Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

O que é marketing digital? Guia completo com tudo o que você precisa saber

O que é marketing digital? Guia completo com tudo o que você precisa saber

Entenda de uma vez por todas como usar o marketing digital para impulsionar seu negócio!

O marketing digital contempla quaisquer ações desenvolvidas na internet para divulgar uma marca ou produto. E isso envolve o uso de diversos canais online, como páginas web e e-mail, além do acompanhamento em tempo real dos resultados.

A internet já faz parte de nossas vidas. É praticamente impossível pensar em qualquer atividade cotidiana que não tinha sido impactada pela transformação digital.  E isso inclui os hábitos de consumo!

Hoje em dia, é cada vez mais comum usarmos a internet para se informar sobre um produto ou serviço, pesquisar preços e até comprar. De fato, 82% dos brasileiros já fez pelo menos uma compra online, de acordo com pesquisa da NZN Intelligence

E o objetivo do marketing sempre foi se conectar com a audiência, conversando com ela no lugar e no tempo certos. Portanto, se você pretende empreender online, precisa estar presente onde o público passa a maior parte do tempo: a internet.

Foi pensando em todo o potencial dessa estratégia que preparamos este artigo. Nele, você vai conferir o que é marketing digital, suas principais estratégicas e como colocar ele em prática em seu negócio.

Veja só o que você encontrará neste conteúdo:

Índice
  1. O que é marketing digital
  2. Vantagens do marketing digital
  3. Estratégias de marketing digital
  4. Como fazer um plano de marketing digital
  5. Métricas de marketing digital
  6. Ferramentas de marketing digital

O que é marketing digital

Podemos definir marketing digital como todas as ações que usam a internet ou dispositivos eletrônicos para divulgar um produto ou uma marca. Atualmente, é uma das principais estratégias para alcançar e se relacionar com clientes em potencial.

Você já sabe que o conceito de marketing está relacionado a conduzir o cliente até a compra, além de satisfazer suas necessidades e desejos.

Só que o jeito como isso é feito mudou muito ao longo do tempo, acompanhando os avanços tecnológicos e os hábitos da população. Nesse sentido, não dá para ignorar que, atualmente, a uma grande parcela da população está conectada e usa a internet para comprar.

E é por isso que o marketing digital se transformou na principal maneira de fazer marketing e alcançar o público nos dias de hoje. Ele é a estratégia mais eficiente, já que emprega os canais que o público já utiliza.

Para saber mais sobre essa estratégia, confira o Hotmart Tips que preparamos sobre o assunto:

Como o marketing digital surgiu

O marketing digital, como você já deve imaginar, nasceu com a explosão da internet nos anos 1990, quando os computadores pessoais e a conexão discada começaram a invadir as casas de milhões de pessoas.

Nessa época, a tecnologia era muito limitada e as páginas bastante simples. A interação entre empresas e clientes era praticamente inexistente e a comunicação era unilateral. Era a chamada Web 1.0.

Por volta dos anos 2000, a tecnologia avançou, o número de internautas aumentou e o marketing digital começou a tomar forma. Foi nessa época que surgiram as primeiras redes sociais e o Google ganhava espaço como ferramenta de busca.

Com mais gente conectada, as empresas passaram a investir cada vez mais em divulgação online e novas maneiras de se relacionarem com o público.

Teve início a era da Web 2.0, mais participativa e centrada nos interesses da audiência, que vivemos até hoje. 

Quais as vantagens do marketing digital

Deu para perceber como o marketing digital transformou a relação das empresas com seus consumidores. Mas por que essa estratégia é importante? Quais os benefícios reais para seu negócio?

Confira algumas das principais vantagens do marketing digital:

1. Mais interatividade com a audiência

Uma das características que fazem o marketing digital ser cada vez mais adotado em relação aos meios de comunicação tradicionais é a interatividade com o público que ele oferece.

Pense bem: uma propaganda em jornal ou um anúncio na TV representam um modelo de comunicação de mão única. A marca transmite uma mensagem, mas não estabelece um diálogo com a audiência.

