Fechar Notificações

Não perca mais nada!

Ative as notificações do blog para ser avisado sempre que tiver conteúdo novo!

Fechar Newsletter

JUNTE-SE A MILHARES DE EMPREENDEDORES DIGITAIS!

Receba os melhores conteúdos para crescer seu negócio online.

Síndrome de Burnout: entenda como evitar o esgotamento profissional

Síndrome de Burnout: entenda como evitar o esgotamento profissional

O esgotamento físico e psicológico é comum no ambiente de trabalho. Descubra como a Síndrome de Burnout pode ser combatida!

Você sabia que os transtornos mentais são a terceira maior causa de abstenção no trabalho?

Apesar de ser um problema comum, ele ainda é tratado como tabu pelas empresas.

Isso porque são facilmente associados à loucura e, até mesmo, à “frescura” — o que não condiz com a realidade. Por esse motivo, é cada vez mais comum vermos profissionais com a Síndrome de Burnout.

Neste post, trataremos do impacto que a doença tem tido no mundo atual, de como ela pode afetar o trabalho e também dos principais sintomas para poder ficar de olho. Continue a leitura e confira!

Afinal, o que significa Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, é considerada um distúrbio psíquico definido em 1974 pelo psicólogo alemão Hebert J. Freudenberger.

Ela está associada a um estado de tensão emocional e estresse crônico, ambos provocados pelas condições de trabalho oferecidas ao trabalhador. Isso abrange os aspectos físicos, emocionais e psicológicos.

Vale esclarecer um ponto importante, a origem do termo. O burnout é um vocábulo constituído de duas palavras de origem inglesa: burn (queimar) e out (por inteiro). Isso o difere do estresse, com o qual é comumente confundido. Esse último pode aparecer em diferentes contextos, enquanto o primeiro é motivado pelo esgotamento em relação à atividade ou ao ambiente laboral.

Em que o esgotamento profissional pode afetar?

Os custos do esgotamento profissional são altos tanto para as organizações quanto para seus colaboradores. As pessoas que apresentam tal síndrome costumam ter uma queda drástica na produtividade, perdem oportunidades, estão mais propensas a erros, atrasam a entrega de projetos, entre outros.

Por sua vez, o negócio também é afetado. Ele passa a sofrer com acidentes de trabalho e aumento nos gastos com saúde do trabalhador, começa a apresentar problemas com a má gestão (dependendo da pessoa que está com a síndrome) e com alta rotatividade de colaboradores etc.

As consequências disso são a perda de clientes, o comprometimento da saúde dos funcionários e a diminuição da competitividade organizacional.

Quais são os principais sintomas da Síndrome de Burnout?

A identificação do esgotamento pode começar nos menores sinais. No entanto, ao longo do tempo, eles vão se tornando cada vez maiores, e é quando há a eclosão da Síndrome de Burnout. Abaixo, conheça alguns dos principais sintomas.

Queda acentuada da produtividade

Imagine que nada mais é como antes. A produtividade despencou e você não consegue mais realizar os trabalhos no horário comercial.

Por sua vez, isso gera um acúmulo de tarefas, o que faz com que você fique cada vez mais ansioso e estressado por não alcançar o sucesso desejado.

A queda da produção é um dos primeiros sintomas do burnout e, geralmente, vem seguida da baixa qualidade na execução de tarefas que antes eram facilmente realizadas.

Sensação de impotência

Falando em estresse, o acúmulo de tarefas e responsabilidades e as constantes pressões associadas ao não aproveitamento das competências dos colaboradores causam uma sensação de impotência.

Logo, a falta de expectativas contribui para que o ambiente de trabalho se torne um fardo para algumas pessoas. Em diversas ocasiões, isso gera colapso físico e emocional e queda na autoconfiança, e o colaborador sente que seu trabalho não tem mais sentido.

Somatização

Dores de cabeça, falta de apetite, taquicardia, baixa imunidade e falta de ar são apenas alguns dos problemas causados pela somatização, que é a manifestação física de transtornos mentais.

