que as marcas se comunicassem com o público de maneira otimizada e responsiva.

O AMP ampliou essas possibilidades. A exemplo dos apps, uma página web pode finalmente ser carregada quase que ao mesmo tempo em que ocorre o clique do usuário.

A união de velocidade e responsividade se dá por meio de três configurações: AMP HTML, AMP JS e Google AMP Cache. Sem entrar em detalhes técnicos aqui, o importante é que você saiba que, a partir disso, as páginas se tornam mais leves, ainda que contenham conteúdos multimídias.

As palavras da página de FAQ do Google AMP sintetizam bem tudo isso:

As Accelerated Mobile Pages são como qualquer outra página HTML. No entanto, elas têm um conjunto limitado de funcionalidades técnicas permitidas que são definidas e governadas pelas especificações de AMP de código aberto 

É como se fosse uma segunda versão da página mesmo. O bacana é que, como no final da URL há o /amp, um site que adota o AMP consegue analisar os resultados disso separadamente nas ferramentas de análise, como Google Analytics.

O AMP Project veio para resolver alguns problemas de carregamento de páginas, entre eles, um número que chama bastante atenção:

Cerca de 40% dos usuários desistem de uma página depois de 3 segundos de espera para carregar.

É como se o AMP surgisse como uma solução para impedir que isso aconteça.

Motivos para você investir em Google AMP

Há muitos motivos para investir nas AMPs, e estão todos conectados.

Aqui, optamos por explicar os 7 principais para você comprovar se o AMP vale a pena ou não para seu negócio.

1. Crescimento expressivo de dispositivos móveis no Brasil e no mundo

O primeiro grande motivo para você pensar seriamente em investir em Google AMP é o crescimento gigantesco dos dispositivos móveis no mundo e, sobretudo, no Brasil.

Só para você ter uma noção, de acordo com um infográfico elaborado pela Sociomantic, enquanto em 2013 o uso de smartphones em nosso país era de 53%, em 2015, esse número pulou para 90%.

O que mais impressiona é que, hoje, quase 80% do tráfego de toda internet se dá por meio de dispositivos móveis.

De fato, os smartphones ocupam cada vez mais uma parte importante em nosso cotidiano. Por meio deles, realizamos muitas de nossas atividades fundamentais: desde serviços de banco, até conversas com nossos amigos e compras online.

Vai dizer que você não percebeu que o uso de desktops e até mesmo os notebooks, aos poucos, tem se restringido a atividades mais específicas?

Pois é, essa é mesmo a tendência, por isso não há mais como negligenciar o mobile.

2. Qualidade de nosso wireless

Infelizmente, esse crescimento do mobile não trouxe uma melhora significativa na qualidade de nosso wireless. Em 2016, 75% do uso da internet no Brasil ainda se dava por meio de conexões 2G e 3G que, por sua vez, foram tidas como 30% piores que a média mundial.

Esse problema é ainda maior para os brasileiros se considerarmos outros dois fatores:

  1. o elevado preço dos pacotes de dados das operadoras daqui;
  2. o fraco alcance dependendo da região em que o usuário está.

Ao ler isso, fica simples compreender porque páginas mais leves e que carregam facilmente são tão úteis para quem quer alcançar seu público pela internet.

A realidade é clara: não há como não pensar na performance de suas páginas em dispositivos móveis. Desconsiderar isso pode transformar um potencial cliente em um visitante frustrado e desmotivado.

E imagina só quantas chances reais de negócio você pode estar perdendo por isso?  

O melhor é que, com as AMPs, você evita isso independentemente de como o usuário chegou até você, seja pelo Google ou pelas redes sociais.

3. Engajamento  

Um estudo da Microsoft, realizado em 2015, mostrou que o tempo médio de atenção de um adulto é de 8 segundos. E acredite se quiser: esse tempo é menor que o de um peixinho dourado.

Isso quer dizer que, para captar a atenção de seu público, você precisa ser ainda mais rápido que esses poucos segundos.

Quando uma página é lenta, o leitor desiste dela e vai procurar o que precisa em outra fonte. Ao contrário, se a página for veloz, você consegue exibir sua mensagem a tempo de ser “ouvido” pelo usuário.

As páginas AMP são carregadas em menos de um segundo. Ou seja, uma consequência natural do AMP é o maior engajamento do público.

Até porque, como alguém vai interagir com uma página que nem sequer foi lida por não ter carregado?

Que empresa não quer um público engajado e, assim, mais propenso a fechar negócio?

E não somente por isso! O engajamento leva ainda ao maior alcance do conteúdo. Tudo por ter sido mais curtido, comentado e compartilhado pelas pessoas.

E isso também vale para anúncios. Na página do Google, há o exemplo da Triplelift, que teve aumento superior a 10% nas visualizações e engajamento apenas com a adoção das AMPs em suas campanhas.

É claro que a velocidade das páginas é apenas um item de uma estratégia adotada por você, mas, sem dúvidas, é uma peça fundamental.

4. Resultados

Quando se tem aumento no alcance e mais engajamento, é natural que suas vendas também cresçam, certo?

Mas pense além disso.

Segundo o próprio Google, as conversões caem 12% a cada segundo que uma página leva para ser carregada. Isso é, não resolve muito ter todo trabalho com copywriting criativo e design das páginas sem a rapidez.

Com essa informação, mais uma vez, vemos a importância da velocidade agora em relação às campanhas mesmo. Isso significa que utilizar AMP em suas landing pages, páginas de vendas, sites e anúncios, tende a aumentar consideravelmente o desempenho deles.