Com os canais digitais, por outro lado, o público consegue interagir com as marcas, opinar sobre produtos e serviços e compartilhar conteúdos, tudo com um simples toque.

2. Permite segmentar o público com precisão

Um dos maiores problemas do marketing tradicional é que não existe controle sobre quem é impactado por uma campanha. É até possível escolher um jornal ou uma emissora de TV mais alinhada ao perfil do público-alvo da marca, mas isso não garante que essas pessoas terão real interesse no produto ou serviço.

Com o marketing digital, por outro lado, é possível direcionar as mensagens e conteúdos para as pessoas certas. Ou seja, apenas para aqueles usuários com o perfil ideal para seus objetivos.

Nos canais online, você pode segmentar o público com muito mais precisão por meio de características como faixa etária, gênero, nível de escolaridade, localização geográfica e até gostos e hábitos de consumo!

Assim, você tem uma campanha mais certeira e que conversa de verdade com o consumidor. E quando seu conteúdo está alinhado aos interesses do público, a chance dele fechar negócio com você é muito maior.

3. Economia de custos

Você já parou para pensar em quanto custa para investir em uma estratégia de marketing offline, como uma série de anúncios na TV ou em um jornal de grande circulação? Acredite, é muito caro!

O marketing digital, por outro lado, exige menos recursos e profissionais para ser colocado em prática. Anúncios em redes sociais, por exemplo, exigem apenas uma fração do investimento de uma estratégia offline.

Além disso, como é possível segmentar o público com muito mais precisão, os recursos são investidos com muito mais eficiência, reduzindo o desperdício.

4. Qualquer empresa pode investir

Como o marketing digital é uma estratégia muito mais barata que o marketing tradicional, podemos dizer que também é mais democrático!

Enquanto comerciais em TV, anúncios em jornais e outdoors costumam ser ações reservadas para empresas de grande porte, o marketing digital pode ser aplicado por qualquer um.

A internet permite que até mesmo pequenos empreendedores digitais, como Produtores e Afiliados, usem os canais online para divulgarem suas marcas e produtos sem gastar muito e sem precisar de grandes equipes.

5. Permite analisar e mensurar as ações

Quando você divulga um anúncio em uma revista, dificilmente consegue determinar quantas pessoas foram atingidas pelo conteúdo e a porcentagem delas que adquiriram o produto ou serviço depois de ver a peça.

Isso não acontece com o marketing digital!

Graças à segmentação, você é capaz de direcionar sua comunicação para o perfil exato de seu público-alvo. Além disso, as ferramentas online permitem acompanhar em tempo real os resultados das campanhas com total precisão.

Principais estratégias de marketing digital

Com tantas vantagens, você não vê a hora de começar a aplicar essa estratégia em seu negócio, não é?

Mas como fazer marketing digital?

Bem, como a internet é um universo bastante amplo e a tecnologia não para de evoluir, não existe uma única maneira de fazer marketing digital.

Na verdade, existem dezenas de estratégias de marketing digital e novas táticas aparecem todos os dias. Porém, todas elas têm como objetivo de fortalecer uma marca e estreitar o relacionamento com o público.

Marketing Digital - infográfico com os 8 principais tipos de estratégias de marketing digital

Abaixo, você confere as estratégias mais comuns do mercado:

Inbound marketing

O inbound marketing, também chamado de marketing de atração, tem como objetivo atrair as pessoas, despertando o interesse do público nos produtos e serviços da marca.

Nessa estratégia, as empresas procuram compreender as dores e necessidades dos clientes em potencial para oferecer soluções mais assertivas para seus desejos e necessidades.

Ao contrário do marketing tradicional, onde o consumidor é passivo e apenas recebe a mensagem, no inbound ocorre o contrário. É o cliente que procura a empresa quando percebe que tem um problema.

Essa estratégia permite estabelecer um canal de comunicação e relacionamento com o público, criando uma audiência cativa e fiel. E como resultado, empresas que apostam nessa estratégia conseguem gerar 54% mais leads, de acordo com o WebDAM.com.

