Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar A Hotmart está concorrendo ao <b>Prêmio Época ReclameAQUI</b> na categoria Serviços Online!

A Hotmart está concorrendo ao Prêmio Época ReclameAQUI na categoria Serviços Online!

Clique aqui e vote na gente!

Novo currículo: mudanças que o currículo deve sofrer nos próximos anos

Novo currículo: mudanças que o currículo deve sofrer nos próximos anos

O currículo do futuro pode não ser o documento que você conhece hoje. Mas é possível prever as alterações a partir das mudanças que já estão acontecendo?

A forma mais tradicional de avaliação nos processos de recrutamento parece estar próxima da extinção.

Os currículos como conhecemos hoje já estão sofrendo diversas modificações que forçam os candidatos a apresentarem informações diferentes das habituais. Ou melhor ainda, a provar a veracidade das competências colocadas no papel com dados reais.

O futuro do novo currículo está em esforçar-se por uma performance excepcional em tudo o que envolva sua carreira.

Assim, você terá um portfólio rico em projetos e, principalmente, resoluções para “vender” aos recrutadores. Porque cada vez mais a experiência e a determinação em “fazer acontecer” são valorizadas em detrimento de certificados e habilidades subjetivas como “liderança”, “organização” ou “sou muito atencioso e vou preparar café para o escritório inteiro”.

O novo formato será capaz de evitar muita informação desnecessária e filtrar os candidatos de maneira muito mais efetiva. Vai acessar competências específicas para cada empresa e moldar-se mais ao objetivo do recrutador do que do candidato, o qual terá que adaptar seu currículo a cada processo seletivo.

Mas o que isso significa?

Significa que estudar os valores e a cultura da empresa, além dos testes mais comuns em seus processos seletivos, será essencial para o sucesso do candidato.

E que o tempo que você gastava procurando pelo layout ideal e filtrando as informações que iam no currículo será substituído por pesquisas baseadas na pergunta “do que essa empresa precisa e como posso provar que sou capaz de solucionar seus problemas e atender suas necessidades?”.

Currículo cego?

Nome completo substituído por simples iniciais, email adaptado e nenhuma informação pessoal que denuncie gênero, idade, nacionalidade, endereço ou qualquer outro dado do concorrente à vaga.

A ausência de elementos capazes de identificar o candidato é o que caracteriza o novo currículo como “cego”, tendência que tem se espalhado pelo universo corporativo em diversos países, incluindo o Brasil.

De acordo com o consultor da Page Personnel, Lucas Oggiam:

“No Nubank por exemplo, uma parte da seleção é feita às cegas. Empresas que estão pensando à frente consideram isso um avanço natural, mas ainda depende da mentalidade do gestor e da vaga em si”, disse para o site da Revista Exame.

Ainda segundo a revista online, empresas com mais de 50 funcionários já são obrigadas por lei a utilizar o currículo cego na França, por exemplo.

É uma mudança lenta, mas que deve tomar forma no Brasil nos próximos anos.

O objetivo dessa alteração é claro: evitar qualquer tipo de pré julgamento ou favoritismo durante o percurso de seleção.

Principais mudanças

A partir de agora, você verá seu currículo com outros olhos.

Mas, principalmente, enxergará a importância de entender a lógica das empresas quando se trata de recrutamento. Afinal, fica muito mais fácil construir um currículo eficiente e decisivo se você souber o que as organizações de seu interesse esperam encontrar nele e, consequentemente, como surpreender os recrutadores.

 

Então, reunimos as principais possíveis transformações que você deve ter em mente ao pensar em seu currículo tradicional no futuro:

1. (Não) Fale um pouco sobre você

Como já mencionamos, as informações pessoais tendem a desaparecer do documento.

Isso já acontece na Europa e nos Estados Unidos e está gradativamente sendo implementado no Brasil.

Isso não se restringe a características físicas ou dados pessoais, mas abrange até o nome da universidade onde o candidato estudou, por exemplo. O que significa que aquele pensamento de preencher o currículo como uma ficha de hospital já não é válido (e será que já foi um dia?).

2. (Não) Diga X

O uso de fotos no currículo sempre foi uma incerteza. Hoje, está caindo em crescente desuso e as empresas que ainda as exigem são vistas como antiquadas.

Lucas Oggiam recomenda que sejam substituídas por um link para o perfil no LinkedIn ou portfólio, por exemplo, o que, ao contrário de uma simples foto, realmente agrega valor para o novo currículo.

“Não me recordo de nenhum recrutador hoje em dia que tenha contratado alguém sem fazer uma pesquisa sobre o candidato no LinkedIn ou em outra rede social”, disse o consultor da Page Personnel para a Exame.

Então, o tempo que você gastava para conseguir uma boa luz ou encontrar o plano de fundo adequado para sua foto profissional deve ser direcionado para a otimização de seu perfil nas redes ou o enriquecimento de seu portfólio.

3. Resultados, resultados e mais resultados

As principais informações do seu currículo devem ser aquelas que comprovam o que você é capaz de fazer pela empresa para a qual se candidata. E essa é uma regra que já deve ser colocada em prática a partir de agora!

