Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Black Week Hotmart

Quer fazer mais vendas? Participe da Black Week Hotmart. Nos últimos anos, os números foram impressionantes: aumento de 200% em vendas em um único dia!

Quero participar

Marketing: guia completo sobre o assunto!

Marketing: guia completo sobre o assunto!

O marketing é essencial para a saúde de um negócio. Mas, afinal, do que se trata esse conceito?

O marketing está presente nas nossas vidas de um jeito indissociável. Especialmente no ambiente virtual, quase nada do que vemos é “em vão”: um blog post, um anúncio conveniente, um email de aniversário — são inúmeras as formas de fazer estratégias de marketing.

Mas, afinal, o que significa essa palavra? Quais são os principais pilares por trás desse conceito? Como estruturar um plano de marketing? Quem são os profissionais responsáveis por esse trabalho? E o marketing digital, é algo do outro mundo?

Neste post, vamos solucionar as principais dúvidas sobre o assunto. Acompanhe e aprenda de tudo um pouco sobre o universo do marketing!

O conceito por trás do marketing

Começando pela etimologia, marketing deriva do inglês “market”, que significa mercado. A terminação -ing indica a ideia de continuidade. Na tradução, teríamos algo como “fazendo mercado” — é o conjunto de técnicas e atividades que conduzem o cliente a uma compra, mas não só isso!

Para Philip Kotler — considerado o pai do marketing moderno —, a definição é a seguinte:

Marketing é o processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo que necessitam e desejam com a criação, a oferta e a livre negociação de produtos e serviços de valor.

Ou seja, a ideia passa, também, pela satisfação de necessidades e desejos. Podemos dizer que fazer marketing é tentar entender essas demandas e atendê-las, antes que a concorrência o faça.

A origem do marketing

Há quem diga que o embrião do marketing foi a invenção da imprensa tipográfica por Gutenberg, lá em 1447, já que ela proporcionou uma reviravolta na forma como ideias e informações eram propagadas.

No entanto, se pararmos para pensar, a divulgação de produtos ou serviços existe desde que as sociedades começaram a trocar mercadorias. É claro, não havia um campo de conhecimento sobre isso, mas sim práticas cotidianas que serviam a esse propósito.

A expressividade do que se tornaria o marketing que conhecemos hoje veio com a Belle Époque, no fim do século 19 na Europa, quando pôsteres de teatros e óperas eram espalhados pelas ruas. Era um reflexo da popularização de um estilo de vida que valorizava a prosperidade.

Ou seja, aqui, os veículos de propaganda já começavam a se relacionar com a satisfação de desejos e necessidades, e não deixavam de estar ligados a um produto: a ideia de euforia com o progresso, que era bastante lucrativa, já que fomentava a expansão capitalista.

Desde aquela época, o rádio, depois a TV, os telefones e, por último, a informática ajudaram a expandir cada vez mais as fronteiras da informação comercial. No entanto, o modo de se fazer marketing mudou ao longo do tempo. De acordo com Kotler, já passamos por 4 fases. Veja!

Marketing 1.0: vendas em massa

O marketing 1.0 é o que surgiu em um período em que a produção em massa era muito popular, na primeira metade do século 20. O objetivo era, basicamente, o de divulgar os atributos de produtos — feitos em larga escala — e trazer visibilidade para suas funções.

Marketing 2.0: satisfação do cliente

Já o marketing 2.0 chegou mais ou menos na década de 1970, quando apenas vender produtos já não era mais suficiente para satisfazer as necessidades do consumidor. Assim, começou a existir uma proposição de valor emocional, já que um produto funcional não era mais suficiente: ele precisava ser diferente e se destacar por algum motivo.

Marketing 3.0: conexão com a marca

Logo depois, com a democratização da internet e questões socioambientais ganhando força, o marketing entrou na sua 3ª fase. O consumidor precisava sentir uma conexão com a marca para escolhê-la frente à concorrência — valores pessoais, sociais, ambientais e até espirituais entraram no jogo.