E com a internet e as ferramentas digitais, existem diversas maneiras de fazer esse processo de atração. O mais comum é a produção de conteúdo, ou seja, informações relevantes e que ajudam a resolver problemas.

É o que chamamos de marketing de conteúdo, que vamos explicar no tópico a seguir:

Marketing de conteúdo

Como explicamos, uma das maneiras de despertar o interesse do público em sua marca é oferecer conteúdos e informações relevantes, que o ajude a solucionar seus problemas. E esse é justamente o objetivo do marketing de conteúdo.

Mas, para isso, é fundamental conhecer bem sua persona, que é o perfil de seu cliente ideal. Com isso, fica fácil criar conteúdos mais direcionados, que conversam diretamente com as dores do público. E, assim, gerar mais brand awareness para a marca, atrair tráfego qualificado e gerar leads.

E para aumentar ainda mais o alcance desses conteúdos, é importante oferecê-los em canais que o público-alvo costuma utilizar. Existem diversos meios para isso e os mais comuns são:

Blog

Criar e alimentar um blog é a estratégia de marketing de conteúdo mais comum e também uma das mais interessantes.

Afinal, o blog é um canal exclusivo de seu negócio, sem qualquer tipo de interferência comum em outros canais. Lá, você pode publicar o que quiser, quando quiser e do jeito que quiser, com total liberdade sobre os conteúdos produzidos.

Ter um blog ainda permite que sua marca ganhe relevância na rede e conquiste as primeiras colocações em mecanismos de busca. Isso dá mais visibilidade e aumenta as chances de atrair novos clientes.

Segundo dados da Hubspot, empresas B2B que possuem blog geram 67% mais leads do que as empresas que não têm.

Site

Por mais que seu negócio já tenha um blog, não pode deixar de ter também um site institucional.

Isso por que ele funciona como a casa da marca, reunindo em um só lugar as informações mais relevantes sobre seu negócio.

Dessa maneira, quando alguém pesquisar informações sobre você e seus serviços, terá mais segurança de que seu negócio é realmente confiável.

Além disso, o site pode servir como um canal onde as pessoas podem solicitar seus produtos e serviços, tirar dúvidas e entrar em contato com você.

Redes sociais

Outro excelente canal para interagir, se comunicar com o público e oferecer conteúdo de qualidade são as redes sociais.

Já não dá mais para falar em marketing digital sem citar as mídias sociais. Isso porque esses canais se tornaram extremamente populares entre as pessoas. Principalmente aqui no Brasil, onde 88% da população utiliza esses serviços.

Facebook, Instagram, YouTube, Twitter… Além de interagirem entre si, os usuários desses canais também podem se aproximar de suas marcas favoritas, buscando informações sobre seus produtos e serviços.

Assim, uma estratégia de marketing de conteúdo que inclua a gestão de mídias sociais pode ajudar a aumentar o alcance, a visibilidade e o número de vendas de seu negócio. Segundo o site Ironpaper, 93% das decisões de compra são influenciadas diretamente pelas redes sociais.

Materiais educativos

Às vezes, um simples blogpost ou uma publicação no Facebook não traz informações suficientes para o público. Nesses casos, um conteúdo mais aprofundado pode ser necessário.

E-books, infográficos, tutoriais e webinars são apenas alguns exemplos de materiais educativos capazes de responder às dúvidas da audiência.

E o melhor de tudo é que você ainda pode condicionar o acesso a esses materiais a um cadastro em landing page. Dessa maneira, você trabalha a geração de leads de seu negócio.

Vídeo marketing

Os vídeos estão se transformando no tipo de conteúdo mais pedido e consumido pelos internautas. E faz sentido, já que são mais fáceis de consumir e entender do que um texto, por exemplo.

De acordo com a Pesquisa Video Viewers do Google, entre 2014 e 2018, o consumo de vídeos na internet cresceu em 135%, enquanto a TV apresentou apenas 13% de aumento.