Inclua números, gráficos ou qualquer tipo de dado que ajude o recrutador a visualizar resultados, sejam eles ganhos financeiros, retorno em tráfego ou alcance de uma campanha, por exemplo.

Exemplifique os projetos dos quais você participou e detalhe objetivos que atingiu ou superou.

Em vez de “eu era responsável por…”, tente falar sobre “o que eu fiz pela empresa…”.

4. Justifique seus títulos

A mudança apontada no tópico anterior leva a outra alteração que deve estar presente nos currículos do futuro: a extinção dos títulos.

Termos como “gestor de”, “líder de” ou “responsável por” devem desaparecer devido à subjetividade com que definem um profissional e suas competências.

Não adianta você ter sido líder, se os resultados do seu time ou projeto não são capazes de impressionar quem vai avaliar seu currículo.

5. Currículo em vídeo

Quem participou recentemente de processos seletivos para grandes empresas provavelmente teve que criar um vídeo de apresentação para passar por uma ou mais fases.

Exigência cada vez mais comum, o material em vídeo tem sido amplamente valorizado por processos seletivos devido ao fato de expor algumas características que um currículo em papel não alcança, como a capacidade de comunicação, estruturação de ideias, equilíbrio emocional e mesmo a criatividade, por exemplo.

O formato ainda não é extensamente utilizado como o novo currículo em si, mas já vem sendo enviado a recrutadores como complemento ao documento, a fim de exemplificar uma habilidade ou apresentar um projeto.

E parece que o mercado já está espalhando essa ideia.

Em janeiro deste ano, Wagner Matheus abriu a VC30, uma startup que tem como principal objetivo possibilitar que candidatos gravem vídeos de 30 segundos apresentando suas habilidades e experiências.

O material é avaliado por recrutadores e jornalistas, que orientam sobre aperfeiçoamento antes de o vídeo ser publicado no site junto do currículo tradicional para ser acessado por empresas cadastradas.

“O videocurrículo não pertence ao VC30, e sim à pessoa física”, disse Wagner para o site UOL Economia, acrescentando que, dessa forma, o candidato pode utilizar o link do material para enviar a empresas fora da plataforma.

Entre as principais motivações para a criação da startup estão: participar das inovações no setor de Recursos Humanos e facilitar os processos de seleção, mas também solucionar a falta de retorno dos recrutadores, já que o site permite ao candidato acompanhar quando seu vídeocurrículo foi visualizado pelas empresas.

É uma tendência para se estar atento.

6. Redes Sociais

Em pesquisa realizada em 2015 pela consultoria Robert Half, os executivos brasileiros apareciam em primeiro lugar na lista de profissionais que acreditavam na substituição do currículo tradicional pelas redes sociais.

Apesar de uma substituição por completo ainda não ter acontecido, o uso de plataformas sociais como ferramenta de recrutamento tem sido cada vez mais explorado.

De acordo com a pesquisa, as mídias sociais são utilizadas principalmente para verificação de referências, comunicação com candidatos ou em alguma fase do processo de seleção.

E muitos profissionais têm tirado proveito das funções das redes e da atenção dos recrutadores para expôr o seu trabalho e competências na vitrine que são as mídias sociais.

A estrutura de sites como o Facebook e blogs, por exemplo, tem sido amplamente utilizada como portfólio, funcionando como aliados do currículo.

A vantagem dessa abordagem é que, além de possuir funções capazes de “espalhar” o trabalho de um profissional pela internet, também facilita a comunicação.

É como criar uma comunidade dentro do seu próprio currículo, o que estimula discussões e engajamento, mantendo o trabalho vivo e atraindo a atenção dos recrutadores.

Já está na hora de editar o currículo?

Pode parecer cedo demais para falar em mudanças definitivas, mas as indicações são claras.

O sistema de recrutamento de profissionais e o setor de recursos humanos no geral tem implantado ideias inovadoras que afetam não apenas o pensamento das empresas, mas a abordagem do candidato, que precisa se adaptar a processos seletivos gamificados, novos métodos de apresentação e mesmo perguntas inusitadas durante entrevistas, por exemplo.

Por isso, talvez seja um bom momento para você experimentar novos formatos de currículo. Essa pode ser uma maneira de surpreender recrutadores, já que essas novas características ainda não são extensamente aplicadas.

Inovar no formato é sempre uma boa ideia, contanto que o conteúdo esteja coeso e apresente seu perfil e habilidades de forma a mostrar seu valor como profissional.

Para isso, é importante detalhar os projetos em que você participou, as atividades que realizou e os resultados que obteve. Essas são informações cruciais e as palavras-chave dos novos currículos do presente e do futuro.

Então, mais importante do que se questionar sobre “o que devo inserir no meu currículo?” é pensar “o que posso realizar como profissional para enriquecer minha apresentação para os recrutadores?”.

Já pensou em como a preparação do currículo está muito antes de ligar seu computador e começar a preencher uma página em branco?

Se você está pensando em adequar seu currículo, não deixe de conferir também nossas dicas de atualização de currículo.

Guest post produzido pela equipe da Adzuna.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.