Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Fechar Semana do YouTube

Data: 03/09 a 07/09

Aprenda técnicas para criar conteúdos que engajam e aumente a quantidade de seguidores de seu canal!

Inscreva-se

Qual é o futuro dos youtubers? Entenda as polêmicas e descubra as soluções!

Qual é o futuro dos youtubers? Entenda as polêmicas e descubra as soluções!

Ainda é possível ganhar dinheiro com vídeos na internet?

Quem trabalha com produção de conteúdo sabe como os vídeos estão em alta, atraindo cada vez mais visibilidade e engajamento dos usuários da internet.

O formato é de fácil consumo, dinâmico e ajuda a criar uma relação mais próxima com o público. Por este motivo, o YouTube é uma excelente plataforma para as pessoas que desejam empreender na internet, ganhar autoridade no ramo em que atuam, desenvolver as suas marcas pessoais e atrair audiência.

O site oferece várias ferramentas interessantes para os empreendedores e ainda conta com mais de 1 bilhão de usuários ativos!

No entanto, recentemente a rede social sofreu algumas alterações que prejudicaram os criadores de conteúdo, o que foi – e ainda está sendo – muito discutido. Diante desse cenário, muitas pessoas estão se perguntando como será o futuro dos youtubers. Será este o fim da profissão? Antes de nos desesperarmos é preciso entender melhor a situação.

Neste post, vamos te mostrar os problemas causados por estas mudanças e algumas alternativas para contorná-los.

Quais são as reclamações que os youtubers estão fazendo?

A maioria das pessoas que assiste vídeos na plataforma não sabe como e nem quanto ganha um youtuber, por isso não consegue imaginar como qualquer mudança nas regras pode ser tão decisiva para a continuidade do trabalho.

A reclamação principal dos youtubers se refere exatamente à dificuldade atual de rentabilizar seus canais. Eles apontam causas variadas para esta situação, mas estes são alguns dos fatores mais comentados:

Novas regras do programa de parcerias da plataforma

Em janeiro de 2018 o YouTube informou que a rentabilização dos vídeos será possível apenas para os youtubers com, no mínimo, quatro mil horas de conteúdo visualizado nos últimos 12 meses e 1000 inscritos no canal. Para ter uma ideia do tamanho da mudança, anteriormente a exigência para começar a ganhar dinheiro com vídeos na plataforma era ter 10 mil visualizações.

De acordo com o anúncio feito pelo próprio site, estas mudanças foram realizadas para proteger os criadores de conteúdo consistentes e gerar uma certa estabilidade na renda destas pessoas. No entanto, os criadores com menos influência e público acabam sendo afetados de forma negativa, já que encontrarão mais dificuldades para ganhar dinheiro no YouTube.

Isso prejudica, ainda, aqueles que estavam pensando em começar agora. Sem a certeza de que terão retorno financeiro, muitas pessoas começaram a repensar e desistir dos seus projetos de criar um canal.

Excesso de competição e queda na entrega de conteúdos.

Falamos anteriormente do potencial que o YouTube oferece para as pessoas que desejam empreender na internet, devido ao sucesso dos conteúdos em vídeos. Essa vantagem acabou atraindo milhares de pessoas, que começaram a criar conteúdos diversos e compartilhá-los através da plataforma.

Como os requisitos para rentabilizar os vídeos não eram muito complicados, a quantidade de criadores de conteúdo cresceu exponencialmente.

De um lado, este é um fator muito positivo, pois abriu as portas do empreendedorismo para muitas pessoas que não sabiam por onde começar. Em contrapartida, atraiu um excesso de pessoas falando para o mesmo nicho de mercado, aumentando a competição por visualizações.

Além disso, os youtubers se queixam também de uma diminuição na entrega dos seus conteúdos, que pode ser percebida através dos dados entregues pelo YouTube Analytics. Afinal, uma quantidade alta de concorrentes reduz bastante as possibilidades de um conteúdo chegar até o público desejado, principalmente se os requisitos começam a ficar mais complexos.

Pressão para produzir uma quantidade pré-definida de conteúdos.

Outra crítica feita por vários youtubers se refere à pressão sofrida para criar uma quantidade de conteúdo que nem sempre condiz com a realidade ou com os interesses de cada um.

Eles apontam que, para seguir este número pré-determinado de vídeos e conseguir aumentar a visibilidade e ganho financeiro com a plataforma, estão tendo que trabalhar excessivamente e se desviar do foco de seus canais.