E com os avanços tecnológicos dos últimos anos, empresas de qualquer porte podem entrar no universo da produção audiovisual. Por causa disso, diversas empresas estão apostando no vídeo marketing como a base de suas estratégias de marketing digital.

Além disso, os vídeos são bastante versáteis e se encaixam em praticamente qualquer estratégia de marketing. Você pode fazer vídeoaulas, transmissões ao vivo, webinars, vídeos de demonstração de produtos, entre outros formatos.

E-mail marketing

O correio eletrônico não morreu e a prova disso é a grande quantidade de negócios que usam o e-mail marketing para se comunicarem com o público.

Essa estratégia consiste no envio de mensagens de e-mail para uma lista de contatos e pode ser utilizada para fortalecer a marca, divulgar produtos e serviços, se comunicar com potenciais clientes e vender.

E os números confirmam o poder desse canal. Segundo dados do Hubspot, negócios que utilizam o e-mail marketing conseguem gerar até 50% mais leads qualificados, com mais chances de comprar.

Uma grande vantagem desse tipo de conteúdo é que ele permite segmentar as listas e acompanhar de perto dados como alcance, abertura e respostas.

SEO

Não adianta criar conteúdos incríveis se ninguém na internet for capaz de encontrá-los. E é para fazer sua marca ter mais visibilidade e credibilidade na rede que existe o SEO, ou Search Engine Optimization.

A otimização para mecanismos de busca tem como objetivo levar um conteúdo para as primeiras posições nos resultados de busca e, assim, atrair tráfego orgânico (ou seja, sem pagar por anúncios).

E por que isso é importante? Simples. Dados de uma pesquisa da Internet Marketing Ninjas sobre cliques orgânicos no Google constatou que o primeiro lugar ganha 21% dos cliques, o segundo 10% e o terceiro 7%.

Ou seja, é fundamental apostar no SEO para atrair tráfego orgânico e qualificado para seus canais.

Funciona assim: os sites de pesquisa, como o Google, classificam conteúdos online de acordo com sua relevância para o usuário. Então, o SEO busca otimizar essas páginas de modo a mostrar aos motores de busca que seu site ou blog oferece a melhor experiência para o usuário e as respostas que ele busca.

Essas otimizações podem ser divididas em on page (que podem ser realizadas dentro da própria página) e off page (fatores externos à página).

Mídia paga

Não pense que o marketing digital consiste apenas em tentar atrair tráfego orgânico. Ele é o foco de grande parte das ações, já que não é necessário pagar por ele.

Entretanto, existe outra modalidade de estratégia que busca promover conteúdos por meio de anúncios: é a mídia paga, ou publicidade online.

A grande vantagem da publicidade online em relação à publicidade tradicional é a possibilidade de segmentar o perfil do público que será atingido pelos anúncios (idade, gênero, escolaridade, localização etc).

Isso garante campanhas com mais efetividade e custo-benefício, já que os investimentos iniciais são menores e o retorno é maior.

Por fim, existem diversas formas de anunciar na internet, como links patrocinados, anúncios em redes sociais, remarketing, banners e promoção de conteúdo.

Marketing de afiliados

Se você possui um produto – seja ele digital ou físico – ou possui muitos seguidores nas redes sociais e blog pessoal, pode se beneficiar do marketing de afiliados.

Nessa estratégia, o Afiliado divulga o produto ou serviço de um empreendedor ou empresa, (chamado de Produtor) em seu blog, site ou redes sociais. Em troca, recebe uma comissão por cada venda realizada.

Esse modelo permite ao Afiliado rentabilizar seus canais online, ao mesmo tempo em que oferece aos Produtores novos canais de divulgação. E os clientes também ganham mais canais para pesquisar sobre produtos e fazer uma decisão de compra assertiva.

Existem diversas plataformas que unem empreendedores interessados em aumentar as vendas com pessoas dispostas a divulgar produtos, como o Programa de Afiliados aqui da Hotmart.