Marketing 4.0: informação de valor

A fase atual do marketing reflete uma mudança muito significativa: a conectividade, que já vinha sendo construída desde a fase anterior e, hoje, é decisiva. A informação relevante se torna protagonista e é usada para atrair e nutrir possíveis clientes.

A lógica também se torna horizontal: se antes o marketing era feito de marcas para consumidores, hoje, eles se tornam “advogados” de produtos em que acreditam. Com isso, um consumidor influencia outros e usa a internet para divulgar e buscar opiniões.

Os Ps do marketing

Também é legal conhecer os Ps do marketing (ou o Mix de Marketing), definidos por Jerome McCarthy — um professor da área que tentou explicar os “ingredientes” para uma receita bem-sucedida de marketing.

Originalmente, eram 4:

  • produto: o que é comercializado (ideias, serviços, objetos)? Aqui, deve-se pensar em conteúdo do produto, embalagem, cores etc.;
  • preço: quanto o produto vale pelo seu valor agregado? Esse preço não pode ser muito alto, já que deve ser atrativo, mas também precisa proporcionar lucro, já que é ele quem gera receitas para o negócio;
  • praça: onde esse produto é comercializado? A praça não se refere somente a ambientes físicos, mas vale para o digital também e, ainda, se relaciona à logística, aos canais de distribuição e ao armazenamento;
  • promoção: como será feita a divulgação? A promoção diz respeito à publicidade — técnicas que ajudem o produto a ser visto e escolhido pelo público-alvo.

Pessoas: o 5º P

Desde que o consumidor começou a ser visto como parte fundamental de uma estratégia — a partir do marketing 2.0 —, um novo ingrediente passou a integrar a receita: pessoas.

Nesse novo contexto, as campanhas também devem se preocupar em pensar no público-alvo e nas suas necessidades. Por isso, a segmentação de mercado se tornou essencial.

Um bom conhecimento de público, aliás, permite abordagens mais ousadas, como o marketing de guerrilha — ações criativas e pouco convencionais que geram impacto na audiência.

Os objetivos do marketing

Em relação aos objetivos do marketing, tudo depende muito da orientação da estratégia — para o produto, para as vendas, para o relacionamento etc. Estão entre os principais:

  • aumentar as vendas: vender é um dos maiores objetivos dos negócios que utilizam marketing para divulgar seus produtos ou serviços;
  • estabelecer a marca no mercado: muitas organizações utilizam o marketing para aumentar a visibilidade da marca e estabelecê-la como uma referência;
  • fortalecer o branding: no mesmo sentido, o marketing muitas vezes serve para fortalecer o branding, isto é, reforçar junto ao público qual é a identidade, os valores e os propósitos da marca;
  • estreitar relacionamentos: técnicas de marketing também ajudam estreitar relacionamentos com clientes, parceiros e colaboradores;
  • educar o mercado: o marketing também é um grande aliado na educação de mercado, com a intenção de entregar valor ao consumidor.

As diferentes abordagens de marketing

Também é legal entender que o marketing pode ser feito a partir de variadas abordagens. A escolha se deve sobretudo aos objetivos que norteiam a campanha. Veja algumas abaixo.

Outbound e Inbound

Os prefixos “out” e “in” correspondem, respectivamente, a “fora” e “dentro”. Desse modo, o outbound marketing é aquele que tenta atrair consumidores a partir de uma abordagem mais incisiva e externa, como telemarketing, anúncios na TV e pop-ups em sites.

Já o inbound marketing é conhecido como marketing de atração. Ele visa a conversão do cliente de dentro para fora. Ou seja, as técnicas levam o potencial consumidor a sentir um interesse genuíno pela marca, de modo que ele mesmo busque o produto como uma solução.

Marketing direto e indireto

O marketing direto se refere a iniciativas que colocam o consumidor e o produto em uma apresentação direta: telefonemas, mensagens, emails marketing.

Já o marketing indireto faz a divulgação do produto de forma mais sutil, sem que o consumidor perceba, em um primeiro momento, que está sendo apresentado a uma opção de compra.