Quando perceber que a presença de certas doenças é frequente, sem qualquer motivo aparente, o colaborador deve observar o ambiente de trabalho. A manifestação desse sintoma depende do nível de envolvimento com ele.

Enquanto algumas pessoas conseguem administrar bem a situação, outras não. No entanto, é preciso destacar que isso não significa falta de força de vontade.

Alteração de humor

Sabe quando você pergunta qualquer coisa para uma pessoa no trabalho e ela logo se estressa ou dá uma resposta “atravessada”? Pode observar: em grande parte dos casos, essa reação está atrelada ao esgotamento e às exigências do trabalho.

Se o sintoma for com você e qualquer coisa o irritar, deixando-o sensível ou triste, tente identificar se o problema no trabalho está ultrapassando as barreiras e interferindo na socialização com os colegas.

Como tratar o problema?

O Ministério da Saúde defende um tratamento basicamente feito por meio de psicoterapia e uso de medicamentos, como antidepressivos e/ou ansiolíticos, os quais devem ser receitados pelo médico.

No entanto, a própria pessoa que sofre com o burnout pode se ajudar com algumas atitudes simples aplicadas ao cotidiano.

Desconecte-se das obrigações

Pratique a desconexão das redes sociais e também do próprio trabalho quando estiver fora dele. O excesso de informações ao qual estamos expostos traz mais estresse e imediatismo para o nosso cotidiano, agravando o esgotamento psicológico.

Hoje em dia, já existe até uma denominação para os excessos de tecnologias e redes sociais em nosso dia a dia: FOMO (Fear of Missing Out ou medo de perder algo). Esse problema está associado ao fato de ficarmos conectados 24 horas por dia, o que gera angústia e mau humor e contribui para o esgotamento.

Aproveite os momentos de lazer

Tenha momentos para o lazer, pratique atividades físicas e esteja perto de quem te faz bem. O exercício físico, por exemplo, é um ótimo remédio para combater o estresse, sem contar os benefícios que ele traz para a saúde.

Portanto, aproveite os momentos de folga. Mesmo que não esteja fazendo nada, é possível descansar. Isso o ajudará a ter forças para combater os sintomas do burnout e evitar o acúmulo de estresse e ansiedade em sua rotina.

Procure ajuda dos seus superiores

O trabalho está te desgastando de tal maneira que você nem sente mais vontade de ir? Uma boa maneira de lidar com essa questão é conversando com seus superiores.

Exponha a eles toda a situação, converse sobre soluções (como diminuição na carga das obrigações) e, se possível, peça uma licença ou o adiantamento das férias.

A transparência é crucial para conquistar a confiança dos superiores e também para alertá-los sobre a organização do ambiente de trabalho.

Em diversas situações, o problema está no formato do negócio e nas pressões exercidas sobre os colaboradores. Assim sendo, a conversa pode ser fundamental para contornar a situação e evitar que outras pessoas sofram com o problema.

Por que a saúde mental é tão importante no ambiente de trabalho?

O ser humano não funciona como uma máquina. Ele tem emoções, fica cansado e gosta de se sentir valorizado. Por isso, a Síndrome de Burnout serve como alerta para que as organizações tratem com mais cuidado a saúde mental no ambiente de trabalho.

Se a mente está cansada, ela perde sua eficiência e seu rendimento. Logo, não adianta trabalhar mais, os resultados serão aquém do esperado. Isso faz com que a frustração aumente e as decisões importantes sejam adiadas.

Tem uma frase interessante do escritor François de la Rochefoucauld que retrata bem a questão:

“Quando não conseguimos encontrar tranquilidade dentro de nós mesmos, de nada serve procurá-la noutro lugar”.

Ao menor sinal da Síndrome de Burnout, procure um tratamento adequado e práticas que o ajudem.

Esperamos que tenha gostado do nosso post!

Aprenda também como melhorar sua rotina de trabalho aplicando a matriz de GUT para priorizar tarefas e projetos.

Nosso site utiliza cookies para melhorar sua experiência de navegação.