CRO

Um dos aspectos mais importantes de qualquer esforço em marketing digital é a conversão. Ou seja, trazer usuários para a base da marca e levá-los até o fundo do funil de vendas.

A estratégia de CRO, ou otimização de conversão na sigla em inglês, permite saber onde as conversões não estão sendo bem exploradas em um blog ou site, realizando o que for necessário para melhorar os índices de conversão.

Durante o processo de otimização de conversão, é necessário revisar todos os pontos de contato com o lead/cliente do negócio para entender o que pode melhorar para que a conversão seja atingida.

Como fazer um plano de marketing digital

Depois de conhecer as principais estratégias, é hora de colocar a mão na massa e criar um plano de marketing digital!

O primeiro passo para fazer isso é estabelecer objetivos claros para, em seguida, traçar as ações necessárias para alcançá-los.

Por exemplo, se você quer aumentar as vendas de um novo serviço, o aumento no número de leads qualificados pode ser um bom objetivo.

Com isso, e considerando sua persona, os recursos disponíveis e os concorrentes, é possível traçar as ações necessárias para que o objetivo seja alcançado.

Parece complexo, não é? Felizmente, existem alguns passos que ajudam a estruturar um bom plano de marketing:

1. Definição de objetivos e metas

O que você espera alcançar com uma estratégia de marketing digital?

Essa pergunta deve nortear todo seu trabalho. Sem um objetivo claro em mente, dificilmente você será capaz de estruturar quais os próximos passos a serem tomados ou entender se a estratégia está dando certo ou não.

Por exemplo, se sua marca ainda está começando no mercado online e não possui presença online, seu objetivo pode ser aumentar o tráfego no site.

Em seguida, você pode traçar objetivos específicos e metas secundárias que podem ajudar a atrair mais tráfego, como publicar conteúdos semanais no blog, divulgar os posts nas redes sociais, investir em links patrocinados etc.

Na hora de decidir qual seu objetivo, tenha em mente que ele precisa fazer sentido para seu modelo de negócios, ser atingível e mensurável. Qualquer erro na definição pode prejudicar toda a estratégia.

2. Escolha de KPIs

Com o objetivo definido, é hora de escolher os indicadores responsáveis por medir o sucesso ou fracasso de sua estratégia.

Os KPIs, ou Key Performance Indicators, são responsáveis por medir se uma estratégia ou ação está dando certo e ajudando a marca a alcançar seus objetivos.

Por exemplo, se sua meta é ligada ao aumento do tráfego orgânico, um indicador válido é o número de visitas em seu blog ou site.

Lembre-se que esses indicadores precisam fazer sentido para seu negócio, já que deles dependerão todas as etapas seguintes.

3. Criação da persona

Para que seu plano de marketing dê certo, não basta só ter objetivos bem definidos. Também é necessário conhecer o perfil usuário que você espera atingir para detalhar como as ações serão colocadas em prática.

É por esse motivo que a criação da persona não pode ficar de fora de seu plano estratégico. Conhecida também como avatar, a persona é uma representação de seu comprador ideal e reúne características demográficas e comportamentais. como gênero, idade, cargo, hábitos de consumo, hobbies, estilo de vida e desafios enfrentados.

Com esses dados, você consegue definir o melhor tom de voz para interagir com o público, as melhores ferramentas, o formato de conteúdo, o design mais eficiente, entre outros detalhes importantes para o sucesso de sua estratégia.

Para criar uma persona, fuja de achismos. Se você já tem uma audiência online, use ferramentas como Google Analytics e Facebook Insights para ter acesso a dados reais sobre seu público. Também vale analisar a audiência dos concorrentes e até fazer pesquisas com seu público-alvo.

https://youtu.be/Xw_CGDiY3BA

4. Escolha da estratégia mais adequada

Com sua persona definida, o próximo passo é escolher e descrever quais estratégias serão desenvolvidas para alcançar os objetivos.

Como já mostramos, existem dezenas de estratégias de marketing que você pode implementar em seu negócio. Mas a escolha precisa ser feita com muito cuidado.