O resultado é que ele fica com uma lembrança da marca na cabeça e, futuramente, pode ser influenciado para uma compra, como ao receber brindes promocionais, participar de eventos corporativos e feiras promovidos pelo negócio etc.

Endomarketing

O endomarketing, por sua vez, é uma abordagem que se volta para o time interno — um marketing que tem por principal objetivo fazer com que os colaboradores “vistam a camisa” da marca e, desse modo, se tornem promotores dela por compartilharem dos mesmos valores e visão.

Marketing de relacionamento

O marketing de relacionamento é uma abordagem que não se volta para a atração de consumidores, mas sim para o estreitamento de laços com os que a marca já tem. Nesse caso, entram em jogo estratégias de nutrição que servem, sobretudo, para a fidelização dos clientes.

Marketing social

Outra possível abordagem é a do marketing social. Aqui, o negócio promove ações — como eventos, doações e campanhas de conscientização —, para demonstrar seu apoio a causas sociais e promover ideias.

Ele é muito utilizado por órgãos públicos e ONGs, mas também está presente no dia a dia de negócios que querem fortalecer a imagem positiva da marca diante do público, além, é claro, de ajudar alguma esfera da sociedade.

Marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo, por sua vez, é uma abordagem que entra no âmbito do inbound marketing. Seu objetivo é levar informação relevante para o público sobre assuntos que entregam valor. Desse modo, a estratégia ajuda o potencial consumidor a percorrer uma jornada de compra com potencial de conversão.

Buzz marketing

Conhecido como marketing viral, o buzz marketing se trata de uma abordagem que busca estimular uma boa movimentação em torno da marca, com gatilhos que despertem a curiosidade e chamem a atenção de uma audiência — seja com mistério, humor, choques ou tabus.

A criação de um plano de marketing

Agora, será que há algum mistério na hora de criar um plano de marketing? Não! Na verdade, cada estratégia tem suas particularidades. Mas a boa notícia é que alguns passos comuns podem ser seguidos na elaboração do seu plano. Antes disso, porém, vamos falar sobre um conceito importante: o CPV.

O ciclo de vida do produto (ou serviço)

O ciclo de vida do produto (CPV) é decisivo na definição de objetivos e cronogramas.

Basicamente, esse conceito se refere a todas as fases pelas quais um produto (ou serviço) passa desde a sua criação até o seu saturamento, isto é, quando ele normalmente se torna menos popular.

Entender isso é importante para que a estratégia de marketing fique alinhada a essas fases e, preferencialmente, ajude a prolongar o CPV. Ignorá-lo é um dos grandes problemas de marketing que podem levar a falhas ou resultados insatisfatórios.

Um produto passa por 4 fases e você consegue entendê-las a partir de um bom conhecimento de mercado e do seu nicho. São elas:

  • lançamento (ou introdução): fase com maior custo e esforço para atração de clientes;
  • crescimento: fase com aumento de vendas e de lucratividade, ideal para se dedicar à fidelização de clientes;
  • maturidade: fase em que o produto é estabelecido como referência no mercado e o objetivo é mantê-lo assim o maior tempo possível, com possíveis atualizações e modificações;
  • declínio: fase em que o produto começa a se tornar obsoleto, o que demanda modificações e ações estratégicas para a promoção dele. Lembrando que o declínio é comum, especialmente em produtos de venda sazonal.

O plano de marketing

Agora sim, com base no CPV e nos outros conceitos que vimos até agora, você pode começar seu plano de marketing seguindo mais ou menos estes passos:

  • defina os objetivos: levando em consideração o alinhamento deles com o propósito do negócio;
  • faça uma pesquisa mercadológica: para entender a situação de mercado, o contexto do produto e as abordagens da concorrência;
  • segmente o público: faça uma boa segmentação de mercado para que a estratégia seja direcionada, de preferência, com a definição de uma buyer persona — ou várias;
  • pense no mix de marketing: depois disso, olhe para seu objetivo, pense na sua persona e defina as iniciativas do mix de marketing para cada produto;
  • estude o orçamento: tendo em vista as iniciativas planejadas no passo anterior, estude o orçamento disponível e defina quais serão os gastos para cada campanha;
  • crie cronogramas: crie um calendário editorial e tenha prazos para tudo! Eles ajudam a manter os processos com um bom andamento e a monitorar os resultados;
  • monitore: os indicadores de marketing são simplesmente fundamentais em estratégias de marketing. Então, dedique-se a escolher quais serão utilizados.