De acordo com alguns relatos, esta cobrança acaba instigando algumas pessoas a criar conteúdos de baixa qualidade e irrelevantes, o que prejudica quem busca realizar um trabalho consistente, criativo e que realmente agregue valor para os usuários.

Desabafos dos youtubers

Vamos compartilhar alguns desabafos de youtubers sobre o assunto:

Hel Mother

Este é o canal criado e mantido pela youtuber Helen Ramos desde 2016, onde ela aborda assuntos relacionados à maternidade e feminismo. Como a própria descrição do canal diz, Helen aborda uma maternidade desromantizada e baseada nos desafios diários das mulheres que se tornam mães.

No vídeo “Chega, estamos exaustas” a youtuber faz um desabafo sobre a dificuldade de conseguir relevância e rentabilizar seus vídeos na plataforma sem que, para isso, tenha que se desvirtuar.

Helen faz uma apresentação rápida da sua equipe, sua trajetória e os motivos que levaram à criação do canal. Ao longo do vídeo compartilha críticas relacionadas às atuais exigências de produção excessiva de conteúdo e à necessidade de mudar as características que definem o seu trabalho para conseguir ganhar dinheiro e audiência no YouTube.

Nunca Te Pedi Nada

Maira Medeiros é a responsável pelos vídeos do canal “Nunca Te Pedi Nada”, criado em 2015. Nos seus vídeos a youtuber fala de maneira descontraída sobre empoderamento feminino, padrões estéticos, machismo e outros assuntos relacionados.

Em “Desabafo: tenho vergonha de ser youtuber?”, vídeo lançado em abril, Maira fala sobre acontecimentos recentes que mancharam a imagem dos youtubers. Ela exemplifica com casos de pessoas que criaram conteúdos ofensivos, sensacionalistas e até mesmo imorais e conseguiram destaque na plataforma devido ao alto número de acessos.

Neste desabafo ela explica como acontece a rentabilização dos vídeos compartilhados na plataforma e questiona quem se sujeita a situações constrangedoras e preconceituosas apenas para ganhar mais visualizações.

A sua crítica vai além de uma simples reclamação da dificuldade de ganhar dinheiro no YouTube e aponta também para as consequências destas ações desesperadas por sucesso para a nossa sociedade.

Ideias Radicais

Raphael Lima criou o seu canal no YouTube para falar sobre política, economia e a filosofia da liberdade. No vídeo “Desmonetização” ele fala sobre as novas regras implementadas pela plataforma e a polêmica do suposto fim dos youtubers.

Ele apresenta uma visão diferenciada sobre o assunto, diz que está tranquilo diante da atual queda da rentabilização dos seu vídeos e apresenta argumentos para justificar seu posicionamento.

O youtuber reforça, ainda, a importância do capital social adquirido através do seu canal e afirma que ele é o que sustenta o trabalho de criadores de conteúdo relevantes.

Quais são as possíveis soluções para os problemas?

Como prometido, chegou a hora de apresentar algumas saídas para os youtubers que estão insatisfeitos e preocupados com as condições atuais da plataforma.

Recorrer a financiamento coletivo

Uma das opções é recorrer a campanhas de financiamento coletivo recorrentes, que servem exatamente para rentabilizar o trabalho dos produtores de conteúdo e incentivar a criação.

Nesta opção, os fãs do trabalho de uma determinada pessoa se dispõem a pagar uma quantia em troca do conteúdo oferecido.

Hoje é comum encontrar sites que viabilizam essas campanhas, e alguns youtubers já estão escolhendo essas ferramentas para continuar seu trabalho.

Criar cursos online

Normalmente, os youtubers que fazem sucesso têm muito conhecimento em um determinado assunto e encontraram uma audiência disposta e interessada em ouvi-los.

Sendo assim, uma outra opção para rentabilizar vídeos é a criação de cursos online para continuar compartilhando este conteúdo e manter a autoridade no mercado.

Estes cursos são formados por aulas totalmente virtuais, disponibilizadas em uma plataforma apropriada para fornecer aos usuários uma experiência de aprendizagem completa e valiosa.

Estas são algumas das vantagens que os cursos online oferecem:

  • Alunos e professores têm flexibilidade de horários;
  • Não há limitações geográficas, pois as aulas não dependem de espaço físico;
  • O conteúdo pode ser divulgado em vários formatos;
  • Por serem virtuais, também têm um ótimo alcance de usuários;
  • Não precisam de altos investimentos financeiros.

Quem deseja empreender neste ramo encontra muitas possibilidades, mas também precisa estar atento a alguns detalhes.