Para não errar nessa etapa, leve em consideração seus objetivos e o perfil da persona, escolhendo a estratégia mais adaptada ao público que você quer atingir e que mais pode ajudar você a alcançar suas metas.

5. Criação do plano de ações

Agora que você já sabe qual estratégia de marketing será implementada, procure estruturá-la de maneira detalhada.

É importante definir os melhores formatos de conteúdo que serão criados, o volume e a periodicidade de produção desses materiais e os canais de distribuição.

Em seguida, liste todos os recursos necessários para que essas tarefas sejam feitas e o prazo de conclusão de cada uma delas.

Organize tudo em um cronograma ou calendário editorial para que toda a equipe tenha acesso a esses dados.

Mas não se prenda demais a prazos ou orçamentos. Seu plano de ações pode e deve mudar de acordo com as circunstâncias. Portanto, atualize-o sempre que necessário.

6. Mensuração de resultados

Por fim, mas não menos importante, é hora de acompanhar os resultados de sua estratégia de marketing.

Você se lembra que um dos critérios para escolher um objetivo para sua estratégia era ele ser mensurável? Isso ajuda a determinar se os resultados foram alcançados e se algum processo precisa ser aprimorado.

Sempre que concluir uma tarefa ou ação importante, avalie todos os números, compare-os com os resultados anteriores e identifique algum ponto de melhoria. Dessa maneira, fica mais fácil repetir os acertos e evitar os erros cometidos.

Métricas de marketing digital

Uma das maiores vantagens do marketing digital é que ele permite documentar, acompanhar e avaliar de perto se todas as ações estão dando o resultado esperado. Algo que o marketing tradicional não permite.

Assim, você ou sua marca consegue tomar decisões mais assertivas, baseadas em dados reais e seguros.

Ao avaliar a performance de seu blog ou site, por exemplo, você pode avaliar uma das seguintes métricas:

  • Visitantes únicos: o número de pessoas que acessam sua página;
  • Sessões: conjunto total de interações, como visualizações e cliques na página, de um usuário;
  • Tráfego orgânico e pago: número de sessões originadas de serviços de busca ou campanhas pagas;
  • Taxa de rejeição: porcentagem de usuários que realizam apenas uma visita, sem interagir com a página;
  • Taxa de conversão: relação entre o número de visitas e a quantidade de conversões realizadas;
  • Links externos: número e qualidade de links de outros domínios que direcionam para seu site ou blog.

Essas, porém, não são as únicas métricas de marketing digital. Existem dezenas delas e é importante escolher as mais adequadas a seu negócio.

Confira abaixo outros dados que você pode (e deve) acompanhar:

ROI

O Retorno Sobre Investimento é uma das métricas mais importantes do marketing digital. Ele indica a lucratividade das ações que o negócio coloca em prática.

De maneira resumida, o ROI calcula o retorno obtido com base no investimento realizado. Esse indicador também pode revelar o total de perdas que seu negócio teve com algum investimento.

A fórmula geral do ROI é:

ROI = (receita – custo do investimento) / custo do investimento

Por exemplo, uma empresa teve um faturamento de R$ 100 mil em determinado ano. Nesse mesmo período, o investimento foi de R$ 10 mil.

Com base na fórmula, é possível concluir que o ROI da companhia foi de 9. Ou seja, cada real investido trouxe R$ 9 de lucro.

Custo de Aquisição de Clientes (CAC)

O CAC é uma métrica que indica o investimento médio feito pelo negócio para conquistar um cliente.

Por exemplo, se a mesma empresa do exemplo anterior investiu R$ 10 mil para prospectar clientes e conseguir apenas 10 clientes, terá um CAC de R$ 1 mil.

Receita Mensal Recorrente (MRR) e Receita Anual Recorrente (ARR)

Essas duas métricas andam juntas e ajudam a prever a receita gerada pelo negócio.

Especialmente útil para quem trabalha com SaaS (software as a service), essa métrica permite avaliar a performance de empresas que vendem produtos com uma grande variedade de preços ou cujo pagamento é recorrente.