O profissional de marketing

Esse assunto daria um outro artigo só para ele. Afinal, o profissional de marketing pode atuar em muitas áreas, sozinho ou em equipe, atendendo demandas de planejamento ou de execução, e por aí vai.

Só para você ter uma ideia, existe trabalho para:

O que todas essas funções têm em comum? Um profissional com perfil de curiosidade, boa comunicação e interesse por inovações.

O marketing digital: a era dos 8Ps

Depois de tantos conceitos e explicações, está na hora de falar sobre o marketing mais expressivo: o que é feito no ambiente digital.

A internet é uma grande aliada da troca de informações — uma das bases do marketing 4.0 — e, principalmente, um local em que, se você não é visto, não é lembrado. Já ouviu esse provérbio, né?

Aplicar um conjunto de técnicas voltadas ao ambiente online é decisivo para a posição competitiva da marca. Que a verdade seja dita: a internet se tornou praticamente indispensável em nossas vidas e faz parte de muitos aspectos, inclusive, das nossas decisões de compra.

Nesse sentido, aqueles 5 Ps do marketing que abordamos lá em cima passaram por uma revisão e agora são 8! Os 3 novos ingredientes de uma receita de sucesso envolvem:

  • processos: que diz respeito aos procedimentos e metodologias adotados na estratégia. A ideia é que todos os fluxos de trabalho estejam alinhados com o P anterior (Pessoas), isto é, que a experiência do usuário seja protagonista;
  • posicionamento: ligado à interação com a comunidade do negócio, esse P envolve decidir o posicionamento estratégico frente às demandas do público, desde a personalização de produtos até o tom de voz da marca;
  • performance: por último, a performance se refere à produtividade e à qualidade das estratégias. Esse P funciona a partir dos Key Performance Indicators (KPIs, Indicadores-chave de Performance).

Diante dessa nova visão, o marketing digital oferece uma série de técnicas diferenciadas para o ambiente online, como as que listamos a seguir.

Marketing de conteúdo

Já explicamos um pouco sobre marketing de conteúdo, mas ele voltou a aparecer neste post não sem um motivo: é uma das maiores forças do marketing digital! Alguns dos principais caminhos para uma estratégia de conteúdo são:

  • blogs: o melhor local para publicar seus posts, levando em conta a necessidade de entregar valor;
  • vídeos: um formato de conteúdo de enorme aceitação e ótimo para gerar tráfego, isto é, para atrair visitantes e apresentar sua marca;
  • redes sociais: usar estrategicamente as redes sociais para engajar seus leitores e levar o público ao seu blog ou canal de vídeos é excelente.

Search Engine Optimization (SEO)

Mas não basta apenas criar seus conteúdos no formato de blog post, vídeo ou post em redes sociais e esperar para ver se alguém vai encontrá-los. Existem técnicas que servem justamente para facilitar esse contato — é o famoso SEO, ou Otimização para Mecanismos de Busca.

Funciona assim: algumas boas práticas de SEO fazem com que os algoritmos dos buscadores — como o Google — entendam que o seu conteúdo merece ser visto pelo público, já que aparenta ser relevante. Então, as páginas do seu blog começam a subir no ranking do buscador.

Sabe o que isso significa?

Que ao pesquisar alguma palavra-chave no Google, o usuário vai se deparar com o seu conteúdo entre os primeiros resultados, o que aumenta significativamente as chances de que ele clique para acessar o seu blog

Email marketing

O email é uma ferramenta excelente para aumentar o engajamento da audiência com a marca e melhorar os resultados da estratégia. Até porque é muito difícil encontrar alguém que não tenha pelo menos uma conta de email ativa.