Fazer cursos online pode ser uma opção rentável, porém exige organização, estudo e muita dedicação para que as aulas agreguem valor para os alunos e, assim, consigam gerar renda. O professor precisa entender as demandas da sua audiência e abordar um assunto que realmente interesse.

Além disso, precisa investir em divulgação para ganhar visibilidade e cativar as pessoas. Manter perfis nas redes sociais, criar um blog, fazer anúncios pagos e compartilhar materiais ricos são algumas das estratégias possíveis.

Explorar outras redes sociais

Se o desempenho no YouTube não está agradando, por quê não diversificar e tentar usar outras redes sociais próprias para compartilhamento de conteúdo?

Muitas vezes os criadores se apegam a determinadas plataformas e esquecem de explorar outras opções. Lembre-se que, do mesmo jeito que o YouTube surgiu e cresceu junto com os avanços tecnológicos, outras redes também estão surgindo e ganhando seu espaço no mercado.

Uma das opções disponíveis é o Sparkle, o aplicativo gratuito criado pela Hotmart para fazer seu conteúdo chegar até sua audiência.

Mas como o Sparkle vai me ajudar?

O aplicativo é uma rede social voltada para você criar sua própria comunidade, com foco no conteúdo livre de algoritmos. Mas, além disso, é também a ferramenta ideal para potencializar seu  canal do YouTube e rentabilizar os conteúdos compartilhados através das assinaturas recorrentes do Sparkle.

Confira cinco dicas e veja as possibilidades que você só encontrará no Sparkle.

#01 Integre seu canal do YouTube e notifique  sua audiência

Se os seus assinantes não estão recebendo as notificações dos novos conteúdos, integre agora mesmo o seu canal do YouTube ao Sparkle. No app, todas as pessoas que seguem sua trilha recebem notificações a cada vídeo publicado. Sem complicações; é publicar e notificar! ;)

>> Saiba, neste post, como integrar seu canal ao Sparkle e potencialize a entrega de seus conteúdos.

#02 Crie assinaturas mensais e ofereça trilhas exclusivas

As assinaturas do Sparkle parecem com o sistema de crowdfunding, mas no app é você quem estabelece os valores das ofertas e suas recompensas.

Você pode utilizar as assinaturas, por exemplo, para incentivar o apoio da sua audiência ou oferecer acesso à uma comunidade com conteúdos exclusivos.

>> Entenda mais dessa funcionalidade neste post e crie agora suas assinaturas do Sparkle.

#03 Vincule uma trilha bônus ao seu produto digital

Com as trilhas bônus do Sparkle, todas as pessoas que possuem um produto digital cadastrado na plataforma Hotmart poderão oferecer aos seus compradores trilhas com conteúdos extras.

Somente os usuários com o link da trilha bônus podem acessá-la. Elas podem ser utilizadas para:

  • Publicar materiais extras para quem adquiriu seu produto;
  • Interagir diretamente com os seus compradores;
  • Divulgar novos produtos para uma lista engajada.
  • E muito mais!

#DicaSparkle: Atribua o seu produto digital a uma trilha bônus do tipo Comunidade para que todos publiquem as evoluções e resultados. Isso estimula discussões e gera ainda mais aprendizado.

#04 Diversifique suas mídias de conteúdo

Diversificar a comunicação é uma excelente estratégia para aproximar e criar novas interações com seus seguidores. Além dos vídeos, já pensou compartilhar conteúdos em áudio? A tendência dos podcasts está crescendo e vale a pena apostar.

No Sparkle você pode gravar áudios de até 15 minutos e também criar um vídeo de até três minutos diretamente no aplicativo. E comentar nas publicações com áudio? Também é possível ;)

#05 Centralize todos os seus canais e redes em um só app

Divulgar seus perfis na internet pode não ser uma tarefa fácil. Algumas redes sociais e ferramentas disponibilizam poucas opções para você incluir seus outros canais. Pensando nisso, desenvolvemos as Imagens com Link no perfil do Sparkle. Uma forma simples e fácil de reunir toda a sua presença online em um único app!

Ao incluir as imagens com link, você consegue direcionar as pessoas que te seguem a qualquer destino, seja ele um site, blog, fórum, landing pages, loja virtual e até mesmo página de vendas.

Que tal começar a utilizar o Sparkle agora mesmo? Compartilhe o que você faz de melhor  e acenda suas ideias!

Baixe aqui na App Store | Baixe aqui no Google Play Dúvidas ou feedback? Entre em contato com a gente pelo e-mail support@sparkle.com.br

Para saber tudo o que o app pode fazer por você confira nosso post com todas as novidades imperdíveis do Sparkle.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.