Ao calcular a receita mensal ou anual recorrente, é possível identificar padrões de crescimento do faturamento da empresa com mais segurança.

Custo por Lead (CPL)

Como o nome indica, essa métrica mostra quanto a empresa gastou para gerar um novo lead, de maneira bastante similar ao CAC.

Essa métrica é extremamente importante, já que a geração de leads é um dos maiores objetivos de uma estratégia de marketing digital.

Custo por Aquisição (CPA)

Diferentemente do CAC, no CPA a aquisição é definida pelo próprio negócio, de acordo com seus objetivos. Pode ser um novo contato ou um lead qualificado, por exemplo.

Uma dica é comparar o CPA com a receita que cada aquisição gerou. Assim, se o CPA for maior que a RPA (receita por aquisição), é um sinal de que a estratégia apresenta falhas.

Taxa de retenção e Churn

Embora ninguém goste de perder clientes, é fundamental saber quantas pessoas estão deixando de usar seus produtos e serviços.

A retenção é calculada usando o total de clientes no começo e no fim de um período junto com o número de novos clientes. Assim:

Taxa de retenção = [(Clientes no fim do período – novos clientes) / clientes no começo do período] * 100

A taxa de retenção é sempre igual a 1 – a taxa de desistências, ou churns. Ou seja, essas duas métricas representam basicamente a mesma coisa.

Por exemplo, um negócio começa o mês com 150 clientes e encerra o período com 175. Nesse intervalo, a empresa conquistou 35 novos clientes e teve 10 cancelamentos, resultando em 10 clientes extras.

Com isso, a taxa de retenção no período foi de 93,3% dos clientes, com uma taxa de desistência de 6,7%

Ferramentas de marketing digital

Outro aspecto que faz do marketing digital tão vantajoso é a quantidade de ferramentas que ajudam a administrar e acompanhar as ações e resultados.

Essas ferramentas e serviços ajudam a filtrar as informações mais importantes para entender o desenvolvimento da estratégia.

A seguir, você confere algumas das principais ferramentas de marketing e seus diferentes usos:

1. SEO

Otimizar conteúdos e conquistar boas colocações nos resultados de busca fica muito fácil com o uso das ferramentas corretas.

Pesquisa de palavras-chave

As ferramentas de palavras-chave permitem ao usuário descobrir as melhores oportunidades de termos para explorar em seus conteúdos, além de identificar o volume de buscas e a competitividade de cada termo.

Os principais serviços desse tipo são:

SEO técnico

Já as ferramentas de SEO técnico apresentam funções mais específicas, ajudando a checar a autoridade de um domínio, identificar e corrigir erros de SEO e encontrar conteúdos duplicados.

Para esse processo, costumam ser utilizadas as seguintes ferramentas:

Backlinks

Para chegar a qualidade dos backlinks que seu site recebe e quais devem ser removidos, é importante usar uma das ferramentas abaixo:

2. Análise

Para saber se sua estratégia está alcançando os resultados esperados, é importante usar ferramentas de análise para acompanhar alguns dados.

Análise de métricas

Muitas ferramentas que citamos aqui já disponibilizam serviços de análise de métricas e que são bastante úteis.

Entretanto, algumas ferramentas de análise podem ser usadas de maneira estratégica para aumentar sua compreensão dos dados e métricas disponíveis. Por exemplo:

Análise de concorrência

Um dos segredos do sucesso de uma estratégia de marketing digital é acompanhar a concorrência. Dessa maneira, você consegue identificar pontos de melhoria e até aprender com seus acertos e erros.

Diversas ferramentas auxiliam nesse processo, fazendo comparativo de palavras-chave, backlinks, tráfego e outros dados importantes. Entre elas, as mais comuns são:

3. Design

O design, seja do site ou das imagens postadas nas redes sociais, é um aspecto bastante importante. Afinal, a comunicação online é quase que totalmente baseada em conteúdos visuais.

Nesse sentido, é importante usar ferramentas que facilitem a criação de peças.