Quando melhoramos a experiência das pessoas ao consumir nossos conteúdos, isso se reflete nas métricas do negócio. O aumento da velocidade leva ao crescimento de indicadores como tempo gasto na página, retorno de visitantes e CTR (taxa de cliques), além de diminuição da taxa de rejeição.

É claro que fazer tudo isso em AMP pode demandar certo tempo de início, mas vale a pena.

5. Facilidade de aplicação

Como se não bastassem todos os motivos mencionados até agora, temos outro muito convincente: é muito simples criar páginas AMP.

É claro que se você não entende nada de HTML, é bem provável que necessite de ajuda. Mas você não precisará ter uma equipe treinada para isso e nem fazer grandes alterações. O formato AMP é totalmente adaptável.

Agora, caso você utilize um CMS (Content Management System) conhecido, como o WordPress, por exemplo, isso é ainda mais simples. Há até plugins para fazer todo trabalho pra você. Falaremos sobre isso mais adiante.

Além disso, o Google possui uma página muito didática e explicativa com todos os passos para você criar sua primeira página AMP.

6. Variedade de conteúdos

Há uma dúvida que muitos empreendedores têm e que é bem pertinente:

Se tudo carrega tão rapidamente e é de fácil aplicação, há alguma restrição em relação ao tipo de conteúdo escolhido?

Para alegria de todos nós, a resposta é não.

Desde a apresentação em 2015, o Google deixou claro que o intuito das Accelerated Mobile Pages era englobar todos os formatos de conteúdo, seja texto, imagens, vídeos ou GIFs, sem restrições.

Portanto, você que escolhe como apresenta conteúdo para seu público, como sempre foi.

7. Não fique para trás

Pense com a gente: o AMP Project foi lançado no final de 2015. Isso significa que, enquanto você lê este artigo, é muito provável que seus concorrentes estejam utilizando Google AMP há algum tempo.

Essa é uma tendência clara e lógica. Cada vez mais os empreendedores têm consciência da importância de considerar a experiência do usuário onde quer que ele esteja acessando seu conteúdo.

Não fique para trás.

Do menor ao maior empreendimento do mundo, nada existe sem pessoas. Pensar nelas sempre é indispensável para o crescimento e futuro de qualquer negócio.

Só para você ter uma ideia dessa dimensão, no início do ano, já haviam 1,5 bilhão de páginas, 850 mil domínios e 100 provedores de tecnologia (CMS) utilizando o formato AMP.

E já que estamos falando de futuro e não ficar pra trás, vale lembrar que, embora isso não aconteça hoje, talvez, no futuro, o AMP sirva até mesmo como fator de ranqueamento no Google em dispositivos móveis. Do mesmo modo que acontece com a responsividade.

E aí, você vai mesmo ficar de fora desse movimento?

Depois de todos esses motivos, achamos e esperamos mesmo que não.

Todo os sites e páginas podem usar a tecnologia AMP?

Para alegria de todos, a resposta é sim.

Quando a iniciativa surgiu, os primeiros a usufruírem da tecnologia foram sites de peso, como Washington Post, nos EUA, El País, na Espanha e Folha de São Paulo, no Brasil. Mas, desde o princípio, o intuito sempre foi que todo mundo pudesse participar, de portais de notícias a e-commerces.

Aliás, como mencionamos antes, trata-se de uma iniciativa open source (código aberto), isto é, qualquer um pode ter acesso, utilizar e contribuir com o projeto:

As empresas envolvidas no projeto querem fazer com que a web para dispositivos móveis funcione melhor para todos, não somente para uma plataforma, um conjunto de tecnologias ou de editores. O uso de código aberto nesse projeto permite que as pessoas contribuam e compartilhem suas ideias e códigos para tornar a web para dispositivos móveis mais rápida.

Não é à toa os números expressivos que mostramos de páginas e domínios já incluídos.

Ficou curioso para saber mais sobre as empresas que utilizam Google AMP?

No próprio site AMP Project, você pode ver vários casos de sucesso que, sem dúvida, servirão de inspiração e de motivação para você começar também.

Mas como faço para aderir?

Lembra que citamos que uma das grandes vantagens do AMP Project é sua fácil adesão e que você não precisa de um time treinado especificamente para isso?

Caso você não tenha familiaridade com HTML nem uma equipe própria, chame um desenvolvedor de sua confiança.

Não existem grandes segredos. No site do AMP Project, há uma seção específica com documentos e tutoriais com todos os passos necessários para você criar sua primeira página AMP do zero. Tudo bem explicado e sem complicação.

Aliás, antes de tudo, você precisa saber qual é sua plataforma de CMS (Content Management System). Isso porque, a maioria delas fornece plugins e/ou integrações que facilitam esse trabalho sem que você precise mexer numa linha de código sequer.

O WordPress é uma dessas plataformas. Com ele, qualquer pessoa consegue configurar páginas em AMP sem conhecimento prévio no assunto.

Parece fácil demais pra ser verdade, mas é. Basta procurar pelo plugin AMP, adicioná-lo, ativá-lo e, pronto, não é preciso fazer mais nada. Nas configurações do próprio plugin você consegue personalizar com suas preferências.  

Há também o AMP for WP, outro plugin ainda mais completo e com opções interessantes para quem quer ter todas as informações no Google Analytics.

Conclusão

Depois de tanto conteúdo, acreditamos que esteja mais claro para você como o Google AMP pode ser útil para o marketing digital. Afinal, ambos buscam entregar valor para o usuário antes de tudo.

Ficou fácil entender como isso impacta nos seus resultados, não é mesmo?

Quando o usuário ganha, todo mundo também ganha, simples assim.

Mas e você? Conta para gente nos comentários o que você achou e se pensa em investir nisso.

Guest post produzido por Jessica Delalana, analista de marketing da Lead Lovers.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.