Nesse sentido, fluxos de email certeiros são os melhores amigos de uma campanha de marketing digital: a mensagem é altamente direcionada e personalizada, o que garante um retorno muito bom, podendo tornar você ou sua marca uma referência, aumentar as vendas ou estimular o tráfego.

Mídias sociais

Assim como os emails, um bom planejamento de mídias sociais dá muito certo e um dos motivos para isso é que existe muita gente nas redes! No ano passado, já eram 127 milhões de usuários do Facebook no Brasil.

Além de usar as redes para divulgar a movimentação de conteúdos no blog e estreitar o relacionamento com a audiência, as redes sociais também contam com uma funcionalidade nota 10: o impulsionamento pago, capaz de alavancar o alcance da estratégia, sem perder a segmentação de mercado.

Publicidade paga

Falando em anúncios, a publicidade paga é outra técnica que faz parte do dia a dia no marketing digital. Ela ajuda a aumentar o tráfego nos canais digitais e é muito útil para campanhas específicas, como a de remarketing.

Web analytics

Nosso último pilar do marketing digital é o web analytics. Você se lembra do oitavo P? Pois então, o acompanhamento de performance é primordial no ambiente online. A partir de dados e relatórios sobre o desempenho das suas iniciativas digitais, você consegue moldar a estratégia e direcioná-la cada vez melhor.

5 ferramentas de marketing para te ajudar

Para te ajudar nas campanhas de marketing, temos 5 dicas de ferramentas poderosas na otimização de estratégias. Veja!

1. Trello — gerenciamento de projetos

O Trello é uma ótima ferramenta para organizar tarefas, acompanhar o cumprimento de etapas e muito mais. Com seu layout organizado em boards (quadros), é muito visível a influência do sistema Kanban — um dos traços da metodologia ágil.

Outras opções: Asana e Evernote.

2. Google Keyword Planner — busca de palavras-chave

Já quando se trata de definir as bases para a produção de conteúdo, o Keyword Planner é um grande aliado. O planejador de palavras-chave do Google oferece ideias de termos relevantes para o público-alvo, mostrando temas, subtemas e a qualidade das palavras.

Outras opções: Keyword Tool e Ubersuggest.

3. Canva — design e apresentação

Quem quer elaborar materiais mais visuais, como ebooks e infográficos, pode contar com o Canva. Ele é excelente no quesito design, além de servir como uma ferramenta para apresentações muito intuitiva.

Outras opções: Visme e Prezi.

4. Hootsuite — gestão de mídias sociais

Também é possível facilitar a gestão de redes sociais com o auxílio de plataformas próprias para isso, como o Hootsuite. Entre as funcionalidades da ferramenta estão o agendamento de mensagens automáticas, o acompanhamento da interação da audiência, entre outras.

Outras opções: Buffer e Sprout Social.

5. SEMrush — acompanhamento de SEO

O SEMrush é voltado para a análise do desempenho da sua página web e das técnicas de SEO. Essa é uma das ferramentas “de cabeceira” de um profissional de marketing. Se você souber como usar o SEMrush, encontrará uma arca do tesouro em relatórios sobre a sua estratégia e a de concorrentes.

Outras opções: Majestic SEO e Ahrefs.

As oportunidades do marketing

Como vimos, o marketing acompanha a venda de produtos e serviços há muito tempo e é aprimorado a cada dia. Afinal, os hábitos de compra e os perfis do consumidor mudam em uma velocidade impressionante.

Oportunidades no marketing não faltam, mas é importante estar atento a essas transformações para que a estratégia esteja sempre alinhada aos desejos, necessidades e comportamentos dos consumidores, principalmente no contexto digital.

Então, que tal estudar um pouco mais sobre isso? Leia nosso guia completo sobre marketing digital e veja como impulsionar o seu negócio!

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.