Ferramentas de imagens

O visual de um site ou blog ajuda na conexão do público com a marca, além de comunicar a identidade do negócio. Assim, qualquer descuido no design pode prejudicar toda a estratégia.

Existem muitas ferramentas e serviços, como bancos de imagens, que permitem baixar, criar, editar e tratar imagens. Os principais são:

Ferramentas de vídeos

A produção de vídeos está cada dia mais popular e já é uma das ações de marketing digital mais eficientes. Não é à toa que cada vez mais marcas e empreendedores investem nessa estratégia.

Diversas ferramentas permitem editar vídeos, fazer cortes, adicionar efeitos, inserir trilha sonora, criar vinhetas, motion graphics, entre outras funções. Por exemplo:

4. CRO

Para acompanhar o processo de conversão de sua estratégia online, algumas ferramentas podem ajudar. Com elas, você consegue acompanhar os leads pela jornada de compra e identificar os pontos de melhora.

Boas ferramentas para essa tarefa são:

5. Automação de marketing

Hoje em dia, o trabalho que um profissional de marketing precisa desenvolver é muito grande. Disparar e-mails para a base de leads, acompanhar o trajeto de cada um pelo funil, elaborar conteúdos, analisar métricas, entre muitas outras.

Felizmente, muitos serviços permitem integrar e automatizar boa parte desse trabalho, além de realizar testes A/B e elaborar fluxos de trabalho.

São elas:

6. Relacionamento interno

Caso seu negócio seja de médio ou grande porte, é fundamental manter uma boa comunicação entre os diversos setores da empresa e organizar os fluxos de trabalho.

Algumas ferramentas podem ajudar nisso:

7. Redes sociais

Não dá para falar em marketing digital sem citar as redes sociais. Mas gerenciar esses canais demanda muito tempo dos profissionais, que precisam elaborar e agendar posts, responder usuários e acompanhar métricas, muitas vezes em diversos serviços diferentes.

Nesse sentido, algumas ferramentas ajudam a centralizar os dados em um só lugar e até automatizar tarefas. Algumas delas são:

8. E-mail

O e-mail marketing continua sendo um dos canais mais eficientes para se relacionar com o público.

O problema é que, com bases de contatos cada vez maiores, fica difícil gerenciar tudo corretamente. Elaborar mensagens, acompanhar os contatos, mensurar os resultados e traçar estratégias vira uma tarefa quase impossível.

Nesse sentido, diversas ferramentas podem ajudar, automatizando processos e gerando relatórios automáticos. Algumas delas são:

Tudo pronto para fazer marketing digital?

Como deu para perceber depois da leitura deste artigo, o marketing digital é uma estratégia bastante ampla, porém essencial nos dias de hoje. Portanto, você não pode deixar de investir nele!

Embora pareça algo complexo, acredite, o principal ponto para ter sucesso nessa empreitada é sempre procurar entregar valor para o público.

Não importa se você vai elaborar um blog, criar perfis nas redes sociais ou produzir vídeos para seu negócio. O importante é ter em mente os interesses e necessidades do público ao criar seus conteúdos.

Além disso, procure sempre se atualizar. O ambiente digital é muito dinâmico e a todo momento surgem novas tecnologias, estratégicas, técnicas e conceitos. Inovar vai ajudar você a estar à frente dos concorrentes em seu nicho de mercado e a conquistar a preferência da audiência.

São várias as estratégias de marketing digital, mas o importante é começar a testá-las e dar ênfase naquelas que geram mais retorno para seu negócio.

Se você gostou deste post, quer trabalhar na internet, mas ainda não sabe como começar, conheça o Desafio 30 Dias da Hotmart, um curso que te ensina a criar seu produto digital em um mês, de graça, usando ferramentas disponíveis na internet. Já imaginou colocar seu primeiro produto digital à venda daqui a 30 dias? Então vai lá!

Este conteúdo foi originalmente escrito em março de 2018 e atualizado para conter informações mais completas e precisas.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.